2018


18
Sep 14

Tá bem acordado pra votar?

Movimento Voto Consciente - Rede de Repensadores

Movimento Voto Consciente – Rede de Repensadores

Hoje vou reproduzir uma dica da Rede de Repensadores que vem escrevendo pequenas dicas para o eleitor votar de forma consciente. É o Movimento por Eleições mais Conscientes. E a dica de hoje é votos nulos e brancos.

“A democracia é uma conquista do povo brasileiro. Quem tem 25-30 anos, já nasceu no Brasil pós-ditadura e só ouve histórias sobre esse período sombrio da história recente do país.

2018: e daqui 4 anos?

2018: e daqui 4 anos?

O direito de escolher seus governantes, por meio do voto direto, é uma oportunidade para mudar o que não vai bem, para continuar com o que está bom. É você quem decide. Você também pode votar em branco ou anular seu voto. Mas, você sabe o que acontece quando faz isso?

Para o processo eleitoral, não muda muita coisa. Votos brancos e nulos não são computados como válidos ou seja, não entram na conta do quociente eleitoral, que é o cálculo que determina a quantidade mínima que um partido precisa ter para eleger seus representantes.

Votos brancos e nulos podem até ser encarados como uma forma de protesto, de dizer que não está satisfeito com as propostas de nenhum dos candidatos e é um direito do cidadão. Mas não se iluda, as eleições não serão canceladas se houver muitos votos brancos e nulos. Isso só acontece em caso de fraude ou ato ilícito. Portanto, faça valer seu direito e vote consciente.”

Biografia Tribunal_de_contas Estados Bens-declarados

Se você quiser experimentar, também foi criado um aplicativo para nos ajudar a conhecer um pouco mais sobre seu candidato. É o ACORDEI. Está tudo lá, perfil, favoritos, ficha limpa, ficha suja. É só baixar no seu celular: www.acordei.com.br. Depois nos conte a sua experiência.

Outra dica é o Manchetômetro, um site isento, sem qualquer filiação partidária ou com grupo econômico. O que ele faz? Acompanha diariamente a cobertura das eleições 2014 na grande mídia, Folha de S. Paulo, O Globo e Estado de S. Paulo, e noJornal Nacional, da TV Globo. O Manchetômetro é produzido pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP). Acesse o site aqui: http://www.manchetometro.com.br

Se tiver dicas, faça seu comentário. Esse é um assunto que todos nós temos dúvidas.


14
Jul 14

Não é aeroporto. É Porto Espacial. E é em 2018!

Porto Espacial em 2018

Porto Espacial em 2018

O reino Unido planeja anunciar amanhã, 15 julho 2014, o primeiro Porto Espacial que estará em operação já na próxima Copa em 2018.

Isso permitirá a empresas como a Virgin Galactic lançar viagens de turismo ao espaço de dentro do próprio Reino. Informou o The Guardian. São 8 as áreas especuladas para o porto: Bristol, Norfolk, norte da Escócia e Outer Hebrides.

Em 2020, a gente vai olhar pra hoje – 5 anos atrás – e não vai acreditar no que a gente acreditava nos primórdios de 2015!

 

NOTA:
matéria completa em The Verge/ The Guardian: http://tinyurl.com/o43qejg


2
Oct 13

Nesta casa de Ferreiro o espeto é de Ferro.


Ninguém explica seus ditados tão bem explicadinho como os próprios portugueses. Então, aqui vai a explicação do ditado “em casa de ferreiro, o espeto de pau”. Diz a wikipedia: “Um ferreiro que trabalha tanto para fazer espetos de ferro para os outros, que não lhe sobra tempo de fazer espetos de ferro para si mesmo; usando assim os espetos de pau.”

Na casa deste ferreiro perseverante, determinado, perfeccionista, incansável, lunático, visionário, Otavio Dias, sócio e presidente da agência REPENSE e idealizador da Rede de Repensadores, o espeto é de ferro. Sim, ele trabalha tanto para fazer espetos de ferro para os outros e ainda faz acontecer um tempo para fazer espetos de ferro. Despreza os espetos de pau.” Nenhum ditado existe à toa, portanto, é de se imaginar que Otávio tenha conseguido um feito louvável. Quem o acompanha, é testemunha do efeito avassalador de sua personalidade absurdamente cativante, bombando sobre todas as suas qualidades! E os resultados deixam a gente assim, sem palavras apropriadas.

Prova de seu tino e encantamento – quando se trata de reunir pessoas, incríveis pessoas, ideias, incríveis ideias e esforços extraordinários -, é passear, mesmo que superficialmente, pelo novo site da Rede de Repensadores. Ali, fica patente aquele esforço a mais, a hora extra da hora extra! Um time liderado por Otavio Dias e Gabriela Tocchio. First class!

Não é “um site a mais”. É um espaço útil e chic, inteligente e organizado, gostoso e objetivo, com cara de conteúdo e com conteúdos gratuitos, direção de arte e de criação impecáveis. Ah, é lindo e lindo, muito lindo.

Passeie, fuce, compartilhe, diga o que achou!

Você vai se deleitar com temas de artigos interessantíssimos de cada um dos Repensadores já publicados. O meu já está lá: Não quero o ônus de ter um carro, quero o bônus de usufruir de vários.

E se você ainda não conhece a Rede de conteúdos mais pop, chegou a hora:
SOMOS PROFISSIONAIS DE DIFERENTES ESPECIALIDADES
QUE PERSEGUEM A INOVAÇÃO E QUEREM CONTRIBUIR
PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO.

Por que? Porque temos o desejo de inspirar e influenciar, de repensar, aprender e trocar ideias, de colaborar e contribuir para a concretização de projetos transformadores, de promover a inovação e a sustentabilidade. Gostou? Como diz a Repensadora Vania Ferrari, não se iniba “leve a gente para sua empresa”. Clique aqui ó: http://www.repensadores.com/contato

Rede de Repensadores

Rede de Repensadores

Nota: Em inglês o ditado é “who is worse shod than the shoemaker’s wife?”. Numa tradução livre “a mulher do sapateiro tem os piores sapatos.” Pra gente ver, que é difícil pra todo mundo.


24
Sep 13

Daqui 5 anos tem festa de 15 anos do Estúdio MOL!

Estúdio MOL faz 10 anos!

Estúdio MOL faz 10 anos!

Dizem os especialistas que, a partir dos 10 anos, as crianças começam a sair da infância.
E visualizam o mundo adulto, no qual estão loucos ou sendo forçados a entrar.
Um mundo mais complexo.
Um futuro cada vez mais próximo.

É a idade da Independência.
Necessidade de esticar as asas.
Uma idade de grande apetite.
Afinal, há mais uma grande década pela frente.

E apetite é o que não faltou neste ano que o Estúdio MOL completa 10 anos: “mais de 270 projetos de vídeo e animação em 2013 e a expectativa de crescer 50% este ano”. Daqui 5 anos, metade do que compartilharemos por celular/pad será no formato vídeo.

Não é assim corriqueiro fazer 10 anos. O IBGE concluiu que as empresas brasileiras sobrevivem, em média, 10 anos. Ufa! Desta estatística o Estúdio MOL já passou.
Se não é corriqueiro para o IBGE, para mães como eu, menos ainda. E quando dá certo, passa tão rápido!

Estúdio MOL 10 anos!

Estúdio MOL 10 anos!

Me lembro quando eram 2 estudantes da FAU e 1 da GV, que adoravam cartoons, brinquedos, design, animação, papel, cores, cores e cores e, acima de tudo, criar.
Um dia, sumiram. Passaram-se algumas semanas até que, sem querer, descobri que tinham alugado uma salinha na Vila Madalena. Dali, foram para aquele incrível espaço, Módulo Fidalga. E agora, de novo, de casa nova. Comento mais abaixo.

Foi para o Estúdio MOL que fiz o “piloto” do meu workshop 5 Years From Now®, em 2007. Cresceram. Com o tempo splitaram em 3 negócios: Editora MOL do Rodrigo, MOL Toons do Zullo e o original, Estúdio MOL, de Galileo Giglio.

Desde o 1o. projeto de LEGO para o Banco do Brasil, em 2003, os formatos e limites entre arte, design e comunicação já foram quebrados. Ilustração, animação, inovação ou diversão? Essa determinação para cruzar, sobrepor, estilhaçar, desafiar, desmontar e remontar disciplinas é de nascença, congênito. Não tem com não ser.

E não foi fácil. Alguém disse que seria?
Não foi Steve Jobs que disse “o que separa os empreendedores de sucesso daqueles malsucedidos é a pura perseverança”? Então, parabéns ao empresário Galileo por perseverar!

Se você quiser conhecer o novo (lindo) loft do MOL, projetado por Ciro Ghellere, bem no centro de Sampa, vai se surpreender. Elogios ao “achado” era só o que se ouvia na festa de inauguração. Tem estúdios de vídeo e foto próprios, do ladinho do Metro República. Assim fica fácil, pra você e todos que trabalham na produtora, utilizar transporte público.

Há 10 anos, não existia Facebook (2004), Youtube (2005), Twitter (2006), Instagram (2010). Para o Estúdio MOL, um mundo que se mostra em diferentes formatos a cada momento é uma diversão. E divertido e colorido, o Estúdio MOL sempre foi, em todas as suas versões.

Cranio e MOL Graffitti ITAU

Cranio e MOL Graffitti ITAU

Estúdio MOL para Natura Sou

Estúdio MOL para Natura Sou

Galileo Giglio, CEO Estúdio MOL

Galileo Giglio, CEO Estúdio MOL

Guguei e achei: divertir, do latim divertere: “voltar-se para um lado diferente das preocupações”. Acho que é uma boa definição para a criação do Galileo e seu time vencedor. Viva a Geração Y!

Petrobras – Energia from Estudio MOL on Vimeo.

Os clientes-anunciantes:
Natura, Itaú, Oi, Nike, Volkswagen, Coca-Cola, MTV, O Boticário e Ferrero.
Os parceiros:
ID\, AlmapBBDO, NBS, W/McCann, Live Ad, Leo Burnett, Ogilvy, Neogama e Black Maria.
A linha do tempo:
2003: #partiu com Galileo, Rodrigo e Zullo.
2013: Estúdio MOL comemora 10 anos em nova sede.
2018: daqui 5 anos estaremos na festa de 15 anos do Estúdio MOL.

NOTAS:
1. Vídeo móvel será 46% do tráfego Internet em 2018:http://tinyurl.com/nzly6ns
2. Estúdio MOL aponta crescimento: http://propmark.uol.com.br/produtoras/45651:estudio-mol-aponta-crescimento
3. Mãe Coruja, publicado em 6/10/2010: http://www.5now.com.br/mae-coruja/#more-257
4. Pesquisa IBGE, divulgada em 23/08/2013: http://tinyurl.com/mmb7mv5

Mais sobre Estúdio MOL:
– Estúdio Mol é destaque no meio digital, publicado em 10/4/2013: http://propmark.uol.com.br/produtoras/40084:estudio-mol-se-destaca-no-digital
– Itaú comemora um ano de Facebook, publicado em 13/11/2012:
http://propmark.uol.com.br/digital/42417:itau-comemora-um-ano-de-facebook

Galileo Giglio, CEO Estúdio MOL

Galileo Giglio, CEO Estúdio MOL


Fotos Galileo Giglio by Daniela Toviansky


30
Aug 13

Você leva sua empresa ao EXTREMO?


Você é a cabeça pensante da sua empresa.
Você tá olhando lá na frente.
Você tá animando a moçada mais que Silvio Santos.
Você desanima e não tem um outro “você” pra te animar!
Você arrisca, xinga, joga, avança, recua, mete o peito, radicaliza.
É, é com você mesmo.

Delegue tudo que puder.
Porque essa força, esse entusiasmo, essa empolgação esse gás, esse rojão, vigor, coragem, potência, veemência, influência, persistência e insanidade tem que vir daí de dentro do empresário.

Você leva a sua empresa ao EXTREMO?
Não? Então quem vai levar?

NOTAS:
Extreme Highlining – Insane Heights!!!
Filmado por Devin Graham
Música de Tony Anderson, download aqui:http://tiny.cc/jjln2w
Os 5 atletas: Lauren Crepeau, Scott Rogers, Brian Mosbaugh, Daniel Moore, Ryan Robinson, Creighton Baird.
Making off: http://www.youtube.com/watch?v=DAcwXgM9SGs&feature=youtu.be
Vídeo do Ford Explorer: http://www.ford.com/suvs/explorer


6
Aug 13

Bezos de Ninjas

Bezos e Post nos Kindles

Bezos e Post nos Kindles

Não serei a 1a. a fazer a ligação entre a pechincha milionária de Jeff Bezos, da Amazon e a dupla de fundadores do Mídia Ninja, Bruno Torturra e Pablo Capilé.

É irresistível! São exemplos didáticos demais da transição de eras, em que todos estamos vivendo.

De um lado, Bezos adquire uma respeitabilíssima marca com 135 anos nas costas, de um produto decadente, o Washington Post. Será? Não, não há nada decadente com o jornalismo. O que está escorregando ladeira abaixo são as empresas de jornalismo criadas há 2 séculos e que se transformaram numa das mais poderosas mídias de massa. E só pra não perder o timing do trocadilho, emendo com Capilé: “hoje temos massas de mídias”. Sacou?

O Washington Post não é um jornal qualquer. Faz o que se chama de jornalismo agressivo, revelou o escândalo Watergate, em 1974. Ganhou 47 prêmios Pulitzer entre 1936 a 2008.

Gene Weingarten, colunista do Post em sua carta aberta a Jeff Bezos, traz um parágrafo que toca no ponto que eu tentava esclarecer pra mim mesma: “não direi que você comprou apenas um ‘grande’ jornal. Nem tenho a certeza que você comprou um ‘jornal’ em qualquer sentido. Você comprou um lugar cheio de jornalistas absurdamente talentosos e dedicados …”.

Este é o ponto, qualquer que seja a inovação que Bezos trará para o jornalismo, vai precisar de talentos. Talentos para fazer a mágica de seus Kindles. No Brasil, a Editora Abril acaba de fechar 4 revistas e demitir 150 jornalistas. Bezos parece estar com a cabeça e os 2 pés na Nova Era da Inteligência em Rede. Assistiu de camarote os prejuízos do Post, que alcançaram quase 50 milhões dólares nos últimos 7 anos de balanços negativos. Ficou fácil para Bezos pechinchar o jornal investindo apenas 1% de sua fortuna.

Em sua carta aos novos empregados, Bezos diz: “haverá mudanças nos próximos anos, lógico. Isso é essencial e teria acontecido com ou sem o novo proprietário. A internet está transformando quase todos os elementos do mercado de notícias: diminuindo novos ciclos, corroendo receitas confiáveis há séculos, e ativando novas formas de concorrência, algumas delas com pouco ou nenhum custo para se caçar a notícia. Não há mapas e mapear os próximos passos não será fácil. Precisaremos inventar, o que significa experimentar. Nosso critério será entender o que importa para os leitores – governos, líderes locais, inaugurações de restaurantes, tropas de escoteiros, negócios, beneficência, governadores, esportes – e trabalhar de trás pra frente a partir dos leitores. Estou entusiasmado e otimista sobre a oportunidade para inventar.” E ele é craque!

Mais ao sul do mundo, o programa Roda Viva entrevista o jornalista Bruno e o produtor cultural Capilé. O embate entre a velha e nova eras ficou ainda mais claro. Os jornalistas-entrevistadores, que supostamente deveriam estar brifados sobre seus 2 entrevistados, tinham uma postura de inquisidores ou de estarem diante de algo não significativo, algo desmerecedor de atenção do “jornalismo sério”. Como escreveu hoje a jornalista Regina Augusto, “uma tentativa desesperada de desqualificar o serviço do grupo”.

O programa tem 1 ½ h e tem que ser visto. Pontuo aqui, o que a meu ver, converge das 2 notícias e surpreende a velha mídia. Os problemas da nova era não serão resolvidos se não encararmos as questões de que fala Bezos, em um único parágrafo: novas formas de concorrência, pouco ou nenhum custo para se caçar a notícia, inventar significa experimentar e o ponto de partida não é seu bolso é seu público. Ah, e tem que gostar de inventar, de dizer adeus ao conforto das nossas velhas certezas. Tem que ter tesão em desmantelar velhas estruturas alicerçadas em crenças e terrenos que não existem mais no século XXI.

Veja só, o próprio Washington Post noticiou a compra do jornal, no dia seguinte ao feito! Muitas horas depois de uma brasileira aqui do sul do mundo, ter postado a notícia com o vídeo do ex-dono Donald Graham, no meu Facebook.

Anacrônico. Terreno não fértil. Por isso, é tão surreal assistir ao programa Roda Viva. A fala dos entrevistadores parece tradução do Google: é português, mas você não entende nada.

E há essa confluência entre a carta de Jeff Bezos e este post no perfil de Bruno Torturra sobre o fechamento das revistas da : “a derrocada do modelo comercial de imprensa, das estruturas inchadas, gigantes, que tratam jornalistas e informação como gado e comoditie é uma oportunidade inédita. Há um terreno aberto, cheio de gente capaz. Uma infra-estrutura técnica e cultural nova, uma grande expectativa pública por jornalismo independente. A chance histórica de criarmos um novo sistema, um novo modelo financeiro, um novo mercado de produção e distribuição de notícias, reportagens, imagens e ideias. A rede não é a internet, simplesmente. É uma nova lógica de relações sociais, culturais e econômicas estabelecidas, basicamente, por um fluxo de informação cada vez menos mediado. E informação, colegas, é vossa especialidade. Sem medo. Sem tempo pra lamentar. Há muito a fazer – e não falta companhia.”

Hoje, em seu perfil do Feice, Torturra lamentou não ter dado tempo para discutir o “Marco Civil da Internet, o caráter internacional do jornalismo em rede, a confusão perigosa entre jornal e jornalista, o próprio processo editorial da Mídia Ninja e o que esperamos de 2014…”. Mas com tanta pergunta sobre contabilidade, rsrs, não ia dar tempo, mesmo. Foi pena. Mas não tirou o brilho do frescor, da inteligência e sagacidade deles.

E pra fechar com a escandalosa e deliciosa articulação da dupla: “A gente não é convidado VIP de ninguém. A gente mesmo se convida e se impõe”, Capilé.


19
Jun 13

Vai, Persevera, a Gente Chega Lá.

Hoje recebi esse vídeo de minha participação no 11o. Pajuçara Management, onde palestrei sobre INOVAR ou MORRER.

Ouvindo a entrevista feita pelo Luciano Rocha notei que, como dizia ontem no meu post, a coisa já “estava no ar”. Ao final da entrevista, faço um chamado ao engajamento que hoje, à luz das recentes manifestações, parecia uma prévia ao vai pra rua.

Espero que vocês gostem.

FUTURO: INOVAR ou MORRER é uma palestra que esclarece com humor os conceitos de INOVAÇÃO. E discute porque a tal inovação acontece em ambientes mais perto do caos que da ordem. E porque ela é uma palavra tão fácil de falar e tão difícil de fazer.

Se você se interessou e contrata palestras, você pode encontrar mais conteúdos aqui: www.palestrasdabeia.com

Beia Carvalho no Pajuçara Management

Beia Carvalho no Pajuçara Management

Nota:
11o. Pajuçara Management, em Maceió, Alagoas, junho2013
Tá no ar: http://www.5now.com.br/vem-pra-rua


31
May 13

Quase 5 na 5 Years From Now® com muitos 5!

beia-tais-5-palestra-SELIGA_0975
Neste 5o. mês do ano, a gente está comemorando a marca de mais de 5.000 fãs que curtem a nossa página no FACEBOOK. 

A GENTE A+DO+RA FÃS!  

Porque a 5 Years From Now® se fez a partir de pessoas e empresas que curtem o nosso trabalho, nosso jeito de falar e de trabalhar. E nos escrevem pra dizer isso!

Nestes quase 5 anos, construímos uma máfiazinha e já batemos a marca dos 350 clientes. E mais do que satisfeitos, temos amigos, laços fortes e uma rede tecida com mais de 5.000 horas de trabalho. Dizem que inovação acontece depois de 10.000 horas de suor. Somando minhas horas com as da minha sócia Taís estamos batendo essa marca! rsrs.

Também nos orgulhamos de nossa marca histórica de aprovação: convertemos 1 em cada 3 propostas! E ainda bem que aqui não precisou do 5 pra rimar com o post, não é?

Não descobrimos como ganhar dinheiro enquanto dormimos – nossa ambição máxima. Mas não desistimos! Se você tiver 1 ou 5 dicas, manda pra gente.

Nossas cativantes palestras são – a cada dia que passa – nosso orgulho maior. Provocar, instigar, evocar, causar, precipitar e inflamar: é com a gente, mesmo! E colhemos aplauso de todas as gerações. Adoramos chacoalhar todas as plateias.

NOTA DA BEIA:
Há várias linhas de divisões de gerações. Esta é a que eu uso:
Geração Tradicionalista: hoje acima de 67 anos (nascida antes de 1946)
Geração Baby Boomer: hoje entre 49 e 67 anos (nascida entre 1946 -1964)
Geração X: hoje entre 37 a 48 anos (nascida entre 1965 e 1976)
Geração Y: hoje entre 16 a 36 anos (nascida entre 1977 e 1997)
Geração Z: hoje entre 3 a 15 anos (nascida entre 1998 e 2009)
Geração A: hoje com até 3 anos (nascida após em 2010)

Ainda não é fã? Vai lá na nossa fanpage: https://www.facebook.com/5YearsFromNow

SE VOCÊ CONTRATA PALESTRAS PEÇA UMA PROPOSTA do mais novo conteúdo da 5 Years From Now® e se ligue no SE LIGA!


29
May 13

SE LIGA, aí!


Tá aí, esperando uma carteirinha de globalizado? Tá chamando cara de 75 anos de gagá? Tá pouco se lixando pra tal geração Y? Não sabe o porquê de tantas palavras novas: ubíquo, meme, modo beta, rexitegui? Tá se sentindo inadequado no seu próprio mundo? SE LIGA!

Estamos “no ar” com este novo conteúdo de palestras: SE LIGA! É um tiroteio de assuntos sérios tratados com humor para chacoalhar plateias de todas a idades. Com conteúdos de hoje até 2050!

SE LIGA nos Incríveis Depoimento de Clientes:

Veronique Forat, sócia da consultoria Bottom Line.

Alvaro Fernando, sócio da V.U. Studio

João Paim, Diretor de Criação da Casa de Bamba

Quer se ligar? SE LIGA no novo conteúdo de palestras da 5 Years From Now®!

Bóra rechear o calendário de eventos de empresas e clientes com conteúdo relevante, provocativo, informativo e divertido. Que faz pensar, que provoca conversa, interatividade e inovação. BÓRA!

SE VOCÊ CONTRATA PALESTRAS PEÇA UMA PROPOSTA!
Ah, e deixe seu comentário com a sua opinião!

Créditos:
Produção e Edição: Estudio Mol
Produção Executiva: Galileo de Carvalho Giglio
Produção e Atendimento: Tsui Wai Jin
Diretor de Fotografia e Editor: Paulo de Souza Neves
Editor assistente: Cassio Sugio
Cinegrafistas: Iuri Galletti e Raphael Mariano
Técnico de Som: Marcio Silveira


3
Feb 13

Previsões sobre o futuro: 1967


Quando a gente gosta muito de uma “coisa”, vai cutucar – e descobre que coisas bacanas não acontecem assim, por acaso. Elas tem “pai e mãe”. Neste caso, Walter Cronkite e a Revista Smithsonian.

A “coisa” é um interessante vídeo de 1967, apresentado pelo jornalista da CBS, Walter Cronkite, que mostra a tecnologia do futuro em vários cômodos de uma casa.

O “pai” dessa história é o jornalista que virou a opinião pública norte-americana contra a Guerra do Vietnam, no início dos anos 1970. Walter Cronkite também foi considerado como o “homem que mais inspira confiança à América”, descartando políticos, dirigentes religiosos ou heróis do esporte.”

Foi apresentador do jornal da noite da rede CBS, por quase 2 décadas, entre 1960 e 1970 e tinha um programa chamado “The 21st Century”, sobre a tecnologia do futuro. Os vídeos deste post foram ao ar em 12 de março, 1967. Neste episódio, o programa mostrou como seria uma casa em 2001: TVs em 3D, videofones, uma máquina gigante que poderia ser o avô do Twitter, robôs e outros gadgets.

A “mãe” é a revista Smithsonian Mag, que tinha com linha editorial publicar “coisas em que o Instituto Smithsonian estava interessado, poderia estar interessado ou deveria estar interessado.” 5 anos depois de publicada pela primeira vez, em 1970, a circulação da revista atingiu 1 milhão de exemplares e se sagrava um dos mais bem sucedidos lançamentos de seu tempo.

Foi Smithsonian que resgatou este episódio do “Século 21”, do fundo do baú e Gizmodo publicou essa história em seu site, no último dia 31. No site, dá pra ver os 3 vídeos “futurísticos”: sala, escritório e cozinha. Você vai ver que eles não previram a genialidade de Steve Jobs e o design fica muito a desejar. Mas a tecnologia chega bem pertinho. Eu gostei particularmente da cozinha e das soluções de sustentabilidade que remoldam os utensílios usados, em vez de termos que lavá-los.

“Adoro como as previsões sobre o futuro estão sempre limitadas aos conceitos do presente. Em 1967, podíamos imaginar diferentes tarefas sendo controladas por um console, mas não conseguíamos imaginar múltiplos consoles sendo controlados por um único computador (ou smartphones ou tablets). Nos faz pensar o que as limitações da tecnologia de hoje causam à nossa imaginação do futuro”. Casey Chan, editor do Gizmodo.

O verbo da 5 Years From Now® é futurar. Futurar é visitar o futuro, um lugar que não está pronto. O presente está irremediavelmente pronto, é imexível. Mas passamos 100% do tempo tentando mudar algo imexível, e não dedicamos 1% ao futuro, onde tudo pode acontecer.

Fico aqui com a frase que Cronkite, que morreu aos 92 anos, terminava cada noticiário: “And that’s the way it is”. (é assim que é).