Ah, as responsabilidades de compartilhar!

Adoooorooo fãs!

Adoooorooo fãs!

Recebi esta mensagem ontem, e tive que ralar pra responder à minha nova fã gaúcha Lygia Pires de Macedo, especialista em Pesquisas de Mercado & Planejamento. Olha só a saia justa! Perguntas inteligentes, respostas difíceis.

“Beia , tenho acompanhado seus posts e virei sua fã. Tenho 2 perguntas, pode ser?
1. Como você preconiza a geração Y neste novo cenário econômico (novo para eles) brasileiro? Afinal eles cresceram em um ambiente macro bem mais confortável. Levando-se em consideração que haverá retração nos empregos, fechamento de empresas, dinheiro e outros recursos mais caros, poucos investimentos e que levaremos pelo menos uns cinco anos para sair disso, se formos bem administrados, como você acha que eles lidarão com esse novo momento adverso?

2. Você fala em análise de notícias (tb acho que sim, tanto que tenho assistido noticiários onde há analistas), mas como explicar então essa limpeza de pensantes feitas pelas redações de jornais e revistas por todo Brasil? Isso poderá mudar?”

Rapidamente, respondi: “Lygia, as perguntas são boas demais. Vou me dedicar às respostas e posto aqui. Amei seus elogios. Eu adoroooo fãs.”

Obrigada, Lygia Pires de Macedo.

Obrigada, Lygia Pires de Macedo.

Este é o resultado da minha dedicação, Lygia. Espero que tenha chegado à altura de suas questões. Com a ajudinha do Deus brasileiro, que fez os EUA e a Europa passarem por uma mega recessão, a gente pode, sem gastar dinheiro em pesquisas, ter referências para a nossa crise retardada de 2015.

Em 1982, quase 4 milhões de bebês nasceram nos EUA. Eles. Aqueles. Os Millennials. A Geração Y. A maior geração americana. Wow! Passaram os baby boomers? São os NEO baby boomers? Pois é, enquanto ainda estavam se divertindo, mamando o leite materno, o país se recuperava da recessão dos anos 1980, entrando na era Reagan, com seus 4 pilares para chacoalhar a economia: redução dos gastos do governo, redução das taxas do imposto de renda federal e sobre ganho de capital, redução da regulamentação governamental e redução da oferta de moeda, para reduzir a inflação. (ouviu D. Dilma? São 4 pilares. Os 4 começam com redução, não com inchação!).

Desmamaram e se viram de frente com os anos 1990, uma era estável, bombando, parecia que a humanidade finalmente estava acertado o passo. BUM! As torres caíram em 11 de setembro de 2011! Os mais velhos da geração Y, aqueles “bezerros” dos anos 1980 estavam então com 21 anos. Pois é, sofreram o baque. Adeus mundo-cor-de-rosa. Bye bye.

Mas o verdadeiro tapa-na-cara, o real “acorda aíê”, veio com a inesperada, para nós leigos, crise mundial de 2007-08. MUN-DI-AL. Mas por artifícios nunca dantes imaginados no mundo-mundial, o Brasil “surfou na marolinha” da crise. Afinal, somos brasileiros. Deus é brasileiro. Estávamos acima, além deste tal mundo-mundial.

Mas, ri melhor quem ri por último. Tente explicar para alguém do 1º. mundo porque estamos na pior recessão MUNDIAL! Se conseguir, e se sua explicação fizer sentido, me passe por email, por favor.

Vou retratar agora um fenômeno americano mas que, com algum esforço, dá pra gente tropicalizar. A Geração Y é a geração americana com o maior nível educacional. Nos países de 1º. mundo isso se traduz por mais mestrados, PhDs e pós doutorados. No Brasil e em outros países do 3º. mundo, não chegamos a tanto! Mas fizemos a nossa parte: temos menos analfabetos – sem entrar no triste “detalhe” dos analfabetos funcionais (sabe, a balconista da rua Oscar Freire que faz o desconto de 10% da calculadora?).

A despeito destas diferenças brutais entre os mundos-mundiais e o mundo-do-faz-de-conta-das-marolinhas, a tal melhor educação está pagando um preço fenomenal! Nos EUA, onde tudo está contabilizado, a dívida dos universitários junto às universidades dobrou entre 1996 e 2006. A esperança de poder pagar a dívida da bolsa universitária com empregos fantásticos, sucumbiu quando – ao sair da universidade – os jovens Y deram de cara com a pior crise econômica em 80 anos! Diferentemente de países liderados por caudilhos, nenhum país de 1º. mundo apelidou a crise de “marolinha”.

Mas será que se safaram os “ispertos” que não foram para as universidades? Putz, não! Com salários arrochados, melhor pagar por tecnologia que substitui gente, ou terceirizar nos países emergentes, ou pagar pouco para quem pode me oferecer muito, que pagar pouco por um “vagabundo” ou semianalfabeto.

Achar emprego e achar um bom salário tem sido cada vez mais difícil. Isso significa que o ciclo que começa com o compromisso do jovem em comprar uma casa (deixar a casa dos pais, pagar por comida, roupa lavada, comprar e manter seu carro, casar, ter filhos, escola etc) – foi interrompido. Uma geração que não compra sua casa própria, nem seu primeiro carro é uma geração que interrompe o “curso natural da economia americana”.

Olhando do ponto de vista dos baby boomers (a geração que mais acumulou poder econômico e que são os pais dos mais velhos da Geração Y); ou com os olhos da Geração X (berço dos yuppies e os pais dos mais novos da Geração Y), isso pode parecer um desastre. Só que não. A maior parte dos Y não está nem aí. E muitas vezes até despreza esta busca “patrão”, “burguesa”. Mesmo porque, sempre podem não deixar a casa dos pais, ou retornar a elas, sem sofrer a pecha de perdedores – lembrando que para as gerações mais velhas, regressar à casa dos pais era assinar que e “falharam na vida”.

E mais de 1 entre 5 americanos entre 18-34 respondendo à pesquisa da Pew Research Center disseram que adiaram se casar ou ter o primeiro bebê por conta da má fase da economia. E mais de 1/3 de jovens entre 25 e 29 anos voltaram a morar com seus pais. Não me surpreende. Essa é a geração que adora um toddynho e tem um estreito contato com a vida infantil. Por quê? Porque lá é bem mais “quentinho” que resolver problemas de adultos. Por dominarem o que nós mais velhos chamamos de tecnologia, eles vem resolvendo nossos problemas desde a mais tenra idade. Quem acima de 50 anos não pediu para uma criança de 5 anos ajustar o relógio digital do carro ou o radio-relógio da cabeceira, quando chegava o horário de verão? Quem abaixo de 50 anos não pediu para uma criança resolver um problema com a impressora ou com o computador que ‘travou”?

Há quem pense que a Geração Y é a mais azarada desde a 2ª Guerra Mundial, por conta dos baixos salários, altas taxas de desemprego, terrorismo, globalização e tecnologia substituindo mão de obra humana. Mas há quem veja o copo quase cheio: ninguém vai morrer de fome – pelo menos nos EUA. E nem no Brasil, se contarmos a escalada da obesidade em todas as faixas etárias e em todas as classe sociais, notadamente nas classes mais baixas. E a Internet possibilitou acesso gratuito a muita coisa que antes era reservada a uma distinta classe (aprendizado de línguas, educação de alto padrão, e entretenimento, por exemplo).

O mesmo instituto Pew Research Center revela que 9 entre 10 jovens da geração Y que haviam mudado para casa de seus pais já dizem ter o dinheiro que necessitam ou que o terão num futuro bem próximo.

Talvez a geração Tradicionalista (nascidos antes de 1946) estivessem certos: é preciso passar por uma ‘guerra” para dar valor à “vida”. Pew acredita que esta geração de jovens entre 18 e 35 anos, entregarão uma nação mais próspera às suas crianças que seus pais. Afinal, não nos esqueçamos: numa Era da Cognição, esses jovens são os mais bem estudados e bem equipados. Sem contar que, mais para o bem que para o mal, o preço da casa própria – por conta da crise de 2008 – ainda está super atrativo. Talvez o meio copo deles esteja realmente quase cheio.

Desde a 2ª. Guerra Mundial, o que faz a economia americana bombar são a aquisição de novos carros e de casas nos “chics” subúrbios americanos. Nenhuma das 2 coisas parece fazer os olhos dos jovens Y brilharem.

É exatamente durante entre 20 e 30 anos que arriscamos mais, experimentando na universidade, trocando de empregos, viajando, empreendendo, casando. Sim, a recessão tem um impacto sobre esses rompantes juvenis. Mas respondendo a sua pergunta, Lygia, os brasileiros são otimistas. Não me pergunte o por quê. Esta semana, quando os jornais e os maiores entendidos em economia e política anunciam a pior recessão brasileira pelos próximos 2 anos, pelo menos (!!), ouvi de várias pessoas que a situação melhorou e parece que o ano já está “pegando na rampa”.

Enfim, Lygia, em uma frase? Acredito que a Geração Y sofrerá menos as consequências destes vindouros duros anos do marolão brasileiro, que nós (Gerações acima de 36 anos) sofreríamos. Eles vieram equipados com alguns itens de fábrica, que nós tivemos que adquirir (caro) no mercado.

Sobre a sua 2ª. questão (… como explicar essa limpeza de pensantes feitas pelas redações de jornais e revistas por todo Brasil? Isso poderá mudar?), é ao mesmo tempo mais fácil de explicar e mais complexo de se safar.

Quando mudamos de Era, trazemos conosco os velhos arraigados conceitos da velha Era (que não resolvem problemas da nova era, mas atrapalham bastante!) e não conseguimos apreender e muito menos internalizar os novos conceitos da Nova Era. Assim, resolvemos problemas de uma Era Complexa da forma que costumávamos resolver problemas em uma Era Complicada. Em uma frase: um tremendo erro!

Veja. Não estamos mais vendendo tanto jornal? Fácil: despedimos os maiores salários, os grandes jornalistas, os que fazem as profundas análises, os que nos levam a refletir e a ter uma visão mais crítica. Assim, os jornais que tinham 1 grande diferencial sobre muitas das novas mídias digitais, ficam de um só golpe, além de antiquados, sujos (tinta), insustentáveis (papel), rasos e superficiais. Usar soluções da velha Era para resolver problemas da nova Era, dá nisso.

NOTAS:
1) Clique aqui para um passeio sobre a Nova Era: https://youtu.be/paIATFfWSZM

2) The Cheapest Generation: Why Millennials aren’t buying cars or houses, and what that means for the economy – http://www.theatlantic.com/magazine/archive/2012/09/the-cheapest-generation/309060

Tags: , , , , , ,

Posts:

leave a comment