31
Aug 15

Quer dar uma espiadinha em 2040?


Mostra aí esse vídeo pra uma empresa que queira dar espiadinha no mundo em 2040.

O grupo London Futurists realiza periodicamente conferências sobre o futuro. Este ano o tema é “Abundância Sustentável para 2040”.

Contribua com o Crowfunding pra Beia ir pro Fuuturo

Contribua com o Crowfunding pra Beia ir pro Fuuturo

O tema é fantástico! Não há nada remotamente parecido no Brasil.
Será apenas 1 dia. Mas que dia! Um dia inteiro com 11 das mais fantásticas cabeças pensantes sobre o futuro. São doutores e pós doutorandos que, diferentemente do Brasil, são acadêmicos que trabalham ou trabalharam nas mais importantes empresas do mundo, como IBM, por exemplo.

Os assuntos vão de terapias com células-tronco; futuro da alimentação, da impressão 3-D, a transformação da educação e de como evitar retrocessos potenciais da tecnologia para o bem-estar da humanidade. Teremos justiça social em 2040?

Por que eu acho que essa conferência vai ser legal?
Porque como futurista do Grupo London Futurists, conheço e admiro seu trabalho. E já participei, no ano passado, da Conferência “Antecipando 2025”, que rendeu insights de peso, para o futuro dos meus clientes.

Vamos levar a futurista Beia Carvalho para 2040?

Vamos levar a futurista Beia Carvalho para 2040?

Por que me patrocinar?
Porque este é o jeito fácil de sua empresa dar uma espiadinha no mundo em 2040. E estamos a apenas 32 dias de 2040! Também, porque o evento é local, dentro da universidade, sem tradução simultânea, e exige fluência total em inglês.
E last but not least … já fui executiva -, os executivos vão e voltam desses eventos sem parar de trabalhar para o Brasil, nem um minuto. E quando voltam não tem tempo para preparar um material à altura do evento para ser compartilhado com as equipes das empresas.

Se você acha que sua empresa pode lucrar com conteúdos e conversas sobre o futuro, assista ao vídeo e considere atentamente as recompensas para que me patrocinar.

O projeto está no CROWDFUNDING KICKANTE.

Na cota única, o Patrocinador contribui com a minha participação na Conferência, e na minha volta tem direito a:
- 2 palestras gratuitas sobre os pontos mais excitantes da Conferência.
- 50% desconto nas próximas 2 palestras.
- Acesso às 10 pílulas mais relevantes logo após o evento.

O valor é de R$ 11.970. CONTRIBUA aqui: http://www.kickante.com.br/campanhas/quer-dar-uma-espiada-em-2040

Super fácil, clicou, contribuiu, chegou em 2040!
VAMOS TROCAR IDEIAS?

Conferência Abundância Sustentável para 2040

Conferência Abundância Sustentável para 2040

NOTA:
Alguns dos 11 palestrantes:
Entre os palestrantes, o fantástico Rohit Talwar, CEO da Fast Future; Stephen Minger, ex Cientista-Chefe na GE Healthcare Life Science – sobre as terapias com células-tronco; Karen Moloney, Diretora da Moloney Minds, sobre o futuro do homem e da mulher; Diana S. Fleischman, da Universidade de Portsmouth – sobre o futuro da alimentação, um mapa para a carne in-vitro e Waldemar Ingdahl, diretor do think tank Eudoxa – sobre o futuro da impressão 3-D e outras tecnologias descentralizadas. E Steve Fuller do depto de Sociologia da Universidade de Warwick, autor de Humanity 2.0 – sobre justiça social em 2040.




16
Aug 15

A Geração Y invade o Ponto de Venda

Palestra de Beia Carvalho, no Brazil Promotion, é destaque no PropMark.

Palestra de Beia Carvalho, no Brazil Promotion, é destaque no PropMark.


A DMC Media-Radio Indoor e Comunicação Sonora me convidou para palestrar sobre “A Geração Y invade o Ponto de Venda”. Veja abaixo a cobertura do PropMark, na matéria de Andrea Valério, com foto de Egydio Zuanazzi.

Engajamento é a palavra de ordem para a chamada geração Y, que tem entre 18 e 35 anos, em todos os seus diversos ambientes. É o que afirmou Beia Carvalho, da 5 Years From Now, durante sua apresentação, no Seminário Brazil Promotion, que aconteceu, semana passada, em São Paulo.

Em sua palestra, Beia destacou que, se para os mais antigos a obediência era uma questão importante, para o mais novos, o que vale mais é o convencimento e o compartilhamento.

Segundo Beia, essa geração é bastante inquieta e traz características bem marcantes. “Por exemplo, valorizam mais a infância, tem alta autoestima, não entendem hierarquia, além de serem multitarefas.” A executiva ressaltou que, em média, essa geração terá 14 empregos até completar 38 anos.

Para ela, hoje temos várias gerações convivendo no mercado de trabalho. A primeira delas é a Tradicionalista e tem mais de 69 anos. Os membros dessa geração respeitam e entendem a hierarquia e estão no comando de muitas empresas. A maior pare deles teve um emprego só e já está há muitos anos na mesma empresa. As mulheres dessa geração só trabalhavam se precisavam.

Depois essa geração vieram os Baby Boomers, que hoje tem entre 50 e 69 anos. Essa geração, segundo ela, foi a que mais conseguiu sucesso econômico e profissional. “Eles romperam com vários padrões e foram responsáveis por várias revoluções políticas e culturais.” As mulheres dessas geração já começaram a investir em suas carreiras.

Vale lembrar, de acordo com ela, que os mais novos dessa geração são os pais dos mais velhos da geração Y.

A geração seguinte foi chamada de X. De acordo com a executiva, foram eles que perceberam a importância de se preocupar mais consigo mesmos, não só com a família e com o trabalho. Foi uma geração impactada pela ditadura. A última geração depois da Y, é a Z, que hoje tem de 6 a 17 anos.

NOVA VISÃO
O evento ainda contou com a participação de Manuella Curti, presidente da Filtros Europa, típica representante da geração Y.

Manuella é herdeira da empresa e viu a presidência cair em seu colo, em 2010, quando tinha 26 anos. O irmão, com 29 anos, que vinha sendo preparado para substituir o pai, foi assassinado em 2009. Seis meses mais tarde, Dácio Múcio de Souza, seu pai e fundador da Europa, morreu de câncer.

Desde que assumiu, foram muitos desafios de relacionamento, segundo ela, muito por conta desse contraste de gerações. “Uma das tarefas mais difíceis foi provar que, apesar da minha pouca idade, eu tinha competência para ocupar aquele cargo, e isso acontece até hoje, é uma conquista diária.”

Para ela, os principais desafios estão ligados à forma de engajar as pessoas e qual a visão de cada uma delas sobre as questões da empresa. “Muitas vezes, o que interessa a uma geração não interessa a outra. Estamos sempre dialogando com todos para entender tudo.”

A executiva disse que é importante uma empresa ter várias gerações e uma pode aprender com a outra.

Palestrante Beia Carvalho, foto Egydio Zuanazzi.

Palestrante Beia Carvalho, foto Egydio Zuanazzi.




19
Jul 15

Silvana, minha melhor amiga.

Silvana e Beia, Bauru

Silvana e Beia dando umas bandas pelas ruas de Bauru

Foi a minha melhor amiga.
Cheguei em Bauru no dia de meu aniversário de 1 ano.
Ela tinha 2, como observou minha mãe ao me dar a notícia ontem: “Conheci a Silvana com 2 anos, tão lindinha, quando chegamos a Bauru, há exatos 60 anos (14 de março de 1955).

Eram todos loiros na família, numa cidade onde ninguém era loiro. Quase ninguém, porque ela se casou com Paulo, talvez o outro único loiro da cidade. Ela tinha 2 irmãs mais velhas. Hoje seriam fashionalistas. Não sei quantas horas passamos juntas naquele enorme quarto onde Sandra e Sueli se arrumavam durante horas e horas, para ir aos bailes e festas nos fins de semana. E quando chegou a nossa vez, era ali que nos arrumávamos. Porque todo o frisson estava ali. O guarda roupa ia de fora a fora em uma das paredes e era repleto de roupas, acessórios, bugigangas, lenços, espelhos e muita bijuteria. Silvana, alta, linda e loira, sempre gostou dos brilhos, das grandes bijus, das flores. E tudo que ela vestia ficava lindo naquele corpão! Era exótica. Uma palavra que meu pai adorava falar para crianças, porque elas não sabiam o significado dela.

Silvana, a 1ª da direita para esquerda ao lado de seu marido Paulo. Seguida da irmã Sueli, cunhada Regina e meus pais, Agarb e Jeanete.

Silvana, a 1ª da direita para esquerda ao lado de seu marido Paulo. Seguida da irmã Sueli, cunhada Regina e meus pais, Agarb e Jeanete.

De todos os eventos, o Carnaval era de longe o mais importante, o mais gostoso e o que ocupava nossas mentes antes, durante e depois. Antes, porque sempre fazíamos blocos temáticos entre os amigos. Meus pais sempre adoraram Carnaval e minha “tia” Dulce, mãe da Silvana, também gostava. Mas não dançava. Se divertia da mesa. E sempre nos contava como era bom quando o Carnaval tinha lança-perfume.

Carnaval em Bauru. Da esquerda para direta, minha tia Eune, meu tio Zézinho, minha mãe Jante e pai Agarb.

Carnaval em Bauru. Da esquerda para direta, tia Eune, tio Zézinho, minha mãe Jeanete, pai Agarb e tia Dulce.

De tudo o que fizemos juntas na vida, nadar na Hípica, sem dúvida, ganhou de longe. Íamos de ônibus, sozinhos num bando de umas 10 crianças de todas as idades e ficávamos dentro da água a tarde inteira. Bauru era muito mais quente que hoje. Se dá pra imaginar! Lembro-me dos longos cabelos verdes, resultado do cloro desgraçado da piscina que “tingia” o cabelos das loiras. Um dia Silvana descobriu que lavar o cabelo com OMO tirava o verde e o cloro. E passamos a usar sabão em pó para lavar as madeixas. Que divertido!

Não estudávamos juntas. Ela foi pro Colégio das Freiras. Coitada! Não sei como suportou. Às vezes, penso que suportava as exigências e desmandos das freiras, porque estava ali, só com o o corpo. A alma era artista. Desde pequena, pintava muito e muito bem. Fazia bolos de madrugada. Lia livros inteiros de madrugada. Acordava tarde. Muito tarde. Tudo na vida dela era diferente da minha. Foi a minha melhor amiga enquanto convivemos. Um dia, não nos vimos mais. Ontem à noite, soube da tragédia.

Anos mais tarde conheci o Pedro, aqui em São Paulo. Era como olhar para ela. Ele tem a alma de artista. Não sei se também prefere a noite ao dia. Tem muito da mãe. E, por acaso dos acasos, conhece meu filho Galileo e se dão bem.

É a primeira amiga que perco. Assim, amiga mesmo de infância, adolescência e de vida adulta. Não é fácil.

Sim, ela foi uma mulher disruptiva. Viveu intensamente a vida. Isso é bom. Isso é o que importa: vivê-la.

E como Pedro postou ao lado de uma linda foto dela: “o céu acaba de ganhar mais uma estrelinha, obrigado mãe, te amo.”

Eu também, Silvana.




12
Jul 15

“Peak Car”: a chegada da decadência do Carro?

Car Peak, artigo do futurista Thomas Frey

Car Peak, artigo do futurista Thomas Frey

Em que ano o número de carros do mundo vai atingir seu pico e as vendas de veículos começarão a declinar?

Por mais surpreendente que seja, isso já está acontecendo nos EUA! As pesquisas mostram que as economias mais ricas já atingiram o “peak car,” o ponto de saturação do mercado caracterizado por uma desaceleração sem precedentes tanto no crescimento de proprietários de carros, quanto no total de quilômetros rodados e nas vendas anuais.

Por décadas, o tráfego de veículos cresceu numa velocidade assombrosa. Mas isso tudo mudou em 2007. Alguns se referem ao fato como uma tempestade perfeita combinando colapso econômico, revolução digital e enormes mudanças no estilo de vida urbano.

Muitas startups surgiram nessa época, na área de transporte alternativo, como Zipcar (ZazCar, no Brasil), Uber, Lyft, e SideCar. Junte tudo isso ao surgimento de carros conectados, aumento de carros elétricos, carros autônomos, declínio da natalidade, e o crescente congestionamento das vias expressas em quase todas as grandes cidades do mundo.

Indicadores mostram um quadro muito claro da indústria automobilística para os próximos anos, quando o resto do mundo também atingirá o tal pico. Mesmo contando que o continente africano com seus altos índices de natalidade e infraestrutura subdesenvolvida está longe de atingir o pico automotivo, as atuais mudanças no jeito de pensar o transporte acionaram o alarme por toda a indústria automobilística.

Mas como se dará essa transformação?

Em apenas pouco mais de uma década, ser proprietário de um carro será relegado a um hobby, ou ao mercado de luxo, algo parecido com ter aviões ou cavalos.

Ter um carro e ser responsável por toda a chatice que vem com ele, como financiamento, licenciamento, impostos, consertos, seguros, combustível, troca de óleo, lavagens, e submeter-se a todas as 10.000 leis de trânsito,  estacionamento, velocidade, ruídos, poluição, sinalização e semáforos serão, brevemente, coisas do passado.

Na realidade, possuir um carro passou a ser uma experiência dolorosa. Do vendedor da concessionária, o cara que faz o financiamento, aos guardas de trânsito te vigiando a cada momento, fazem os compradores de carro se sentirem como ratos com um montão de urubus circulando acima de suas cabeças.

As vendas da indústria automobilística começaram a sua lenta marcha para a inexistência.

As pessoas aguentaram tudo isso, porque não tinham nenhuma outra boa opção. Mas as novas opções já estão aqui. E muitas outras estão chegando. [...]

Minha intuição é que num mundo onde o transporte passa a ser on-demand, a indústria automobilística será paga por quilômetro rodado, e mudará seu foco para veículos duráveis, capazes de viajar por mais de um milhão de quilômetros. Menos veículos, que durarão muito mais, vão gerar uma equação muito mais lucrativa para a indústria automobilística.

Os perdedores neste cenário serão as companhias de seguros e as financeiras, e toda a rede de concessionárias, que dependem de vendas. Ao mesmo tempo, guardas e juízes de trânsito, estacionamentos, e milhares de outros pequenos negócios que sustentam nosso atual mundo centrado em humanos dirigindo carros.[...]

Carro Autônomo Google

Carro Autônomo Google

Como sempre, muitas coisas podem dar errado, no caminho. Hackers podem fazer carros sem motoristas bater um contra o outro, sindicatos podem proibir alguns estados de ter carros sem motorista, protestos de pessoas que perderam seus empregos, ou carros sem motoristas sendo usados em ataques terroristas, são algumas das ameaças potenciais deste futuro cenário.

O caminho do progresso nunca é fácil, portanto espere muitas coisas darem errado ao longo desta estrada.

No entanto, eu vejo o “peak car” como um estágio muito positivo. Mas eu adoraria ouvir sua opinião. Isso é bom? Estaremos todos nós usando carros sem motorista na próxima década? O “pico do automóvel” vai acontecer nos próximos 10 anos, e se não acontecer, por que será que não?

NOTAS:
Escrito pelo futurista Futurist Thomas Frey, autor de “Communicating with the Future” e traduzido parcialmente e livremente por mim.

Para acessar o artigo original:

http://www.futuristspeaker.com/2015/07/the-coming-of-peak-car




01
Jul 15

Makers.

Ayah Bdeir, Media Arts and Sciences, Media Lab, MIT

Ayah Bdeir, Media Arts and Sciences, Media Lab, MIT

Ontem participei do Makers Master, com o incrível Ricardo Cavallini.

No mundo dos MAKERS – artesãos sem limitação de ferramentas tecnológicas – há mais mulheres, que homens, segundo meu professor Cavallini. Me apaixonei pelo littleBits, criado pela incrível libanesa-canadense Ayah Bdeir, 33.

littleBits são módulos que se juntam por ímãs (assista ao vídeo). É o LEGO das novas gerações. Seu código é aberto e ensina crianças a programar e criar como o Lego liberou a criação e ensinou a construir. Serve pra prototipar, aprender e se divertir. Tudo do littleBits que tem a ver com nerdice, vem pronto. Para que a gente brinque e experimente sem saber de eletrônica. Nas palavras da sua criadora: “Go ahead and start inventing”. Demais!!

Turma do Makers Master

Turma do Makers Master

Guru Cavallini & Euzinha

Guru Cavallini & Euzinha

Valeu, repensador Otavio Dias!




18
Jun 15

Quantos Muros Separam o Mundo?

Muro de Berlim caiu em 9 de novembro de 1989. Tinha 1400 km de comprimento.

Muro de Berlim caiu em 9 de novembro de 1989. Tinha 1400 km de comprimento.

Um novo muro de 175 km de comprimento e 4 metros de altura vai separar a Hungria da Sérvia. Péter Szijjártó, ministro do Comércio e Relações Exteriores, desabafou: “A Hungria não pode mais esperar!”.

Entre janeiro e maio deste ano mais de 50.000 cruzaram a fronteira ilegalmente vindos da Sérvia. Quase metade deles são de Kosovo, outros 11.253 são afegãos e 7.640 são sírios. Em menos de 6 meses a cifra de 2014 foi ultrapassada (43.360). Matéria publicada hoje no Washigton Post, por Adam Taylor.

Fico tão estupefata quando ouço falar de muros em pleno século XXI, que fui dar um gugada sobre o assunto muros no mundo. Abaixo uma tradução livre do artigo “14 Muros Continuam a Separar o Mundo”, de Rick Noack, publicado pelo Washington Post, em novembro 2014. Seguem fotos e dados de alguns 45 muros existentes hoje!

Na comemoração de 25 anos da queda do muro, em novembro de 2014, a chanceler alemã Angela Merkel disse: “Nós podemos mudar as coisas para melhor – essa é a mensagem da queda do muro de Berlim.”

Infelizmente, a toda poderosa Angela errou. Muitos dos mais de 45 muros entre nações e territórios existentes hoje foram construídos depois da queda do muro alemão, particularmente na última década, após os ataques terroristas, que derrubaram as torres gêmeas, em 2001. 

Aqui estão 19 desses muros:

INDIA & PAQUISTÃO

Soldado da Força de Segurança indiana patrulhando a cerca com o Paquistão, em Jan. 14, 2013. (Mukesh Gupta/Reuters)

Soldado da Força de Segurança indiana patrulhando a cerca com o Paquistão, em Jan. 14, 2013. (Mukesh Gupta/Reuters)

índia e Paquistão já se enfrentaram em 3 guerras, tem armas nucleares e não se entendem desde 1947.

GEORGIA & OSSÉTIA DO SUL

Em 2013, tropas russas construíram uma cerca de arame farpado entre a Georgia e a Ossétia do Sul, como parte da disputa entre Rússia e Georgia.

Em 2013, tropas russas construíram uma cerca de arame farpado entre a Georgia e a Ossétia do Sul, como parte da disputa entre Rússia e Georgia.

FAIXA DE GAZA & ISRAEL

Faixas em inglês e hebraico bloqueiam estrada que leva a Gaza. Guardas israelenses protegem os 64 quilômetros da fronteira com a faixa de Gaza, erigida em 1994. (Getty Images/David Silverman)

Faixas em inglês e hebraico bloqueiam estrada que leva a Gaza. Guardas israelenses protegem os 64 quilômetros da fronteira com a faixa de Gaza, erigida em 1994. (Getty Images/David Silverman)

EGITO & FAIXA DE GAZA

Foto tirada do lado palestino da fronteira de Rafah, em outubro de 2014, e mostra a torre do lado Egípcio. (Said Khatib/AFP via Getty Images)

Foto tirada do lado palestino da fronteira de Rafah, em outubro de 2014, e mostra a torre do lado Egípcio. (Said Khatib/AFP via Getty Images)

ISRAEL & WEST BANK

Em 2002, Israel começou a construir esse muro com 675 KM, umas partes em concreto e outras de arame farpado, com 5 a 8 metros de altura. (Atef Safadi/European Pressphoto Agency)

Em 2002, Israel começou a construir esse muro com 675 KM, umas partes em concreto e outras de arame farpado, com 5 a 8 metros de altura. (Atef Safadi/European Pressphoto Agency)

U.S. & MEXICO

A cerca entre México e EUA começou a ser construída em 2006, por conta de tráfico, violência e imigração ilegal.

A cerca entre México e EUA começou a ser construída em 2006, por conta de tráfico, violência e imigração ilegal.


Presidente Obama suspendeu partes do projeto, em 2010.

NORTH KOREA & SOUTH KOREA

Foto de outubro de 2014, cerca de arame farpado com fitas coloridas com mensagens pro unificação das 2 Coreias. (Kim Hong-Ji/Reuters).

Foto de outubro de 2014, cerca de arame farpado com fitas coloridas com mensagens pro unificação das 2 Coreias. (Kim Hong-Ji/Reuters).


É considerada uma das últimas fronteiras do Guerra Fria.

ÍNDIA & BANGLADESH

Em 1993, a construção da cerca começou. São 4.000 KM acidentados entre Índia e Bangladesh. (Ramakanta Dey/Associated Press).

Em 1993, a construção da cerca começou. São 4.000 KM acidentados entre Índia e Bangladesh. (Ramakanta Dey/Associated Press).


Mais de 700 bangladeshis morreram entre 2000 e 2007, de acordo com o Guardian.

UNIÃO EUROPÉIA

Cerca entre a fronteira da Bulgária e Turquia, perto da vila de Slivarovo. (www.politicalbeauty.com via AFP)

Cerca entre a fronteira da Bulgária e Turquia, perto da vila de Slivarovo. (www.politicalbeauty.com via AFP)


A União europeia construiu várias cercas, supostamente para prevenir a entrada de refugiados do Oriente Médio e do norte da África.

ESPANHA & MARROCOS

Foto de outubro de 2014 mostra um guarda civil espanhol puxando um imigrante africano tentando atravessar a fronteira entre Melilla (cidade autônoma espanhola, situada no norte de África) e o Marrocos. (Jesus Blasco de Avellaneda/Reuters)

Foto de outubro de 2014 mostra um guarda civil espanhol puxando um imigrante africano tentando atravessar a fronteira entre Melilla (cidade autônoma espanhola, situada no norte de África) e o Marrocos. (Jesus Blasco de Avellaneda/Reuters)

CHIPRE

Muro divide na fronteira da zona-tampão das Nações Unidas, vista da área controlada Greco cipriota, em março de 2014. (Neil Hall/Reuters)

Muro divide na fronteira da zona-tampão das Nações Unidas, vista da área controlada Greco cipriota, em março de 2014. (Neil Hall/Reuters)


Chipre está separada por uma zona tampão das Nações Unidas, estabelecida em 1974. O muro divide a parte sul da ilha, da parte norte, que é reconhecida como um território independente pela Turquia.

IRLANDA

Fotos de outubro de 2014, do muro que divide as comunidades Católicas e Protestantes. (Cathal McNaughton/Reuters). Ainda hoje existem 99 barreiras em Belfast, e outros muros na cidade de Derry.

Fotos de outubro de 2014, do muro que divide as comunidades Católicas e Protestantes. (Cathal McNaughton/Reuters). Ainda hoje existem 99 barreiras em Belfast, e outros muros na cidade de Derry.

MARROCOS & SAARA

Soldados marroquinos no "muro de areia fortificado" que separa áreas controladas do Marrocos, no Saara Ocidental perto da fronteira com a Argélia. Foto nov 2014.

Soldados marroquinos no “muro de areia fortificado” que separa áreas controladas do Marrocos, no Saara Ocidental perto da fronteira com a Argélia. Foto nov 2014.


Trincheiras, arame farpado, minas terrestres e um batalhão de soldados guardam esta fronteira construída em 1987, para impedir ataques de tropas separatistas no Saara ocidental.

BAGDÁ

Homem faz uma pintura no muro que protege a parte sul do enclave xiita da Sadr City, em Bagdá. (Karim Kadim/Associated Press)

Homem faz uma pintura no muro que protege a parte sul do enclave xiita da Sadr City, em Bagdá. (Karim Kadim/Associated Press)

Em 2007, o governo americano construiu um muro de 5 KM, em Bagdá para separar comunidades predominantemente sunitas ou xiitas. O muro, supostamente temporário, está lá até hoje.

MAIS MUROS
Há um cerca eletrificada na fronteira de Botsuana e Zimbábue. E muros entre a Malásia e Tailândia, Arábia Saudita e Iraque, Irã e Iraque, e Kuwait e Iraque.

A sensação de traduzir, ver e rever estas fotos sobre desumanidades é muito desanimadora. Elevo meus pensamentos para que eles se unam a todos homens que desejam um mundo de humanos civilizados à procura do bem-estar para a humanidade. É fácil. É só deslocar toda essa energia de guerra para uma guerra a favor de todos os homens. Todos. E não como aprendemos na história, a favor de poucos.  Muito poucos.

NOTAS:
1) Washington Post: Hungary’s response to the migrant crisis? A 109-mile-long, 13-foot-tall fence http://www.washingtonpost.com/blogs/worldviews/wp/2015/06/18/hungarys-response-to-the-migrant-crisis-a-109-mile-long-13-foot-tall-fence
2) Washington Post: These 14 walls continue to separate the world

http://www.washingtonpost.com/blogs/worldviews/wp/2014/11/11/these-14-walls-continue-to-separate-the-world




15
Jun 15

50 anos de Inovação: OLHO NELES!

Contato, inovação anos 1980, por Beia Carvalho, presidente das Palestras 5 Years From Now® e Galileo Giglio, CEO e diretor de criação do Estúdio MOL.

Lentes de Contato, inovação anos 1980, por Beia Carvalho, presidente das Palestras 5 Years From Now® e Galileo Giglio, CEO e diretor de criação do Estúdio MOL TV.

Tem gente que foge do job que nem o diabo foge da cruz. Tem gente que empurra o job com a barriga. Outros são corretos: vão lá e executam. OK. Poucos, raros, agarram o bixo-job pelos cornos até dominá-lo e aos poucos arquitetam um meta job. O job do job.

E aquilo vai crescendo e tomando dimensões faraônicas. E a criatura-criadora, um tanto quanto tomada por todo aquele redemoinho de ideias, pessoas, imagens e possibilidades, bate o martelo e vai. Vai com tudo. Acelera numa tresloucada empreitada que inclui muita pesquisa, organização, coordenação, timing, e tesão sem fim. Tesão pelo trabalho.

Todos os finais de ano, presencio os momentos de nascimento do job “Aniversário do Jornal propmark”. A cada ano, uma nova-e-insana ideia é levada a cabo e nos encanta. E a cada ano, assisto à metamorfose do job em meta-job. Mais um ano, mais uma grande ideia, mais uma comemoração.

O resultado?

Sempre fantástico, interessante, gostoso, leve, instrutivo. A edição é da altura de um tijolo. Fruto de uma cabeça que não se cansa em fazer combinações inovadoras.

Ao completar 50 anos, o propmark faz nesta edição uma homenagem à INOVAÇÃO. Seu editor convidou 50 profissionais a representar visualmente as 50 inovações dos últimos 50 anos. É uma honra, um prazer inenarrável, ser parte deste seleto ‘club’.

Uma das 50 inovações destes 50 anos foram as Lentes de Contato. Desde que comecei a usá-las, há 20 anos, sou fã e uma verdadeira propagandista deste produto. Quem me conhece e tem mais que 40 anos, usa lentes, rs.

E o assunto-lentes-de-contato me seduz ainda mais, pela assombrosa evolução que as lentes terão nos próximos 10 anos.

De executar as funções do estranho Google Glass, a monitoramento da diabetes, realidade aumentada e a possibilidade de enxergar luz ultravioleta e infravermelha no mesmo espectro normal de visão. Para uma futurista como eu, lentes de contato são um verdadeiro parque de diversões. E tenho a certeza que cada um dos 50 convidados se sentiu, assim como eu, em total sinergia com o tema. Você está percebendo e acompanhando o tamanho da encrenca que é este job?

Espero que também goste da minha metade deste trabalho, criado junto com Galileo Giglio, CEO e diretor de criação do Estúdio MOL TV.

Galileo Giglio, CEO e Diretor de Criação do Estudio MOL TV

Galileo Giglio, CEO e Diretor Criação do Estudio Mol TV

Tudo começou a ser gerado pelo Diretor de Redação Marcello Queiroz, em dezembro de 2014. Porque tem gente que tem um prazer visceral em inovar. Que pega o job pelos cornos e o domina! Eu quero estar mais e mais colada a pessoas como o Marcello, que me inspiram, me empurram, me fazem repensar e re-repensar. Valeuuuu, Marcello Queiroz!

Aqui o meta-job:

por Marcello Queiroz

Uma das palavras que podem estar mais diretamente associadas à inovação é o desafio. Pois bem, o propmark se propôs ao interessante desafio de selecionar 50 exemplos de inovação nos últimos 50 anos para comemorar o aniversário de 50 anos do jornal.

O principal critério estabeleceu que cada um dos exemplos precisaria ter sido lançado em qualquer lugar do mundo a partir de 1965. A seleção também poderia contar com inovações idealizadas antes de 1965, mas que só chegaram ao Brasil ou tiveram impacto comercial a partir de algum momento no tempo decorrido das últimas cinco décadas. Também avaliamos o impacto das inovações no dia a dia do consumidor.

A relação desses 50 exemplos foi definida pela Redação do propmark após indicações feitas pelos professores Edward Leaman e Patrick Hunt, da Universidade de Stanford, especializados na área de inovação.

Para cada item da lista, o propmark escolheu um convidado especial para fazer uma representação visual. O briefing para cada convidado foi simples: imaginar ou desenvolver um desenho/arte/fotografia/colagem/montagem/ilustração com sua visão criativa ou mercadológica para os exemplos de inovação. O resultado, que inclui do adoçante artificial ao YouTube, passando por Prozac, Viagra, DVD, fertilização in vitro, fibra ótica, smartphone, GPS, Projeto Genoma e cirurgia a laser, está nas páginas a seguir.

Viva a inovação!

Parabéns ao empresário fundador do jornal Propmark, Armando Ferrentini!

Para ver as 50 inovações, clique aqui: http://propmark.uol.com.br/especial50#

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho




08
Jun 15

FICADICA: a coleção #01 a #20

#FICADICA é o desejo de registrar as minhas próprias frases, as de colegas futuristas e de amigos, que me inspiram pelo mundo afora.

FICADICA #01. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #01. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

Reúno as primeiras 20 dicas aqui. Se gostar, colecione e espalhe. Daqui 5 anos vamos recompartilhá-las e ver o que já virou realidade.
Vamos ver a minha disciplina para chegar a 50 dicas. Projeto compartilhado com meu dupla André Moraes, da amDESIGN.

FICADICA #02. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #02. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #03. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #03. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #04. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #04. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #05. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #05. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #06. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #06. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #07. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #07. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #08. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #08. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #09. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #09. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #10. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #10. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #11. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #11. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #12. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #12. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #13. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #13. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #14. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #14. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #15. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #15. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #16. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #16. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #17. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #17. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #18. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #18. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #19. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #19. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #20. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

FICADICA #20. Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione!

 

Se liga nas dicas do FUTURO! Colecione e Inspire-se!!

Quer saber mais?

Contrate uma palestra 5 Years From Now® com a palestrante futurista Beia Carvalho, para a sua equipe: palestras@5now.com.br

AGUARDE A NOVA COLEÇÃO COM MAIS 20 DICAS.
ACOMPANHE UMA A UMA PELO FACEBOOK, TWITTER, G+, PINTEREST.

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Daqui 5 anos vamos ver o que virou realidade.

Daqui 5 anos vamos ver o que virou realidade.

Minha Capa Cool: Ello 2020

2020




07
Jun 15

Para Cacilda, Janaína e Jeanne.

Janaina, Jeanne e Cacilda: as Heroínas!

Janaina, Jeanne e Cacilda: as Heroínas!

(postado há algumas horas atrás em meu perfil do Facebook, teve uma repercussão tão emocionante, que quis “eternizar” este post aqui em meu blog).

Ontem assisti a um filme que mexeu muito comigo. Still Alice. Tenho medo de Alzheimer. Muito medo. No filme, Julianne Moore, a Dra. Alice Howland, é uma renomada professora de linguistica, diagnosticada com um raro Alzheimer aos 50 anos. A doença coloca as relações entre marido, filho e 2 filhas à prova da vida.

Hoje, vejo na timeline de minha amiga Adélia Franceschini, o TED da incrível médica e palestrante contundente Dra Ana Claudia Quintana Arantes, especialista em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium e Universidade de Oxford, além de pós graduada em Intervenções em Luto. O trabalho, ofício, missão desta mulher é aliviar a dor e o sofrimento de doentes e familiares e resgatar a biografia de pacientes. Ela implantou as políticas assistenciais de Avaliação da Dor e de Cuidados Paliativos do Hospital Israelita Albert Einstein e é sócia fundadora da Associação Casa do Cuidar.

Aos poucos, a plateia (cada um a seu modo e intensidade) vai sendo tomada de uma tal emoção, que contagia a todos e nos faz refletir sobre esse assunto tão tabu em nossa sociedade. A Morte. Principalmente, a morte anunciada, que segundo a doutora é responsável por 800.000 das mortes anuais, no Brasil.

Separei uma parte do filme que penso traduzir o que a doutora diz sobre a Vida diante da presença da Morte. Mais abaixo o link para o TED. Still Alice (Para Sempre Alice) foi dirigido por Richard Glatzer e Wash Westmoreland, e escrito por Lisa Genova, com roteiro de Richard Glatzer e Wash Westmoreland. Estrelando a Estrela Julianne Moore no papel de Alice, seu marido Alec Baldwin (sou fã) e uma jovem que me encanta, Kristen Stewart.

Julianne Moore recebendo Oscar por Alice.

Julianne Moore recebendo Oscar por Alice.

E para coroar, o discurso de Julianne Moore ao receber o Oscar, por sua interpretação da Alice. Preste atenção no final de seus agradecimentos – a parte em que ela conta quando um dos diretores, Richard Glatzer, descobriu que estava com ELA (esclerose lateral amiotrófica, aquela do balde de gelo) e o outro diretor Wash Westmoreland, pergunta a ele o que ele quer fazer. Richard responde: CINEMA! Nooossa, tendo assistido ao TEDx da Dra Ana, é de arrepiar!!!!

Eternamente obrigada a Cacilda, Janaína e Jeanne que deixaram as vidas de seus familiares e as nossas vidas mais ricas nesta tarde de domingo. As 3 revelaram a nós – a partir do post no meu perfil do facebook – as suas experiências com as doenças degenerativas. Mulheres fortes, que agarram o leme de suas (nossas) vidas e seguem valentes, entusiásticas, em frente. Iluminam o nosso caminho. Com seus depoimentos, cheguei às lágrimas, uma vez mais nesta tarde.

Dizem que não há coincidências na vida, mas sincronicidade. Estou experimentando esta sincronicidade neste fim de semana. No meu post de ontem, afirmei que por conta da minha vida em rede, minha vida fica a cada dia melhor e mais rica de pessoas. Valeu, meninas! Obrigada a todos pelos comentários e por compartilharem e espalharem este tema tão especial a todos humanos: as nossas vidas.

NOTAS:
1. Cacilda, Janaína e Jeanne deixaram as vidas de seus familiares e as nossas mais ricas nesta tarde de domingo.

2. Still Alice (Para Sempre Alice) foi dirigido por Richard Glatzer e Wash Westmoreland, e escrito por Lisa Genova, com roteiro de Richard Glatzer e Wash Westmoreland . Com Julianne Moore no papel de Alice, Alec Baldwin, como seu marido e jovem, Kristen Stewart.

3. Link para a palestra do TEDx da Dra Ana Claudia Quintana Arantes FMUSP, especialista em Cuidados Paliativos: https://youtu.be/ep354ZXKBEs

4. Obrigada Janaína Machado pela explicação do banho de balde de gelo, como divulgação da doença degenerativa ELA (esclerose lateral amiotrófica). Eu não sabia que a escolha do gelo é porque as pessoas normais conseguem sentir, em questão de segundos, a dor quase igual à terrível dor que o portador de ELA e EM sentem em seu corpo. Agora, a campanha faz muito mais sentido para mim.




05
Jun 15

Ah, as responsabilidades de compartilhar!

Adoooorooo fãs!

Adoooorooo fãs!

Recebi esta mensagem ontem, e tive que ralar pra responder à minha nova fã gaúcha Lygia Pires de Macedo, especialista em Pesquisas de Mercado & Planejamento. Olha só a saia justa! Perguntas inteligentes, respostas difíceis.

“Beia , tenho acompanhado seus posts e virei sua fã. Tenho 2 perguntas, pode ser?
1. Como você preconiza a geração Y neste novo cenário econômico (novo para eles) brasileiro? Afinal eles cresceram em um ambiente macro bem mais confortável. Levando-se em consideração que haverá retração nos empregos, fechamento de empresas, dinheiro e outros recursos mais caros, poucos investimentos e que levaremos pelo menos uns cinco anos para sair disso, se formos bem administrados, como você acha que eles lidarão com esse novo momento adverso?

2. Você fala em análise de notícias (tb acho que sim, tanto que tenho assistido noticiários onde há analistas), mas como explicar então essa limpeza de pensantes feitas pelas redações de jornais e revistas por todo Brasil? Isso poderá mudar?”

Rapidamente, respondi: “Lygia, as perguntas são boas demais. Vou me dedicar às respostas e posto aqui. Amei seus elogios. Eu adoroooo fãs.”

Obrigada, Lygia Pires de Macedo.

Obrigada, Lygia Pires de Macedo.

Este é o resultado da minha dedicação, Lygia. Espero que tenha chegado à altura de suas questões. Com a ajudinha do Deus brasileiro, que fez os EUA e a Europa passarem por uma mega recessão, a gente pode, sem gastar dinheiro em pesquisas, ter referências para a nossa crise retardada de 2015.

Em 1982, quase 4 milhões de bebês nasceram nos EUA. Eles. Aqueles. Os Millennials. A Geração Y. A maior geração americana. Wow! Passaram os baby boomers? São os NEO baby boomers? Pois é, enquanto ainda estavam se divertindo, mamando o leite materno, o país se recuperava da recessão dos anos 1980, entrando na era Reagan, com seus 4 pilares para chacoalhar a economia: redução dos gastos do governo, redução das taxas do imposto de renda federal e sobre ganho de capital, redução da regulamentação governamental e redução da oferta de moeda, para reduzir a inflação. (ouviu D. Dilma? São 4 pilares. Os 4 começam com redução, não com inchação!).

Desmamaram e se viram de frente com os anos 1990, uma era estável, bombando, parecia que a humanidade finalmente estava acertado o passo. BUM! As torres caíram em 11 de setembro de 2011! Os mais velhos da geração Y, aqueles “bezerros” dos anos 1980 estavam então com 21 anos. Pois é, sofreram o baque. Adeus mundo-cor-de-rosa. Bye bye.

Mas o verdadeiro tapa-na-cara, o real “acorda aíê”, veio com a inesperada, para nós leigos, crise mundial de 2007-08. MUN-DI-AL. Mas por artifícios nunca dantes imaginados no mundo-mundial, o Brasil “surfou na marolinha” da crise. Afinal, somos brasileiros. Deus é brasileiro. Estávamos acima, além deste tal mundo-mundial.

Mas, ri melhor quem ri por último. Tente explicar para alguém do 1º. mundo porque estamos na pior recessão MUNDIAL! Se conseguir, e se sua explicação fizer sentido, me passe por email, por favor.

Vou retratar agora um fenômeno americano mas que, com algum esforço, dá pra gente tropicalizar. A Geração Y é a geração americana com o maior nível educacional. Nos países de 1º. mundo isso se traduz por mais mestrados, PhDs e pós doutorados. No Brasil e em outros países do 3º. mundo, não chegamos a tanto! Mas fizemos a nossa parte: temos menos analfabetos – sem entrar no triste “detalhe” dos analfabetos funcionais (sabe, a balconista da rua Oscar Freire que faz o desconto de 10% da calculadora?).

A despeito destas diferenças brutais entre os mundos-mundiais e o mundo-do-faz-de-conta-das-marolinhas, a tal melhor educação está pagando um preço fenomenal! Nos EUA, onde tudo está contabilizado, a dívida dos universitários junto às universidades dobrou entre 1996 e 2006. A esperança de poder pagar a dívida da bolsa universitária com empregos fantásticos, sucumbiu quando – ao sair da universidade – os jovens Y deram de cara com a pior crise econômica em 80 anos! Diferentemente de países liderados por caudilhos, nenhum país de 1º. mundo apelidou a crise de “marolinha”.

Mas será que se safaram os “ispertos” que não foram para as universidades? Putz, não! Com salários arrochados, melhor pagar por tecnologia que substitui gente, ou terceirizar nos países emergentes, ou pagar pouco para quem pode me oferecer muito, que pagar pouco por um “vagabundo” ou semianalfabeto.

Achar emprego e achar um bom salário tem sido cada vez mais difícil. Isso significa que o ciclo que começa com o compromisso do jovem em comprar uma casa (deixar a casa dos pais, pagar por comida, roupa lavada, comprar e manter seu carro, casar, ter filhos, escola etc) – foi interrompido. Uma geração que não compra sua casa própria, nem seu primeiro carro é uma geração que interrompe o “curso natural da economia americana”.

Olhando do ponto de vista dos baby boomers (a geração que mais acumulou poder econômico e que são os pais dos mais velhos da Geração Y); ou com os olhos da Geração X (berço dos yuppies e os pais dos mais novos da Geração Y), isso pode parecer um desastre. Só que não. A maior parte dos Y não está nem aí. E muitas vezes até despreza esta busca “patrão”, “burguesa”. Mesmo porque, sempre podem não deixar a casa dos pais, ou retornar a elas, sem sofrer a pecha de perdedores – lembrando que para as gerações mais velhas, regressar à casa dos pais era assinar que e “falharam na vida”.

E mais de 1 entre 5 americanos entre 18-34 respondendo à pesquisa da Pew Research Center disseram que adiaram se casar ou ter o primeiro bebê por conta da má fase da economia. E mais de 1/3 de jovens entre 25 e 29 anos voltaram a morar com seus pais. Não me surpreende. Essa é a geração que adora um toddynho e tem um estreito contato com a vida infantil. Por quê? Porque lá é bem mais “quentinho” que resolver problemas de adultos. Por dominarem o que nós mais velhos chamamos de tecnologia, eles vem resolvendo nossos problemas desde a mais tenra idade. Quem acima de 50 anos não pediu para uma criança de 5 anos ajustar o relógio digital do carro ou o radio-relógio da cabeceira, quando chegava o horário de verão? Quem abaixo de 50 anos não pediu para uma criança resolver um problema com a impressora ou com o computador que ‘travou”?

Há quem pense que a Geração Y é a mais azarada desde a 2ª Guerra Mundial, por conta dos baixos salários, altas taxas de desemprego, terrorismo, globalização e tecnologia substituindo mão de obra humana. Mas há quem veja o copo quase cheio: ninguém vai morrer de fome – pelo menos nos EUA. E nem no Brasil, se contarmos a escalada da obesidade em todas as faixas etárias e em todas as classe sociais, notadamente nas classes mais baixas. E a Internet possibilitou acesso gratuito a muita coisa que antes era reservada a uma distinta classe (aprendizado de línguas, educação de alto padrão, e entretenimento, por exemplo).

O mesmo instituto Pew Research Center revela que 9 entre 10 jovens da geração Y que haviam mudado para casa de seus pais já dizem ter o dinheiro que necessitam ou que o terão num futuro bem próximo.

Talvez a geração Tradicionalista (nascidos antes de 1946) estivessem certos: é preciso passar por uma ‘guerra” para dar valor à “vida”. Pew acredita que esta geração de jovens entre 18 e 35 anos, entregarão uma nação mais próspera às suas crianças que seus pais. Afinal, não nos esqueçamos: numa Era da Cognição, esses jovens são os mais bem estudados e bem equipados. Sem contar que, mais para o bem que para o mal, o preço da casa própria – por conta da crise de 2008 – ainda está super atrativo. Talvez o meio copo deles esteja realmente quase cheio.

Desde a 2ª. Guerra Mundial, o que faz a economia americana bombar são a aquisição de novos carros e de casas nos “chics” subúrbios americanos. Nenhuma das 2 coisas parece fazer os olhos dos jovens Y brilharem.

É exatamente durante entre 20 e 30 anos que arriscamos mais, experimentando na universidade, trocando de empregos, viajando, empreendendo, casando. Sim, a recessão tem um impacto sobre esses rompantes juvenis. Mas respondendo a sua pergunta, Lygia, os brasileiros são otimistas. Não me pergunte o por quê. Esta semana, quando os jornais e os maiores entendidos em economia e política anunciam a pior recessão brasileira pelos próximos 2 anos, pelo menos (!!), ouvi de várias pessoas que a situação melhorou e parece que o ano já está “pegando na rampa”.

Enfim, Lygia, em uma frase? Acredito que a Geração Y sofrerá menos as consequências destes vindouros duros anos do marolão brasileiro, que nós (Gerações acima de 36 anos) sofreríamos. Eles vieram equipados com alguns itens de fábrica, que nós tivemos que adquirir (caro) no mercado.

Sobre a sua 2ª. questão (… como explicar essa limpeza de pensantes feitas pelas redações de jornais e revistas por todo Brasil? Isso poderá mudar?), é ao mesmo tempo mais fácil de explicar e mais complexo de se safar.

Quando mudamos de Era, trazemos conosco os velhos arraigados conceitos da velha Era (que não resolvem problemas da nova era, mas atrapalham bastante!) e não conseguimos apreender e muito menos internalizar os novos conceitos da Nova Era. Assim, resolvemos problemas de uma Era Complexa da forma que costumávamos resolver problemas em uma Era Complicada. Em uma frase: um tremendo erro!

Veja. Não estamos mais vendendo tanto jornal? Fácil: despedimos os maiores salários, os grandes jornalistas, os que fazem as profundas análises, os que nos levam a refletir e a ter uma visão mais crítica. Assim, os jornais que tinham 1 grande diferencial sobre muitas das novas mídias digitais, ficam de um só golpe, além de antiquados, sujos (tinta), insustentáveis (papel), rasos e superficiais. Usar soluções da velha Era para resolver problemas da nova Era, dá nisso.

NOTAS:
1) Clique aqui para um passeio sobre a Nova Era: https://youtu.be/paIATFfWSZM

2) The Cheapest Generation: Why Millennials aren’t buying cars or houses, and what that means for the economy – http://www.theatlantic.com/magazine/archive/2012/09/the-cheapest-generation/309060