Aborto


6
Mar 16

Facão e o Dia da Mulher

Facão e o Dia da Mulher

Facão e o Dia da Mulher

Mulheres são fundamentais, mas ainda abrem caminho com facão.

Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

E a minha expressão ‘facão” virou a manchete da matéria!
Leia aqui a minha entrevista completa para a Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

Valeu PropMark!

Beia Carvalho, presidente da 5 Years From Now®, é outro exemplo feminino que abriu caminhos à força. “Acho que tenho um caminho aberto com facão. Fui sócia durante 15 anos de cinco homens. Isso não é comum, não é um bolinho crocante. Foi um aprendizado. Uma minissociedade é reflexo da sociedade com seus dramas, problemas e problemáticas.”
O desafio dela foi abrir o próprio negócio e partir para o desconhecido. “Faço as pessoas pensarem no futuro. Abri essa picada para explicar uma coisas que não existe com uma metodologia baseada em jogos num mundo em que as pessoas tendem a ser mais formais.”Uma das maiores batalhas é a falta de apoio para abrir frentes e desbravar novos caminhos. Beia fica impressionada como a sociedade, de uma forma geral, e as as mulheres de forma específica, não têm apoio para inovar. “As pessoas acham que você está louca”, diz. “Parece que a sociedade não quer você empreendedora. A sociedade não te fortalece para ter esse aval de empreender na vida. Acho que isso é a maior batalha.”

Uma das maiores batalhas é a falta de apoio para abrir frentes e desbravar novos caminhos. Beia fica impressionada como a sociedade, de uma forma geral, e as as mulheres de forma específica, não têm apoio para inovar. “As pessoas acham que você está louca”, diz. “Parece que a sociedade não quer você empreendedora. A sociedade não te fortalece para ter esse aval de empreender na vida. Acho que isso é a maior batalha.”

O comercial abaixo tem legendas em inglês, mas dá pra entender muito bem, tim tim por tim tim. Porque esta é a vida como ela é. Ou como tem sido para a maior parte das mulheres do mundo, em todas as classes sociais.

Com expertise para provocar reflexão, inspirar a ousar, criar e inovar, Beia acha importante questionar o que as mães estão ensinando aos seus filhos. “Quando as mulheres aprenderem a criar seus filhos como ‘pares’ de uma mulher e não ‘chefes’, aí, sim, teremos uma sociedade mais igualitária. Nós, mulheres, temos de nos reeducar, educar nossos filhos com essa perspectiva e, principalmente, continuarmos a desfilar pelo mundo, trazendo a paz a compreensão e a beleza por onde passarmos”, opina. No fundo, o que as mulheres querem não é a igualdade, mas sim, equidade. Equiparação. “Não faz sentido que uma mulher ganhe menos que um homem. Eu nunca passei esse perrengue, mas isso sempre me chamou a atenção”, declara Beia.

Sempre me causou espécie o fato que países considerados não-machistas, os países nórdicos por exemplo, também praticarem a desigualdade de salários.
Isso leva essa discussão a um nível muito mais complexo e profundo, já que sempre que se aponta a desigualdade , se força a barra no machismo latino.

Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

CAPA da Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Texto da minha entrevista para o PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Texto da minha entrevista para o PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

MATÉRIA de Ana Paula Jung, publicada no jornal PropMark, março 2016.


6
Feb 16

Vivam as Mulheres. Abaixo os Grupos de Mulheres!

Mulheres & Homens. Nepal.

Mulheres & Homens. Nepal.

Sempre tive problemas em compreender ou fazer parte de grupos exclusivos por gênero, raça. Nunca recebi uma boa explicação intelectual. É uma aversão natural. Uma ojeriza, mesmo. Sendo mulher, tenho sido continuamente convidada – ou, nestes tempos de redes sociais, simplesmente incluída, à minha revelia – para grupos de mulheres. Participei de algumas reuniões nesses grupos. Não gostei do que vi, nem do que ouvi. Se me coloquei e tentei mudar o que não gostava? Não. Se insisti até colher resultados? Não.

Eu acredito em grupos que são formados com um propósito e com diversidade. De gênero, idade e influência social, política, intelectual. Enfim, diversidade na veia. Morei nos Estados Unidos à época das cotas escolares para negros. E pude presenciar, ao longo de décadas, as distorções e o acirramento “black & white” que essas segregações causam. Fui contra a aplicação das cotas no Brasil até recentemente, quando meu amigo e atinado critico político-social Jayme Serva me convenceu que, se aplicadas por período seriamente predeterminado, com políticas para começo, meio e fim das cotas, poderiam ser uma arma de grande sucesso para reparar as cruéis injustiças sociais causadas pela desumana escravidão. Enfim, continuo contra, a menos que tenha essa linha de tempo estabelecida.

Nossa maior força está em levar diversidade para outros grupos

Nossa maior força está em levar diversidade para outros grupos

Voltando às mulheres. Recentemente, esses convites, reuniões e tentativas de convencimento se tornaram mais e mais frequentes. E me forçaram a ter uma opinião mais qualificada sobre essa minha oposição. Seria um capricho de minha parte?

Faço uma pausa aqui para confessar que, se as pessoas não me provocassem, acho que ficaria o dia inteiro assistindo filmes e fazendo nada. Desta vez, a provocadora foi a editora Nilceia, que está à frente do grupo Mulheres que Decidem.

Fui pesquisar e achei 2 ótimos artigos. O primeiro mais focado no networking de grupos de mulheres. E o segundo, fantástico, fruto de experiências do cientista social Thomas Malone no assunto Inteligência Coletiva.

O título do artigo de Meghan Casserly, na Revista Forbes, cativou minha atenção de imediato: “Por que Grupos de Networking de Mulheres Fracassam?” Ela, como eu, também se sente incomodada em frequentar esses grupos e propõe uma questão: “Será que grupos de mulheres podem ajudar uma jovem a invadir o Clube dos Meninos, mesmo se tratando de grandes redes?” Para responder, Meghan cita o post que leu na HBR, do blog de Athena Vongalis-Macrow. Athena pede que façamos 3 perguntas antes de nos juntarmos e colocarmos nossa energia para que um grupo funcione.

1. Quem está na rede?
A melhor receita de rede é aquela que tem uma parte de mulheres com recursos e bagagem profissional colecionados através do tempo. Outro terço de “bibliotecárias”, aquelas com as últimas e mais pertinentes informações e dados; e, finalmente, as Boas Samaritanas, que estão lá para ajudar em todas as situações. Segundo a IDEO, é esta combinação desejada: recursos, informação e boas intenções. E Athena ainda nos provoca: faltou algum desses elementos? Pula fora!

2. É uma rede que se conecta bem?
A conexão flui entre uma reunião e outra ou é aquela coisa de se encontrar uma vez por mês? Você se sente desconfortável em acessar aquela superexecutiva do grupo, porque ela pode achar você uma chata ou invasiva?

3. A rede tem uma comunicação funcional?
Isto é, suas frustrações e desapontamentos serão acolhidos e ouvidos? Alguém se voluntariará a ajudá-la com um novo caminho ou a prevenir que você exploda?

E Meghan adicionou mais uma:
Com quem você está falando?
Networking não é chamado de “escada corporativa” à toa. Networking é estar próximo do poder. A qualidade e a velocidade com que você sobe essa escada tem a ver com a qualidade das conexões que os membros de seu grupo têm e cultivam. Grupos de mulheres que pertencem a vários outros grupos são capazes de importantes novas conexões.

Com essa última reflexão de Meghan, chego mais perto do que acredito. É a diversidade que nos engrandece, que nos empurra para novos territórios, novas experiências, novos conhecimentos, novos ensaios. Novas vidas.

Eu reconheço que nós mulheres temos muitas causas a serem lutadas e vencidas. Algumas ainda a serem formuladas. E muitas delas, como o feminicídio, têm os homens como nossos algozes. Mas acredito que seja com eles, e não com a exclusão deles, que venceremos.

Por fim, o sensacional estudo de Malone, que abordou homens e mulheres entre 18 e 60 anos, aleatoriamente divididos em grupos, aos quais foram aplicados vários testes: de inteligência, exercícios de brainstorming e tomada de decisões, quebra-cabeças e um problema realmente complexo para ser resolvido pelo grupo. Quais grupos foram considerados os mais inteligentes? Aqueles que tinham pessoas com os mais altos QI? Não. Os grupos que tinham mais mulheres!

Assista o vídeo com Thomas Malone sobre Inteligência Coletiva

E neste link o cientista em entrevista à Harvard Business Review:
https://hbr.org/2011/06/defend-your-research-what-makes-a-team-smarter-more-women/ar/1

A pesquisinha valeu, não é? Em todos os casos, me parece que Meghan, Atena e Thomas nos fazem ver que uma sonora diversidade faz jus à sua fama da nova era.

Se você quer usufruir de inteligência coletiva superior, aqui está a receita: produza um grupo com diversidade de pessoas e vá adicionando mais e mais mulheres, até que elas sejam a maioria no seu grupo. E aqui está a cereja do bolo: grupos excepcionais tem participantes que ouvem uns aos outros. Fecho este artigo com esta citação de Thomas Malone:

“Teoricamente, sim, as 10 pessoas mais inteligentes deveriam formar o grupo mais inteligente, mas não apenas porque eles são os indivíduos mais inteligentes. Mas porque grupos excepcionais ouvem uns aos outros. Eles compartilham as críticas de forma construtiva. Eles têm mentes abertas. Eles não são ditatoriais. E, em nosso estudo, vimos muito claramente que grupos que tinham pessoas inteligentes dominando as conversas não eram os grupos mais inteligentes.”

NOTAS:
1) Meghan é ex-editora da Revista Forbes e atual Relações Públicas na Google.
Why Women’s Networking Groups Fail, de Meghan Casserly.
Acesse: The Value of Your Networks, de Athena Vongalis-Macrow
https://hbr.org/2012/06/assess-the-value-of-your-network

2) Thomas W Malone é catedrático da MIT Sloan School of Management e diretor-fundador do Centro para Inteligência Coletiva do MIT. Também diretor-fundador do Centro para Coordenação de Ciências do MIT e um dos dois cofundadores da iniciativa do MIT em Inventar Organizações para o século 21. Anita Woolley é sua assistente.

Beia Carvalho
*Palestrante futurista
beia@5now.com.br


9
Mar 15

Mulheres. Somos perfeitamente imperfeitas.

Beia Carvalho: Dia Internacional da Mulher 2015

Beia Carvalho: Dia Internacional da Mulher 2015. Entrevista Jornal PropMark, 8março2015

No dia 8 de março de 2010, há 5 anos, fechei um artigo* no meu blog com essa esperança:
“Espero que em 8 de março de 2015 possamos CE-LE-BRAR!? Celebrar o valor de homens e mulheres que ao desempenhar a mesma função, recebem o mesmo salário. Celebrar o fantástico declínio da violência sexual contra as mulheres, especialmente em zonas de guerra. Celebrar o fim da discriminação racial e da vileza da intimidação. Uma salva de palmas!”

Infelizmente, passados 5 anos, ainda não podemos bater palmas. Infelizmente, engatamos rapidamente uma marcha ré. Por favor, um uísque triplo, um balde de gelo, uma porrada no meio da minha cara, me tirem do túnel do tempo!

Temos, mulheres e homens juntos, que chegar ao cerne da questão do “feminicídio”, “femicídio” ou simplesmente “assassinato” contra mulheres, justificado sociocultural e historicamente pela dominação da mulher pelo homem e estimulado pela impunidade e indiferença da sociedade e do Estado. Crimes de ódio.***

Números?
ONU estima que 66 mil mulheres tenham sido assassinadas entre 2004 e 2009, em razão de serem mulheres. Impunidade é norma.

Números Brasil?
Quase 44 mil mulheres assassinadas entre 2000 e 2010. Em 30 anos (1980-2010) dobramos o nosso abominável e repugnante status de 2,3 para 4,6 assassinatos por grupo de 100 mil mulheres. Assim, junto com a posição de 7ª. economia do mundo, o Brasil está na 7ª. posição mundial de assassinatos de mulheres. Totais? São 92.000 mulheres assassinadas nestes 30 anos (em 20 anos de Guerra do Vietnã morreram 60.000 americanos). Ah, mas era uma guerra!

Então, vamos falar claramente: os homens estão em guerra contra as mulheres. Com uma diferença gritante: quase metade das mulheres assassinadas morreram nas mãos de seus companheiros ou ex-companheiros e em suas próprias casas. Não há nem a dignidade de declarar a guerra e se colocar como inimigo.

Será isso mesmo?
Será que muitos destes homens não deixaram muito claro para muitas destas mulheres que eram seus inimigos? O que acontece com a gente? Estamos cegas? Ou somos realmente seres tão inferiores que não conseguimos entender que ali é “Perigo, Perigo, Perigo”? Cai fora. Salta de banda.

Segundo os especialistas, homem que espanca mulher, repete. É que nem grapete. E quase metade também espanca os filhos. Mas as mães não dizem que amam os filhos? Que fazem tudo por eles? Oras, então há alguma coisa muito estranha e profunda nesta problemática. Sim, é muito complexo. É por isso que temos que juntar forças e reconhecer a complexidade do problema, que atinge todas as classes sociais, no mundo todo. Mas que aqui é muito, muito grave.

1 milhão abortos clandestinos por ano

1 milhão abortos clandestinos por ano


Neste Dia Internacional das Mulheres, também podemos comemorar as aterrorizantes cifras do aborto clandestino no Brasil: 1 milhão por ano!
E se é pra falar de vida: 1 mulher morre a cada 2 dias devido a abortos inseguros no Brasil. Sabe quem faz/fez aborto? Sua mãe, sua namorada, sua mulher (com ou sem seu consentimento), sua vizinha, sua avó, e sua prima de 16 anos. Mais da metade das mulheres (60%) entre 18 e 29 anos fizeram abortos.**

E de repente, em 2014, tivemos uma confluência de oportunidades incrível: 2 mulheres concorrendo em pé de igualdade a ser a nova presidenta do Brasil! Inacreditavelmente, em pleno século 21, vivenciamos uma realidade ímpar –– nenhuma das 2 representam os nossos anseios mais básicos: ter direitos sobre o nosso corpo. Direitos irrestritos. É muito muito triste. É muito muito desesperançoso. É desempolgante. É um país broxa.

Apatia sexual seria a solução?

Na contramão da tradição japonesa, novas palavras-conceitos surgem a todo momento para abarcar os novos comportamentos sociais/sexuais. Sekkusu shinai shokogun, ou “síndrome do celibato”: 45% das mulheres e 25% dos homens com idade entre 16 e 24 anos “não estão interessados ou desprezam o contato sexual.” A outra palavra: soshoku danshi ou “homens herbívoros,” indica aqueles que não tem interesse por mulheres. E deixei a pérola para o final. Oniyome “esposas do diabo” designa mulheres casadas que trabalham.

Lá, no riquíssimo Japão com altos índices educacionais, está um dos piores sistemas de igualdade entre sexos. Engraçado. Não serão as patentes ou a falta de inovação, que rebaixarão a economia japonesa. Será a falta de bebês para sustentar a economia. Será que bebês virtuais impulsionam a economia? Porque o jogo “LovePlus+,” xodó dos jovens japoneses, simula um relacionamento (não sexual) onde jovens saem de férias, num hotel real, com suas namoradas virtuais.

E em 2030?
A ficção trabalha muitas vezes como uma luz no fim do túnel. Assistindo ao Filme “Ela” (Her) conhecemos Amy, uma nerd que está desenvolvendo um game chamado “A Mãe Perfeita”. No jogo, a mãe perde milhares de pontos porque alimenta os filhos com açúcar refinado. Mas ela pode se redimir e ganhar pontos, ao fazer suas mães rivais sentirem inveja de seus cupcakes. CUPCAKES! Dá um tempo?!? Quase tive um ataque ao ver retratado em 2030, as mesmas pressões que as mães enfrentaram e ainda enfrentam para fazer de tudo para serem Mães Perfeitas.

Se não tomarmos em nossas mãos femininas a tarefa de virar esse jogo, os 16 anos que nos separam do filme ELA vão voar. E, quando menos percebermos, BUM! Estaremos cara a cara com 2030, com as mesmas intragáveis, velhas e irreais expectativas em relação às mulheres e mães, que não trazem felicidade para nenhum dos lados envolvidos.

Dá pra fazer muita coisa de hoje até lá!
Quais são as novas possibilidades de criar e educar as nossas crianças?
O que nós estamos (des)ensinando a nossos filhos e filhas, sobrinhos e sobrinhas, netos e netas, vizinhos e vizinhas, primos e primas, irmão e irmãs? Porque o resultado é que muitos deles estão matando e muitas delas estão sendo mortas.

O que podemos começar a fazer JÁ?
Educar mulheres para serem seres por si e não para e pelo outro. Ensinar homens a serem homens. E que espanquem paredes, oras bolas! E que levem suas fúrias pra longe das mulheres. Mas o que mais? Não vamos deixar isso morrer no jornal de ontem, vamos? Então, bóra fazer o que mulheres sabem fazer de melhor? Conversar? Falar, falar, falar. Sem discriminações. Homens e mulheres vamos juntos nos livrar desta vergonha?

Vamos começar?
Em 2030, tenho a certeza que esses jovens estarão namorando de um jeito diferente e terão expectativas mais construtivas em relação aos diferentes sexos. Não gosto de pensar que essa é uma luta de mulheres. Penso que homens e mulheres, juntos, deveriam se unir para um mundo mais harmônico. Vamos nos magnetizar pela utopia de um mundo mais feliz – e não por um mundo de mulheres e mães perfeitas.

Neste dia Internacional das Mulheres não me venham com os adjetivos que santificam as mulheres: rosa, santa, esposa, mãe, “lá em casa quem manda é ela”. As mulheres não são perfeitas. Não falem, escrevam, reproduzam, incentivem, nem se alimentem machistamente com esta ideia de santidade. Porque quando não correspondemos a esta imagem da Santa Perfeição, os homens ficam muito decepcionados. E quando eles se decepcionam …

Nós somos mulheres. Somos perfeitamente imperfeitas.

Espero que em 8 de março de 2020 possamos CE-LE-BRAR!?Celebrar o valor de homens e mulheres que ao desempenhar a mesma função, recebem o mesmo salário. Celebrar o fantástico declínio da violência sexual contra as mulheres, especialmente em zonas de guerra. Celebrar o fim da discriminação racial e da vileza da intimidação. Uma salva de palmas!

Dia Internacional da Mulher 2015: Pesquisa IPSP MediaCT

Dia Internacional da Mulher 2015: Pesquisa IPSP MediaCT, Jornal PropMark, 8março2015

NOTAS:
A entrevista completa com os dados da pesquisa IPSOS MediaCT e com as entrevistadas Cecília Russo, Marlene Bregman, Judith Brito e eu está aqui: http://propmark.uol.com.br/mercado/52414:mulheres-questionam-hoje-a-propria-responsabilidade-na-continuidade-do-machismo. Por Cristiane Marsola.

* link para o post de 2010:

** dados Pesquisa Nacional do Abortamento (PNA)

*** Em 8.3.2015, num discurso atrapalhado, misto de comemoração ao dia das mulheres, arrocho econômico e programa de governo, a presidente Dilma sancionará no dia de hoje, 9.3.2015, a lei que tipifica feminicídio e o classifica como “crime hediondo”: o que impede que os acusados sejam libertados após pagamento de fiança, estipula que a morte de mulheres por motivos de gênero seja um agravante do homicídio e aumenta as penas às quais podem ser condenados os responsáveis, que poderão variar de 12 a 30 anos. (UOL) Vamos em frente!