14
Feb 15

Joga Tudo Fora e Começa Tudo de Novo!

Google Glass Model - Tim Reckmann

Google Glass Model – Tim Reckmann

Este artigo foi publicado há 10 dias, dia 3 de fevereiro de 2015. Achei que deveria traduzí-lo. Talvez, porque como o autor, Steve Pearson, também ajudo empresas quando o assunto é Inovação. Já escrevi algumas vezes sobre o Google Glass e sempre discuto algum aspecto desta polêmica “inovação”. Reflita.

Agora, o artigo, na minha livre tradução.

PENSE ANTES DE MATAR UMA INOVAÇÃO!
Fracassar é uma palavra tão dramática. Tão final!
Enquanto muita gente está louca para matar projetos ambiciosos, eu gosto de me ver como uma pessoa otimista. Acredito que muitas tecnologias dão certo, mas talvez não no tempo e na forma previamente pensada.
Seja o critério financeiro, de mercado, social ou psicológico, o tempo parece ser a essência de tudo.
Dois exemplos terríveis nos vem do artigo The Top Technology Failures of 2014 (Os maiores erros de 2014). Resumidamente, este artigo declara a morte do Google Glass, do EEG Exoesqueleto brasileiro, Bitcoin e mais um punhado de outros esforços ambiciosos que não estão de forma alguma kaput (destruídos).

Por exemplo, a seção sobre o Exoesqueleto brasileiro descreve uma pessoa paralisada dando o chute inicial na Copa do Mundo de 2014, com um exoesqueleto controlado pelo cérebro. “Em vez de um homem levantando de uma cadeira de rodas e andando, o exoesqueleto parece não estar fazendo uma tarefa muito difícil ao simplesmente mover um pé para chutar a bola.” Veja vídeo here. Será que o clímax de “17 meses de trabalho insano” não é o suficiente para aplacar nossas necessidades insaciáveis?

Falar do Google Glass é falar de um produto altamente financiado sem uma data rígida de lançamento. Por que, então, declarar seu fracasso? Suponha que não fosse amplamente adotado (eu deliberadamente evito a palavra “fracasso”) por conta do estigma social para seus usuários. Apesar de não ter sido nem um ávido seguidor, nem um piloto de testes.
Quero sugerir que a vagarosa adoção do Google Glass seja um problema de aceitação social puramente relacionado com o tempo. Quanto mais a sociedade for exposta à tecnologia, mais será aceito. Eu acho que este produto está à frente de seu tempo.

E o tempo também é decisivo para avaliar o Exoesqueleto. A ambiciosa equipe teve pouco tempo para desenvolver e construir o aparelho e ainda treinar o usuário sobre a forma de controlá-lo num prazo específico. Em minha opinião, eles fizeram um belo gol (o trocadilho é de propósito).

Será que essas 2 tecnologias fracassaram? Não. Mas nenhuma delas alcançou, até agora, seus objetivos. Isso não significa fracasso. Ambas tem tudo para continuar a ser desenvolvidas e creio serão relançadas no mercado no futuro.

Você rotularia os resultados do Google Glass e do EEG Exoesqueleto como fracassos? Quando o fracasso deveria ser apregoado? Quando o produto não vende tanto quanto foi estimado anteriormente, ou quando não cumpre um prazo? Você considera tempo um fator ou uma desculpa razoável? A questão do tempo é uma questão que rotineiramente pedimos que nosso clientes considerem ao avaliar uma nova ideia.
Como você usar o fator de tempo para determinar se uma tecnologia é um sucesso?

O Som da Disrupção

O Som da Disrupção

Autor: Steve Pearson da Pearson Strategy Group: http://pearsonstrategy.com
Nota do autor 1 dia após a publicação deste seu artigo:
Steve Pearson nos dá o link de um artigo publicado, no dia seguinte ao seu, que dá conta de que o novo chefe do projeto Glass, Tony Fadell, quer que o Google Glass seja desenhado a partir do zero! Joga tudo fora e começa tudo de novo!
Créditos do gráfico: Tim.Reckmann (Wikimedia)  

Meu vídeo de 2011: “Joga Fora”:

Meus posts sobre Google Glass:

Apple watches Santos Dumont

Google Glass vai Disruptar os Aparelhos Auditivos?




07
Feb 15

A Adrenalina do Abutre

Jake Gyllenhaal como Louis Bloom

Jake Gyllenhaal como Louis Bloom

Jake Gyllenhaal, 33 e 13 quilos mais magro vai te aterrorizar. Como Jack Nicholson em ‘O Iluminado. O coração dispara.

“Eu queria parecer e estar faminto”.

Ele interpreta Louis Bloom no filme Nightcrawler ao lado de Bill Paxton e da fenomenal (sou fã) Rene Russo, 60. Dirigido pelo maridão dela, Dan Gilroy, de Legado Bourne (2012) e produzido por Jake.

Louis Bloom é muito louco. Ladrão desempregado, ele é seduzido pelo frisson do submundo do jornalismo criminal televisivo de Los Angeles e com um capital inicial advindo do roubo de uma bicicleta, investe em uma câmera e num rádio para interceptar as frequências da polícia. Assim, se torna um freelancer que registra os acidentes, incêndios e mortes para vender seus vídeos para as estações de TV. Os chamados stringers ou “paparazzi of pain” (paparazzi da dor).

Não, ele não é um freelancer. Ele é um homem de negócios, um empresário. Um viciado em dicas online sobre empreender e liderar. Com uma mente loucamente assombrosa, decora e recita – em improváveis ocasiões – lições de empreendedorismo numa verborragia sem precedentes. Parece estar lendo aqueles posts que nos acostumamos a ver em redes sociais como LinkedIn, sites de coaching e outras chatices. Mas ele não apenas estuda, ele pratica. E nos prova, ironicamente, como se tornar uma liderança empresarial autodidata. Obstinação, disciplina, amoralidade, foco e tempo dedicado a estudar pela internet.

O filme nos ameaça com a constante dúvida sobre o que é moral, ético e legal. Onde está a fronteira? Louis facilmente borra essa linha-limite entre o observador e o participante para se tornar a estrela de sua própria história e de sua marca, a “Video Production Services” (Cultured Vultures). Punir a desobediência de forma cabal e matar a concorrência são tarefas levadas a sério e no sentido literal pelo “empresário” Louis: “I can’t jeopardize my company’s success to retain an untrustworthy employee” (Não posso prejudicar o sucesso de minha empresa para reter um funcionário em quem não confio).

No vídeo abaixo você pode assistir ao Jake Gyllenhaal falando de sua personagem: “Ele faz parte de uma geração de pessoas que está procurando emprego num mundo onde os próprios empregos estão sendo redefinidos.”

Você vai sentir todas aquelas fortes sensações e emoções, que os bons thrillers nos despertam. Taquicardia. Medo. Pânico. Repugnância. Aversão. Ansiedade. Vai rir, um pouco, nervosamente. E de forma bem amoral, mas extremamente eficiente, vai compreender na prática conceitos, dicas e visões de empreendedorismo, branding, marca, equipe e marketing pessoal.

Vale por um curso de Capitalismo? Marketing? Branding? Com bem mais adrenalina que numa entediante sala de aula.

Notas:
Filme: Nightcrawler, dirigido por Dan Gilroy, 2014.
Atores principais: Jake Gyllenhaal, Rene Russo, Bill Paxton e Riz Ahmed.

Cultured Vultures

Rene Russo em Nightcrawler

Rene Russo em Nightcrawler




23
Jan 15

Você é o que Você Compartilha

MOOC- Educação Aberta Online Massiva

MOOC- Educação Aberta Online Massiva

Tenho muita sorte em conhecer muita gente, muito inteligente e com muita vontade de espalhar conhecimento, de colaborar. Na semana passada, o Repensador Gil Giardelli me enviou vários links preciosos sobre Educação. Um assunto que ele é mestre e que sabe do meu interesse.
Todos em inglês. Peguei um deles, sobre as tecnologias que já estão aí, batendo em nossas portas. Está aí, traduzido livremente por mim.
Estou aqui re-compartilhando o conhecimento. Valeu, Gil!

6 Tecnologias Emergentes

6 Tecnologias Emergentes

A tecnologia continua a revolucionar o ensino básico e de 2º. grau (K-12), faculdades e universidades e outras organizações e instituições educacionais.

O Relatório 2013 Horizon identificou e diagramou 6 tecnologias que serão integradas dentro das classes. Algumas estão ainda em desenvolvimento, mas há outras que já dá para serem usada já.

EM 1 ANO:
1) MOOCS (cursos massivos online e abertos)
Cursos online abertos ao público permitem que qualquer pessoa, a despeito de seu histórico ou localização, ganhe novas habilidades e conhecimento a custo zero. O interesse em MOOCs e sua proliferação tem crescido rapidamente nos últimos anos.
EXEMPLO:
O primeiro curso do Google online e aberto, Curso de Busca Avançado, (Power Searching with Google), ajudou seus participantes a melhorar suas habilidades de busca na Internet.

2) Tecnologia Móvel
Graças às sua portabilidade, a disponibilidade de aplicativos interativos e móveis, e o baixo custo quando comparado aos laptops, o crescimento dos tablets como ferramentas de aprendizado dentro das classes vem crescendo.
EXEMPLO:
Os estudantes da Universidade Vanderbilt estão projetando um aplicativo para Android para ajudar os deficientes visuais a aprender matemática usando vibrações e áudio como feedback.

EM 2-3 ANOS:
3) Games e Gamificação (jogos)
Jogar jogos educacionais pode construir pensamento crítico, para solução de problemas e habilidades para trabalhar em equipe.
medalhas e sistemas de ranking podem servir também para reconhecer a performance e realizações dos estudantes.
EXEMPLO:
O projeto A História da Narrativa Viva de Williamsburg é um jogo de ficção interativo que incorpora geografia, cultura e personagens de Williamsburg, no estado da Virginia, EUA.

4) Monitoramento do Aprendizado (learning analytics)
O monitoramento do aprendizado ajuda os instrutores a criar estratégias eficazes de ensino e aprendizado sob medida para cada estudante. Porque decifra as tendências e os padrões a partir de dados (data) educacionais.
EXEMPLO:
Uma empresa incorporou uma ferramenta destas em sua e-apostila que dava aos alunos insights sobre os seus comportamentos e hábitos de estudar.

EM 4-5 ANOS:
5) Impressoras 3D (3 dimensões)
Essa tecnologia vem se tornando mais e mais barata e acessível ao longo dos últimos anos. As aplicações dentro de classe vão desde criar replicas de objetos a produzir modelos em 3D de desenhos e conceitos.
EXEMPLO:
A impressora 3D poderia ser usada para criar modelos de fósseis de dinossauros, esculturas e moléculas.

6) Tecnologia Vestível (wearable technology)
Acessórios vestíveis, como o Google Glass, podem oferecer informação em tempo real ao usuário sobre seu ambiente e arredores, seguir movimentos e gestos, e deixar as mãos livres para várias outras funções tecnológicas.
EXEMPLO:
Câmeras de vídeo vestíveis (câmera GoPro) permitem a gravação do aprendizado de projetos e experiências.2014 Horizon Report

2014 Horizon Report

Notas:
Repensador Gil Giardelli: https://www.youtube.com/watch?v=7nv12ceZQbI
Você é o que Você Compartilha: livro de Gil Giardelli: http://www.gilgiardelli.com.br/blog/livro

Repensadora Beia Carvalho: https://www.youtube.com/watch?v=hKafA4Z80G0
Horizon report 2014: http://www.nmc.org/nmc-horizon




03
Jan 15

Caipiras e Urbanóides

Donna Douglas, A Família Buscapé. 1933-2015

Donna Douglas, A Família Buscapé. 1933-2015

Eu era fã. Minha família toda era. Estávamos lá todas as semanas nos divertindo juntos. A TV ficava numa área de piso frio, o que era muito bom, pra quem morava em Bauru, sem ventiladores, nem ar condicionado.

A Família Buscapé – The Beverly Hillbillies – foi uma das primeiras sitcoms (situation comedies) da TV americana. Produzida pela CBS com 274 episódios – 106 em preto e branco (de 1962 a 1965) e 168 em cores (1965 a 1971). Nos divertíamos e aprendíamos bastante com a família caipira que havia ficado rica ao encontrar petróleo no quintal de casa e se mudado para uma das mansões de Beverly Hills, na Califórnia.

É dos anos 1960 também a criação do cartel OPEP - Organização dos Países Exportadores de Petróleo. Desde então, os países membros controlam refinadamente as “torneirinhas” do óleo negro balouçando os preços mundiais a seu bel prazer e interesses. Sou leiga no assunto, estou aqui googando, me perdendo e me achando com tanta informação. Me deparo com um tal relatório LINK, também dos anos 1960. Uma boa leitura para quem se interessa pela história da Petrobrás. Quem se aprofundar, poderá traçar algum paralelo entre os conselhos (desprezados, à época, pela esquerda) do geólogo americano e alto funcionário da Petrobrás, Walter K. Link, e os milhões do Pré-Sal.

De 1961 a 1964, a Petrobrás, como ‘criança teimosa’, só perfurou onde Mr. Link desaconselhou. Jogou centenas de milhões de dólares no lixo, sem produzir petróleo comercial. “Com o Brasil falido e em terrível crise cambial, o regime militar adotou as providências de Mr. Link, a partir de 1964. Logo no segundo poço perfurado no mar, o petróleo apareceu. Entre março de 1960 e março 1964, a produção de petróleo do Brasil caiu, e, entre março de 1964 e 1969, esta produção mais que dobrou.”

Donna Douglas era a linda filha caipiríssima da família. Morreu aos 81 anos. No primeiro dia do ano de 2015.

Era uma família ingênua em relação aos desafios da cidade grande. Mas desafiavam os parcos conhecimentos de seus urbanóides sobre a natureza com sua afiada cultura rural. Enquanto a previsão da TV anunciava um belo dia de sol, o pai – vindo dos cafundós do Arkansas – afirmava categoricamente que iria chover, porque as formigas, em seu belo jardim, estavam se recolhendo. E chovia.

NOTAS:
WIKIPEDIA:
A Familia Buscapé: http://pt.wikipedia.org/wiki/The_Beverly_Hillbillies
O Relatório LINK, de Walter K. Link. http://pt.wikipedia.org/wiki/Relatório_Link




11
Dec 14

Quer a dica para seu evento do fim de ano?

Beia Carvalho é Palestrante futurista: Vamos FUTURAR pra FATURAR!

Beia Carvalho é Palestrante Futurista: Vamos FUTURAR pra FATURAR!

A disposição para INOVAR tem a ver com estados de espírito e comportamentos que não estavam em voga no século passado, como aprender e trabalhar com a diversidade, celebrar a heterogeneidade, compartilhar conhecimentos gratuitamente, exprimir ideias dissidentes e divergentes.

A inovação não acontece na ordem. A Era passada foi uma era ordenada, industrial, produtos iguais numa produção em escala. Quanto mais igual melhor!

É preciso uma certa disposição interna para inovar. Podemos inovar em nossa família, nossa comunidade, escola, empresa, estado. No namoro, no casamento. Inovar é vencer a batalha contra os nossos instintos, que querem o conforto das nossa velhas certezas.

Inovar não é uma decisão, uma tarefa a ser cumprida. Não passa pelo crivo dos benefícios e seus potenciais riscos como a compra ou não de uma determinada máquina. Há riscos, haverá erros e os benefícios serão uma incógnita. Mas na nova era da inteligência em rede a opção é INOVAR ou MORRER.

Vamos levar essas indagações para seu time repensar 2015?

Criei o conceito 5 Years From Now® porque me apavora como pessoas e empresas passam todas as horas do dia de hoje pensando em como mudar o presente. E não dedicam 1% de seu tempo para o futuro, onde nada existe e tudo pode acontecer.

5 anos é perto o bastante pra se imaginar e longe o suficiente pra você sonhar.

Quer falar de FUTURO? Fique com a original: 5 Years From Now®

Quer falar de FUTURO? Fique com a original: 5 Years From Now®




09
Dec 14

3 futuristas futurando

Jantar de Aniversário, 14 março 2014, NYC. Robert, Doug e Beia

Jantar de Aniversário, 14 março 2014, NYC. Robert, Doug e Beia

No começo de 2014, decidi que no aniversário de 60 anos iria viajar. Básico. Viajar é a melhor coisa do mundo, porque tudo que é maravilhoso na vida fica ainda melhor em viagens: namorar, beber, comer, fazer nada, conhecer e aprender. Nesta data especial quis aprender. E aprender comendo, bebendo, fazendo lhufas e conhecendo. Desta vez não teve namorado, snif. Foi em março deste ano. Apenas 2 destinos: New York e London.

Giacomo Balla, Futurismo Italiano - vanguarda artística altamente estética e políticamente radicalizada.

Giacomo Balla, Futurismo Italiano – vanguarda artística altamente estética e políticamente radicalizada.

Em NYC para comemorar o aniversário com amigos e visitar a exposição multidisciplinar do Futurismo Italiano (1909-1944), no Guggenheim. O começo da minha viagem para o futuro. Futurando desde a 2ª. guerra mundial.
De lá, direto para a Conferência Antecipando 2025, em Londres.
Decisão inspirada e timing perfeito. Amigos, Conhecimento e Novos Amigos.

Conferência Anticipating 2025, London 2014.

Conferência Anticipating 2025, London 2014.

Na conferência, convivi intensamente com pessoas que desde então vejo citadas como referência do grande assunto de todas as agendas: o futuro. David Levy (Amor com Robôs), Natasha Vita-More (Transhumanismo) e Aubrey de Grey (Longevidade) e o futurista Rohit Talwar – a inspiração deste post – são alguns das dezenas de personalidades futuristas daqueles dias londrinos.

Rohit abriu os trabalhos e me apaixonei, imediatamente. No coffee break, eu e uma horda de gente fomos falar com ele. Ao ouvir “Brazilian”, se virou e disse: eu adoro o Jose Cordeiro”. E eu ali, com aquela cara de conteúdo (Who the F* is Jose Cordeiro?). O que me lembro é que tive instantânea e total atenção da celebridade do momento. Rohit falou e falou sobre o venezuelano Jose Cordeiro, que era Conselheiro Fundador da área de Energia da Singularity University/NASA, Professor convidado do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e isso e aquilo e mais um quilômetro de curriculum. Findo o break, é hora de voltar para a conferência.

Adiante o seu relógio para 4 meses depois e se situe no Rio de Janeiro. Estou fazendo a abertura do 3º. Seminário de Inovação, porque o convidado internacional que abriria o evento se enroscou no aeroporto. Quem irrompe no recinto? Sim, ele, Jose Cordeiro. Foi um encontro rápido e marcante, que me deixou muito impressionada com toda aquela sincronicidade.

Vamos dar mais um salto à frente, 5 meses depois, estamos Jose e eu no mesmo palco. Desta vez num evento só nosso sobre Inovação, tecnologia e Energia. Os 2 ali, alternando o palco. Dá para acreditar? 

Futuristas Beia Carvalho & Jose Cordeiro no Evento da Rio Tinto Alcan, 2014.

Futuristas Beia Carvalho & Jose Cordeiro no Evento da Rio Tinto Alcan, 2014.

O que eu esperava ouvir na CONFERÊNCIA “Antecipando 2025”?
Ah, que daqui 10 anos teremos a capacidade de produzir energia solar para todas as necessidades humanas. Que a nanotecnologia e a biologia sintética nos trarão a abundância material. Que testemunharemos a transição do homem 1.0 para o pós-homem ou o transhumano 2.0, muito mais inteligente e com níveis de consciência e conectividade mais altos e muito mais sofisticados.

Que reverteremos os processos de envelhecimento e viveremos indefinida e saudavelmente. E transporemos um sistema educacional exaurido, que coloca as matérias que desenvolvem a criatividade como opcionais. Também esperava compartilhar os temores de que a tecnologia fosse usada para o “mal”, porque os terroristas terão acesso a armas de destruição em massa. Medos de desastres ecológicos por conta de todo este aquecimento global e de novas crises financeiras que venham acometer o mundo.

Encantada, apreensiva, estupefata, desentendida, ouvi a todos estes assuntos. E a muitos outros inesperados como a tese de doutorado Amor e Sexo com Robôs, de David Levy, que faz aniversário no mesmo dia que eu, rs. Param por aí as coincidências. Levy é Mestre internacional de xadrez, responsável pelos primeiros experimentos com inteligência artificial (Deep Blue) e envolvido com os mais recentes também, e escreveu mais de 40 livros. Imprevisível também foi ouvir sobre biologia quântica, que não faço a menor ideia do que seja, mas parece que será responsável pelo implante da vacina contra o câncer. E ficar fascinada com a incrível nanotecnóloga Sonia Contera dizendo que apenas 2% dos nossos genes são formados pelo tão aclamado DNA. “O resto nós não sabemos!”.

Ao recontar essa história 9 meses depois, tudo parece tão mais perto e mais familiar que no momento que comecei esse artigo. Relembro de Rohit Talwar dizendo que a incerteza é o novo normal, que a educação online e de graça vai mudar todo e qualquer jogo, e que se você não quiser jogar o jogo do momento, que invente outros.

Fui aprender. Trouxe comigo um montão de dúvidas. Um mundo de horas estudadas e já mastigadas por esses PhDs. Que se transformaram em novos e interessantes insights sobre o futuro. Sobre o que podemos fazer, no presente, para catapultar.

Aprendi com esses futuristas que futuram, que veem o porvir com bons olhos, que temos que lutar para fazer as coisas acontecerem bem. Que o desenvolvimento tecnológico tem que pensar nos homens deste planeta, em primeiro lugar. E não em alguns poucos homens, sempre.

Amor+Sexo com Robôs, David Levy

Amor+Sexo com Robôs, David Levy

Notas:

Guggenheim Museum: www.guggenheim.org/new-york/exhibitions/past/exhibit/5354

Giacomo Balla: pt.wikipedia.org/wiki/Giacomo_Balla

Singularity University/NASA: www.SingularityU.org

Jose Cordeiro: Conselheiro Fundador da área de Energia da Singularity University/NASA: www.cordeiro.org

Rohit Talwar: CEO da Fast Future Research: www.fastfuture.com

Beia Carvalho: Palestrante futurista e Presidente da 5 Years From Now®: www.5now.com.br

Evento Antecipando 2025 promovido pelo London Futurists, David Wood, presidente da Delta Wisdom.

Seminário Inovação Muzy, Cordeiro, Beia, Gustavo Caetano, Lindalia Reis e Pedro Moneo

Seminário Inovação Muzy, Cordeiro, Beia, Gustavo Caetano, Lindalia Reis e Pedro Moneo

 

Matéria no PropMark sobre o Evento na Rio Tinto Alcan

Matéria no PropMark sobre o Evento na Rio Tinto Alcan

___________

 




01
Dec 14

Dia Mundial da Luta Contra a Aids. Não Mosque!

No dia 1 de dezembro comemoramos um alerta a toda a humanidade.

É o Dia Mundial da Luta Contra a Aids.

Ainda não há vacina. Ainda não há cura.

Dia Mundial da Luta Contra a Aids

Dia Mundial da Luta Contra a Aids

SE LIGA!

NÃO MOSQUE!

NÃO CAIA EM PAPO FURADO.

ESTEJA SEMPRE PRA LÁ DE PREVENIDO(A)!

No dia 1 de dezembro comemoramos 6 anos da 5 Years From Now®.

Para quem nos acompanha em todas a Baladinhas já se acostumou a ver o banheiro repleto de camisinhas junto ao cartaz:

5 Years From Now® é Hoje!

5 Years From Now® é Hoje!

Inspiração da grande amiga Beth Berto.

Ainda não há vacina. Ainda não há cura.

Ainda não há vacina. Ainda não há cura.




29
Nov 14

FAIVE FAZ SIX!

Beia Carvalho, palestra das Gerações, Paulínia.

Beia Carvalho, palestra das Gerações, Paulínia.

No último post de 2013, me despedi da fase consultoria da 5 Years From Now® fazendo um balanço de seus 5 anos de atuação. E soltei um grito de guerra – minha visão para os próximos 5 anos:

“BÓRA PALESTRAR PRA MILHARES!”

Graças a clientes, amigos, prospects, fãs, fornecedores e amigos dos amigos realizei a visão, já em 2014! E que ano tão ingrato esse 2014! Tão esperado, tão sonhado e tão difícil para todos nós que trabalhamos dedicada e incessantemente.

Falar para milhares é emocionante, excitante, inebriante, instigante, estimulante, fascinante, provocativo, impressionante, cativante, magnífico, paralisante, devastador, surpreendente, espantoso, assombroso, arrebatador, estonteante, irresistível, opressor, alucinante, extraordinário, deslumbrante, cambaleante, asfixiante, maravilhoso, miraculoso, estupendo, fenomenal, excepcional, inconcebível. Superlativo.

Minha reverência a meus clientes que fizeram meu ano: Paulo Vaz, Erik, Mario e Barreto; Rosana Monteiro, Regina, Valeria, Vania, Eduardo, Fernando e Elaine; Lu Freire; Karen Midori, Fernanda, Thalita, Anna Paula, Vania Ferrari; Otavio Dias, Luna, Gil Giardelli, Marina Campos, Edu Santos, Daniel Chagas; Marcos Melo, Marcelo, Rick Berlitz, Erika, Mila e Antenor; Muzy e Solange; Raquel Frois, Sandra e Mayony; Andrea Aydar, Eliana e Yoshimi; Ana Lucia, Adelir, Vanessa Campos; Fernanda Maia e Erica; Ronaldo Ramos, Lucia-Helena, Paulo e Jose Cordeiro; Leila Navarro e Fadel; Iris Barbosa e Gabriela.

A todos os fãs das redes sociais, que a cada hora, a cada dia, nos paparicam com seus likes, comentários, emoticons, e nos tornam populares em tantas tribos diferentes deste Brasilzão. Incessantemente, incansavelmente. E ganhei até uma hashtag: #TietedaBeia

RUMO A 2020! DAQUI 5 ANOS!

16° Encontrão, Guarapari-ES: mais de 1.000 na plateia

16° Encontrão: mais de 1.000 na plateia de Guarapari.

Mais de 1.000 professores municipais na plateia

Mais de 1.000 Professores municipais na plateia do Espaço das Américas

Paulínia: mais de 1.000 educadores na plateia

Teatro de Paulínia: mais de 1.000 Educadores na plateia

And last, but not least, aos amados amigos do peito, com o colo sempre presente de Edson Pires, Marcello Queiroz, Nélio & Nany Bilate, André Moraes, Valeria Midena e à grande amiga Taís de Souza. E, lógico, aos filhos Galileo e Guido.

Nany, Nelio & Consuelo

Nany, Nelio & Consuelo

Marcello & Beia

Marcello & Beia

Beia & Edson

Beia & Edson


Beia e Taís

Beia e Taís

 




21
Nov 14

5 YEARS FROM NOW® FAZ ANIVERSÁRIO

Há 6 anos o céu mostrou um alinhamento surpreendente: Júpiter, Vênus e Lua. 

Era 1 dezembro 2008! Dia que escolhi para lançar a 5 Years From Now®.

Alinhamento surpreendente: Júpiter, Vênus e Lua.

Alinhamento surpreendente: Júpiter, Vênus e Lua.

Neste 1 DEZ 2014 tem Baladinha!
Faz 5 anos que garantimos a diversão de Clientes e Amigos da “FAIVE”!

Será no mais novo espaço de entretenimento e gastronomia: OVO e UVA.
Venha se divertir e fazer negócios na 12a. Baladinha!

Clima de Baladinha da "5"

Clima de Baladinha da “5″

fatos inovadores ocorridos em 1 de dezembro

1640 – Dom João IV é aclamado rei, após 60 anos de domínio espanhol
1878 – Instalado 1º. telefone na Casa Branca
1887 – Publicado 1º. romance policial sobre o detetive Sherlock Holmes
1902 – Lançamento de ‘Os Sertões’, de Euclides da Cunha
1909 – Fundado 1º. Kibutz, em Israel
1913 – Inaugurado 1º. posto de gasolina em Pittsburgh
1935 – Nasce Woody Allen, cineasta e humorista norte-americano
1955 – Rosa Parks é presa por não ceder lugar no ônibus a um branco
1959 – Nações se comprometem a não reivindicar o continente Antártico
1959 – Tirada 1ª. fotografia colorida do planeta Terra, de uma espaçonave
1970 – Aprovada lei do divórcio, na Itália
1976 – Dona Flor é maior bilheteria do cinema, indicado ao Globo de Ouro
1989 – Gorbatchov é o 1º. líder soviético a visitar o papa, desde 1917
1990 – Operários dos 2 lados do túnel Canal da Mancha encontram-se
1999 – Apenas 30 dias para o Bug do Milênio!
2002 – Num blog “a volta do feriadão foi um saco.”
2005 – Aprovado casamento entre pessoas do mesmo sexo na África Sul
2005 – Parlamento belga reconheceu o direito à adoção para casais gays
2008 – Beia Carvalho lança os Workshops 5 Years From Now®
2009 – Comemoramos 1 ano da 5 Years From Now®
2010 - Comemoramos 2 anos da 5 Years From Now®
2011 - Comemoramos 3 anos da 5 Years From Now®
2012 - Comemoramos 4 anos da 5 Years From Now®
2013 - Comemoramos 5 anos e lançamento das Palestras 5 Years From Now®
2014 - Comemoraremos 6 anos da 5 Years From Now®

Mais detalhes na semana que vem.




28
Oct 14

Tom Zé e a Geração Y

Tom Zé num disco com Caetano, Milton e a Geração Y

Tom Zé num disco com Caetano, Milton e a Geração Y

Gilmara obrigada pelo cutucão. É muito difícil fazer crítica de ídolo. Mas vamos lá!

Ouvi a nova música de Tom Zé, que você me enviou 2 vezes. Queria fazer a crítica assim, sem muita elucubração. Mas nada é muito simples com Tom Zé, não é?

Acho que ele fala – no sentido de ser ouvido, de se comunicar – mais com a Geração X (38 a 49 anos – nascida entre 1965 e 1976) ou com os mais velhos da Y (17 a 37 anos) que com o grosso da Geração Y. De bate pronto, me pareceu que se a música tivesse sido feita há uns 7 anos, teria uma chance de causar entre esses jovens.

Porque tudo isso que nos encanta, nos enlouquece, nos irrita, nos tiraniza – essa “tecnologia” citada na música, Ipod, Ipad, laptop, HD, wireless – é básico, é a vida da geração Y, é o ambiente que vivem. No big deal. Assim é. Quem dá importância a isso a ponto de listá-las numa música somos nós, as outras gerações: Tradicionalistas nascidos antes de 1946, os Baby Boomers como eu, entre 50 e 68 anos e a X. Nós é quem somos “esquisitos”. Porque tecnologia só é tecnologia se quando você nasceu ela não existia.

Os nomes ou apelidos dados às gerações, datas e suas descrições, pouco importam. O que é inegável, é que somos imigrantes desta nova Era. E como tal, temos sotaque. Dá pra sacar de looonge que “não pertencemos”, que nos assustamos com o novo. E, finalmente, quando passamos a compreender este novo, a ponto de brincar com seus conceitos e suas novas palavras, o mundo já mudou. E fica esse sabor de música que rançou.

As gerações anteriores à Y e Z querem ensinar ditando. Mas são elas quem tem que aprender como se caça,como se vive e, talvez, como fazer sucesso nesta nova fronteira. E como sempre digo, mal entendemos a Geração Y e a Z já está a caminho do mercado. E em menos de 1 ano estará estressandoainda mais as atuais e esgarçadas relações com o poder político, social, corporativo e educacional. Um embate com as gerações que estão hoje no poder. Inclusive com a Y, que não entende os Zes! Pasme!

E de repente, a música salta para um “transumano”, um salto para 2030. Talvez aí, uma tentativa de falar se ser ouvido pela geração do título da música, cujos representantes mais velhos estarão com 50 anos em 2030, e vivendo a propalada Era da Singularidade, do homem 2.0.

Ontem ouvi a palestra da futurista Martha Gabriel que diz que no futuro seremos cada vez mais depressivos. Neste sentido, a música combina com esse mood distópico. Me soou arrastada e deprê. Ah, e que numa Era complexa, devemos ser cada vez mais humildes.

Sobre o ser político “daqui alguns anos vamos ter que governar”, guguei e rapidamente e descobri esses dados (não checados). Brasileiros entre 21 e 34, representem quase 1/4 da população e ocupam menos de 8% (40) das 513 cadeiras da Câmara. “E 32 dos parlamentares mais jovens da atual legislatura – que não têm idade para cobiçar uma vaga no Senado – são originários de famílias que usufruem ou já experimentaram do poder político. Entre eles, 26 são herdeiros diretos de ex-governadores, ex-ministros, deputados, senadores, prefeitos e vereadores. Onze deles adotam Filho, Júnior ou Neto no nome parlamentar. Outros 6 herdaram o prestígio de tios e primos famosos no meio político.”*

E é Tom Zé que dá o recado “… uma renca de parentes atender. Puta que tragédia desaba sobre nós”**

Obrigada, Gilmara.

NOTAS:
* Sem renovação: jovens são parentes de políticos http://www.politicosbrasileiros.com.br/portal2/noticias/44destaques-nacionais/203-sem-renovacao-jovens-sao-parentes-de-politicos.html

** Geração Y, Tom Zé: http://rollingstone.uol.com.br/blog/sobe-o-som/exclusivo-tom-ze-coloca-geracao-y-contra-parede-em-primeira-musica-do-novo-disco-ouca