business


5
Jun 15

Ah, as responsabilidades de compartilhar!

Adoooorooo fãs!

Adoooorooo fãs!

Recebi esta mensagem ontem, e tive que ralar pra responder à minha nova fã gaúcha Lygia Pires de Macedo, especialista em Pesquisas de Mercado & Planejamento. Olha só a saia justa! Perguntas inteligentes, respostas difíceis.

“Beia , tenho acompanhado seus posts e virei sua fã. Tenho 2 perguntas, pode ser?
1. Como você preconiza a geração Y neste novo cenário econômico (novo para eles) brasileiro? Afinal eles cresceram em um ambiente macro bem mais confortável. Levando-se em consideração que haverá retração nos empregos, fechamento de empresas, dinheiro e outros recursos mais caros, poucos investimentos e que levaremos pelo menos uns cinco anos para sair disso, se formos bem administrados, como você acha que eles lidarão com esse novo momento adverso?

2. Você fala em análise de notícias (tb acho que sim, tanto que tenho assistido noticiários onde há analistas), mas como explicar então essa limpeza de pensantes feitas pelas redações de jornais e revistas por todo Brasil? Isso poderá mudar?”

Rapidamente, respondi: “Lygia, as perguntas são boas demais. Vou me dedicar às respostas e posto aqui. Amei seus elogios. Eu adoroooo fãs.”

Obrigada, Lygia Pires de Macedo.

Obrigada, Lygia Pires de Macedo.

Este é o resultado da minha dedicação, Lygia. Espero que tenha chegado à altura de suas questões. Com a ajudinha do Deus brasileiro, que fez os EUA e a Europa passarem por uma mega recessão, a gente pode, sem gastar dinheiro em pesquisas, ter referências para a nossa crise retardada de 2015.

Em 1982, quase 4 milhões de bebês nasceram nos EUA. Eles. Aqueles. Os Millennials. A Geração Y. A maior geração americana. Wow! Passaram os baby boomers? São os NEO baby boomers? Pois é, enquanto ainda estavam se divertindo, mamando o leite materno, o país se recuperava da recessão dos anos 1980, entrando na era Reagan, com seus 4 pilares para chacoalhar a economia: redução dos gastos do governo, redução das taxas do imposto de renda federal e sobre ganho de capital, redução da regulamentação governamental e redução da oferta de moeda, para reduzir a inflação. (ouviu D. Dilma? São 4 pilares. Os 4 começam com redução, não com inchação!).

Desmamaram e se viram de frente com os anos 1990, uma era estável, bombando, parecia que a humanidade finalmente estava acertado o passo. BUM! As torres caíram em 11 de setembro de 2011! Os mais velhos da geração Y, aqueles “bezerros” dos anos 1980 estavam então com 21 anos. Pois é, sofreram o baque. Adeus mundo-cor-de-rosa. Bye bye.

Mas o verdadeiro tapa-na-cara, o real “acorda aíê”, veio com a inesperada, para nós leigos, crise mundial de 2007-08. MUN-DI-AL. Mas por artifícios nunca dantes imaginados no mundo-mundial, o Brasil “surfou na marolinha” da crise. Afinal, somos brasileiros. Deus é brasileiro. Estávamos acima, além deste tal mundo-mundial.

Mas, ri melhor quem ri por último. Tente explicar para alguém do 1º. mundo porque estamos na pior recessão MUNDIAL! Se conseguir, e se sua explicação fizer sentido, me passe por email, por favor.

Vou retratar agora um fenômeno americano mas que, com algum esforço, dá pra gente tropicalizar. A Geração Y é a geração americana com o maior nível educacional. Nos países de 1º. mundo isso se traduz por mais mestrados, PhDs e pós doutorados. No Brasil e em outros países do 3º. mundo, não chegamos a tanto! Mas fizemos a nossa parte: temos menos analfabetos – sem entrar no triste “detalhe” dos analfabetos funcionais (sabe, a balconista da rua Oscar Freire que faz o desconto de 10% da calculadora?).

A despeito destas diferenças brutais entre os mundos-mundiais e o mundo-do-faz-de-conta-das-marolinhas, a tal melhor educação está pagando um preço fenomenal! Nos EUA, onde tudo está contabilizado, a dívida dos universitários junto às universidades dobrou entre 1996 e 2006. A esperança de poder pagar a dívida da bolsa universitária com empregos fantásticos, sucumbiu quando – ao sair da universidade – os jovens Y deram de cara com a pior crise econômica em 80 anos! Diferentemente de países liderados por caudilhos, nenhum país de 1º. mundo apelidou a crise de “marolinha”.

Mas será que se safaram os “ispertos” que não foram para as universidades? Putz, não! Com salários arrochados, melhor pagar por tecnologia que substitui gente, ou terceirizar nos países emergentes, ou pagar pouco para quem pode me oferecer muito, que pagar pouco por um “vagabundo” ou semianalfabeto.

Achar emprego e achar um bom salário tem sido cada vez mais difícil. Isso significa que o ciclo que começa com o compromisso do jovem em comprar uma casa (deixar a casa dos pais, pagar por comida, roupa lavada, comprar e manter seu carro, casar, ter filhos, escola etc) – foi interrompido. Uma geração que não compra sua casa própria, nem seu primeiro carro é uma geração que interrompe o “curso natural da economia americana”.

Olhando do ponto de vista dos baby boomers (a geração que mais acumulou poder econômico e que são os pais dos mais velhos da Geração Y); ou com os olhos da Geração X (berço dos yuppies e os pais dos mais novos da Geração Y), isso pode parecer um desastre. Só que não. A maior parte dos Y não está nem aí. E muitas vezes até despreza esta busca “patrão”, “burguesa”. Mesmo porque, sempre podem não deixar a casa dos pais, ou retornar a elas, sem sofrer a pecha de perdedores – lembrando que para as gerações mais velhas, regressar à casa dos pais era assinar que e “falharam na vida”.

E mais de 1 entre 5 americanos entre 18-34 respondendo à pesquisa da Pew Research Center disseram que adiaram se casar ou ter o primeiro bebê por conta da má fase da economia. E mais de 1/3 de jovens entre 25 e 29 anos voltaram a morar com seus pais. Não me surpreende. Essa é a geração que adora um toddynho e tem um estreito contato com a vida infantil. Por quê? Porque lá é bem mais “quentinho” que resolver problemas de adultos. Por dominarem o que nós mais velhos chamamos de tecnologia, eles vem resolvendo nossos problemas desde a mais tenra idade. Quem acima de 50 anos não pediu para uma criança de 5 anos ajustar o relógio digital do carro ou o radio-relógio da cabeceira, quando chegava o horário de verão? Quem abaixo de 50 anos não pediu para uma criança resolver um problema com a impressora ou com o computador que ‘travou”?

Há quem pense que a Geração Y é a mais azarada desde a 2ª Guerra Mundial, por conta dos baixos salários, altas taxas de desemprego, terrorismo, globalização e tecnologia substituindo mão de obra humana. Mas há quem veja o copo quase cheio: ninguém vai morrer de fome – pelo menos nos EUA. E nem no Brasil, se contarmos a escalada da obesidade em todas as faixas etárias e em todas as classe sociais, notadamente nas classes mais baixas. E a Internet possibilitou acesso gratuito a muita coisa que antes era reservada a uma distinta classe (aprendizado de línguas, educação de alto padrão, e entretenimento, por exemplo).

O mesmo instituto Pew Research Center revela que 9 entre 10 jovens da geração Y que haviam mudado para casa de seus pais já dizem ter o dinheiro que necessitam ou que o terão num futuro bem próximo.

Talvez a geração Tradicionalista (nascidos antes de 1946) estivessem certos: é preciso passar por uma ‘guerra” para dar valor à “vida”. Pew acredita que esta geração de jovens entre 18 e 35 anos, entregarão uma nação mais próspera às suas crianças que seus pais. Afinal, não nos esqueçamos: numa Era da Cognição, esses jovens são os mais bem estudados e bem equipados. Sem contar que, mais para o bem que para o mal, o preço da casa própria – por conta da crise de 2008 – ainda está super atrativo. Talvez o meio copo deles esteja realmente quase cheio.

Desde a 2ª. Guerra Mundial, o que faz a economia americana bombar são a aquisição de novos carros e de casas nos “chics” subúrbios americanos. Nenhuma das 2 coisas parece fazer os olhos dos jovens Y brilharem.

É exatamente durante entre 20 e 30 anos que arriscamos mais, experimentando na universidade, trocando de empregos, viajando, empreendendo, casando. Sim, a recessão tem um impacto sobre esses rompantes juvenis. Mas respondendo a sua pergunta, Lygia, os brasileiros são otimistas. Não me pergunte o por quê. Esta semana, quando os jornais e os maiores entendidos em economia e política anunciam a pior recessão brasileira pelos próximos 2 anos, pelo menos (!!), ouvi de várias pessoas que a situação melhorou e parece que o ano já está “pegando na rampa”.

Enfim, Lygia, em uma frase? Acredito que a Geração Y sofrerá menos as consequências destes vindouros duros anos do marolão brasileiro, que nós (Gerações acima de 36 anos) sofreríamos. Eles vieram equipados com alguns itens de fábrica, que nós tivemos que adquirir (caro) no mercado.

Sobre a sua 2ª. questão (… como explicar essa limpeza de pensantes feitas pelas redações de jornais e revistas por todo Brasil? Isso poderá mudar?), é ao mesmo tempo mais fácil de explicar e mais complexo de se safar.

Quando mudamos de Era, trazemos conosco os velhos arraigados conceitos da velha Era (que não resolvem problemas da nova era, mas atrapalham bastante!) e não conseguimos apreender e muito menos internalizar os novos conceitos da Nova Era. Assim, resolvemos problemas de uma Era Complexa da forma que costumávamos resolver problemas em uma Era Complicada. Em uma frase: um tremendo erro!

Veja. Não estamos mais vendendo tanto jornal? Fácil: despedimos os maiores salários, os grandes jornalistas, os que fazem as profundas análises, os que nos levam a refletir e a ter uma visão mais crítica. Assim, os jornais que tinham 1 grande diferencial sobre muitas das novas mídias digitais, ficam de um só golpe, além de antiquados, sujos (tinta), insustentáveis (papel), rasos e superficiais. Usar soluções da velha Era para resolver problemas da nova Era, dá nisso.

NOTAS:
1) Clique aqui para um passeio sobre a Nova Era: https://youtu.be/paIATFfWSZM

2) The Cheapest Generation: Why Millennials aren’t buying cars or houses, and what that means for the economy – http://www.theatlantic.com/magazine/archive/2012/09/the-cheapest-generation/309060


28
Apr 15

Telefonemas Gratuitos para e do Nepal. Ou como os Deuses ainda Sorriem.

Os Deuses ainda Sorriem

Os Deuses ainda Sorriem

Após o terremoto de magnitude 7.8 no Nepal, a Microsoft liberou ligações gratuitas, via Skype, para-e-do Nepal para telefones fixos e celulares. Skype é uma das ferramentas de telecomunicação online mais usadas em todo o mundo. É um esforço muito significativo da Microsoft e parte de sua iniciativa de doar $1 milhão de dólares em cash, tecnologia e serviços para ajudar no resgate e recuperação do Nepal. O massivo terremoto já ceifou mais de 4.000 vidas (alguns estimam que chegará a 10.000) e há milhares de feridos e desabrigados.

Microsoft não é a única empresa de tecnologia a ajudar o Nepal. Google abriu seu Person Finder tool e está cobrando apenas 1 centavo de dólar em vez dos 19 centavos para chamadas ao Nepal através do GoogleVoice. Google diz que não é de graça para “evitar os abusos em seu sistema e assim causar mais tráfego desnecessário ao sobrecarregado sistema de telefonia nepalês”. Tanto a T-Mobile quanto a Sprint liberaram gratuitamente as mensagens de texto e as chamadas para o Nepal. Apple lançou uma parceria com a Cruz Vermelha americana para encorajar os usuários do iTunes a doar, e o Facebook ativou o app Safety Check feature, que permite que as pessoas façam um “check=in” e assim “avisem” a todos de sua rede que estão vivas no Nepal.

Traduzido livremente por mim do artigo da The Verge, Microsoft responds to Nepal earthquake with free Skype calls, escrito por Tom Warren, em 27 de abril de 2015.


2
Apr 15

Talentos ou songamongas?

2020: Sua Empresa tá Pronta?

Mudanças exponenciais são a marca da complexidade do século XXI.

Se você ainda não disse, diga “adeus” àquelas mudanças lineares do século passado. Bons tempos, em que tínhamos tempo para nos acostumar e nos adaptar às movimentações locais e globais. Tínhamos tempo para longas, chatas e ineficientes reuniões. Para elocubrações e masturbações mentais. Afinal, o mundo pode esperar.

Ah, mas as mudanças exponenciais exigem respostas simples. Respostas que somente os novos olhares sobre esta Nova Era pós industrial podem trazer. E é bom olhar quem está a sua volta, porque quem traz respostas simples para problemas complexos são os talentos.

Você está rodeado deles, ou de songamongas?

É cruel! Mas quase mais nada resta às estratégias de Micros, Pequenas, Médias e Grandes Empresas senão compreender, o mais rápido possível, essas significativas mudanças. Mudanças que a aurora de uma Nova Era nos acena. Pare, olhe e reflita, para se beneficiar rapidamente das vantagens competitivas que a Inovação e a Tecnologia aportam para os negócios.

E sem desculpas para quem não é grande. Estudos apontam que é mais fácil inovar nas pequenas empresas. Porque nas mastodontes – o capital abunda – mas a estrutura engessada não permite movimentos rápidos e cirúrgicos, que o novo século reverencia.

Quer infectar seu público? Contrate as PALESTRAS 5 YEARS FROM NOW®.
E depois me conte.

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho


24
Mar 15

Sua casa daqui 5 anos: 2020

Ou como seu sempre digo: 5 Years From Now!

Texturas Bizarras, Sensações Estranhas

Texturas Bizarras, Sensações Estranhas

Texturas Bizarras, Sensações Estranhas  
Uma das 7 previsões da IKEA para nossas casas em 2020 (daqui 5 anos)

Marcus Engman, lembra que passamos a maior parte de nosso tempo tocando telas, e o quanto isso é entediante. Ele prevê que no futuro próximo estaremos vivendo numa casa mais tátil, rodeada de tecidos e materiais personalizados (custom-designed), que contrastarão com as polidas telas de smartphones e tablets.

A Morte do Armazenamento
Uma das 7 previsões da IKEA para nossas casas em 2020.

Armazenamento foto de er Jonathan Lin, Flickr

Armazenamento foto de Jonathan Lin, Flickr

Gavetas, armários, estantes costumavam guardar nossos amados livros, discos, CDs e DVDs. Em outras épocas, disquetes. Ao mesmo tempo em que o espaço de moradia está ficando cada vez mais diminuto, toda essa “mobília” subiu para a NUVEM (cloud).

Segundo Marcus Engman, o Manda-Chuva do design da Ikea sueca, as pessoas gostam de mostrar seus objetos como uma forma de mostrar quem eles são. Assim, o que não estiver guardado na nuvem,  não estará escondido em uma gaveta. Ele fala em displays que sejam funcionais, mas também exibicionistas. Como a exposição de peças em um museu. Prateleiras abertas e gabinetes com vidro serão a tendência.

Mobília Inteligente
Uma das 7 previsões da IKEA para nossas casas em 2020 (daqui 5 anos)

Luminárias Inteligentes IKEA: carrega seu celular

Luminárias Inteligentes IKEA: carrega seu celular

No início deste mês, a Ikea lançou uma linha de luminárias que podia carregar via wifi todos seus gadgets. A ideia não é transformar a Ikea numa manufatura de eletrônicos, mas como diz Engman “nossa missão não é vender eletrônicos, mas descobrir como tornar a vida dentro de casa mais fácil e inteligente”. Tão bom e tão raro ver empresas com missões claras!

Mas será que será tão simples assim? Não bastarão as atualizações de aplicativos e vamos ter também que atualizar tapetes, luminárias e sofás? Ah, a Internet das Coisas (IoT).
Ikea deve expor uma Cozinha Conceitual, no próximo mês, em Milão, no Salone del Mobile.

Este artigo é uma adaptação do artigo publicado na FASTCOMPANY em 16/3/2015. Para ler sobre todas as outras previsões clique aqui no artigo de JOHN BROWNLEE, escritor deste artigo para a Fast Company. Seu trabalho já foi publicado pela Wired, Playboy, PopMech, CNN, Boing Boing, Gizmodo. Seu email é: john.brownlee+fastco@gmail.com.

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Beia Carvalho é palestrante futurista, a 1ª figura feminina a falar sobre Inovação.
Seus temas são aqueles que estão dando um nó em nossas empresas e vidas: Futuro, Gerações e Inovação.


16
Mar 15

O Futuro é um país BEM estrangeiro

Sua Mochila pra Viajar pro Futuro Tá Super Equipada?

Sua Mochila pra Viajar pro Futuro Tá Super Equipada?

Patrícia Lustig é uma futurista como eu e vemos o exercício de futurar de forma muita parecida. Neste artigo, que traduzi livremente, ela usa uma expressão que está no meu primeiro site: exercitar os músculos que viajam para o futuro (exercising your “foresight muscles”). Leia seu artigo:

Se você for a um país estrangeiro, como o Nepal e esperar que ele seja igual a seu país, você vai apanhar. O mesmo acontece quando você planeja o futuro: se você só pensar sobre o hoje e o ontem, você também apanha.

E se a gente morrer e descobrir que Deus é uma grande galinha?? E aí?! - What If? What Else?

E se a gente morrer e descobrir que Deus é uma grande galinha?? E aí?! -What If? What Else?

Lidar efetivamente com qualquer futuro não tem nada a ver com acertar o que acontecerá neste futuro, mas como exercitar o que eu chamo de “músculos da previsão” e se preparar para um leque de potenciais diferentes futuros, exatamente igual você se prepararia para um leque de possibilidades de clima se fosse escalar no Nepal. Quanto mais você esticar seu pensamento para ele trabalhar nos mais diferentes e estranhos potenciais de futuro (e o que você faria diante cada um deles), mais bem preparado você estará para qualquer um deles se e quando eles ocorrerem – e se tornarem o seu hoje.

A pesquisa de Daniel Gilbert indica que as pessoas sempre estimam a quantidade de mudanças que acontecerão no futuro, muito abaixo do que eles já sabem que aconteceu no mesmo espaço de tempo, no passado. E se você adiciona o fator de aceleração das mudanças, a coisa fica bem complicada. Em “De Volta para o Futuro”, Marty McFly vai de 1985 a 1955. Imagine que o filme fosse feito hoje e fosse de 2015 para 1985. Em 1985 não havia celulares, computadores, internet, câmeras digitais, só pra ficar em tecnologia. A diferença dos últimos 30 anos é muito MAIS significativa que a dos 30 anos anteriores. Ray Kurzweil chama isso de Teoria das Mudanças Aceleradas. Ele acredita que o século 21 terá 1000 vezes mais progresso que o século 20. E outros cientistas concordam. Portanto, não é de se admirar que seja tão difícil imaginar quais seriam esses potenciais futuros.

1955-1985-2015

1955-1985-2015

No momento atual todo e qualquer futuro são uma surpresa. Para se preparar para esses diferentes e surpreendentes você tem que liberar seus “músculos de previsão” para cada um destes futuros, e assim criar um plano A, B e C. Você traça um caminho plausível de como você chegaria naquele particular futuro potencial, a partir do hoje. Conceber um caminho ajuda você a notar quando você realmente estiver caminhando por ali, na vida real. Assim, você poderá tirar vantagem do seu Plano B para aquele futuro particular, porque saberá engajar as forças apropriadas e necessárias para obter benefícios para o seu negócio. Você saberá quais são essas forças porque você já havia pensado nelas de antemão.

Aqui estão algumas coisas que você vai gostar de levar em sua mochila, para ajudá-lo a pensar futuros bem ‘futurísticos’:
- Você pode ler ou assistir a ficção científica e anotar coisas que poderiam lhe afetar.
- Você pode prestar atenção aos novos avanços da medicina, tecnologia e do pensamento. Imagine o que pode acontecer quando diferentes tendências se encontram, se fundem e tem bebês.
- Você pode desenvolver um conjunto de futuros potenciais (com uma equipe diversificada) – e desafiar suas suposições e convicções, brincar com loucas ideias e construir sobre as ideias dos outros.
- Você pode perguntar ‘E se …?’ e ‘O que mais?’
- E você pode pensar como é o seu Plano A, B e C para cada um desses futuros potenciais.

Não chegue despreparado naquele país estrangeiro do futuro – tenha a certeza que a sua mochila está super bem equipada.

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Referências:
Dan Gilbert
A Revolução da Inteligência Artificial

Agradecimentos:
Futurista Rohit Talwar

Beia Carvalho é palestrante futurista, a 1ª figura feminina a falar sobre Inovação. Seu verbo é futurar. Seus temas são aqueles que estão dando um nó em nossas empresas e vidas: Futuro, Gerações e Inovação.


14
Feb 15

Joga Tudo Fora e Começa Tudo de Novo!

Google Glass Model - Tim Reckmann

Google Glass Model – Tim Reckmann

Este artigo foi publicado há 10 dias, dia 3 de fevereiro de 2015. Achei que deveria traduzí-lo. Talvez, porque como o autor, Steve Pearson, também ajudo empresas quando o assunto é Inovação. Já escrevi algumas vezes sobre o Google Glass e sempre discuto algum aspecto desta polêmica “inovação”. Reflita.

Agora, o artigo, na minha livre tradução.

PENSE ANTES DE MATAR UMA INOVAÇÃO!
Fracassar é uma palavra tão dramática. Tão final!
Enquanto muita gente está louca para matar projetos ambiciosos, eu gosto de me ver como uma pessoa otimista. Acredito que muitas tecnologias dão certo, mas talvez não no tempo e na forma previamente pensada.
Seja o critério financeiro, de mercado, social ou psicológico, o tempo parece ser a essência de tudo.
Dois exemplos terríveis nos vem do artigo The Top Technology Failures of 2014 (Os maiores erros de 2014). Resumidamente, este artigo declara a morte do Google Glass, do EEG Exoesqueleto brasileiro, Bitcoin e mais um punhado de outros esforços ambiciosos que não estão de forma alguma kaput (destruídos).

Por exemplo, a seção sobre o Exoesqueleto brasileiro descreve uma pessoa paralisada dando o chute inicial na Copa do Mundo de 2014, com um exoesqueleto controlado pelo cérebro. “Em vez de um homem levantando de uma cadeira de rodas e andando, o exoesqueleto parece não estar fazendo uma tarefa muito difícil ao simplesmente mover um pé para chutar a bola.” Veja vídeo here. Será que o clímax de “17 meses de trabalho insano” não é o suficiente para aplacar nossas necessidades insaciáveis?

Falar do Google Glass é falar de um produto altamente financiado sem uma data rígida de lançamento. Por que, então, declarar seu fracasso? Suponha que não fosse amplamente adotado (eu deliberadamente evito a palavra “fracasso”) por conta do estigma social para seus usuários. Apesar de não ter sido nem um ávido seguidor, nem um piloto de testes.
Quero sugerir que a vagarosa adoção do Google Glass seja um problema de aceitação social puramente relacionado com o tempo. Quanto mais a sociedade for exposta à tecnologia, mais será aceito. Eu acho que este produto está à frente de seu tempo.

E o tempo também é decisivo para avaliar o Exoesqueleto. A ambiciosa equipe teve pouco tempo para desenvolver e construir o aparelho e ainda treinar o usuário sobre a forma de controlá-lo num prazo específico. Em minha opinião, eles fizeram um belo gol (o trocadilho é de propósito).

Será que essas 2 tecnologias fracassaram? Não. Mas nenhuma delas alcançou, até agora, seus objetivos. Isso não significa fracasso. Ambas tem tudo para continuar a ser desenvolvidas e creio serão relançadas no mercado no futuro.

Você rotularia os resultados do Google Glass e do EEG Exoesqueleto como fracassos? Quando o fracasso deveria ser apregoado? Quando o produto não vende tanto quanto foi estimado anteriormente, ou quando não cumpre um prazo? Você considera tempo um fator ou uma desculpa razoável? A questão do tempo é uma questão que rotineiramente pedimos que nosso clientes considerem ao avaliar uma nova ideia.
Como você usar o fator de tempo para determinar se uma tecnologia é um sucesso?

O Som da Disrupção

O Som da Disrupção

Autor: Steve Pearson da Pearson Strategy Group: http://pearsonstrategy.com
Nota do autor 1 dia após a publicação deste seu artigo:
Steve Pearson nos dá o link de um artigo publicado, no dia seguinte ao seu, que dá conta de que o novo chefe do projeto Glass, Tony Fadell, quer que o Google Glass seja desenhado a partir do zero! Joga tudo fora e começa tudo de novo!
Créditos do gráfico: Tim.Reckmann (Wikimedia)  

Meu vídeo de 2011: “Joga Fora”:

Meus posts sobre Google Glass:

Apple watches Santos Dumont

Google Glass vai Disruptar os Aparelhos Auditivos?


7
Feb 15

A Adrenalina do Abutre

Jake Gyllenhaal como Louis Bloom

Jake Gyllenhaal como Louis Bloom

Jake Gyllenhaal, 33 e 13 quilos mais magro vai te aterrorizar. Como Jack Nicholson em ‘O Iluminado. O coração dispara.

“Eu queria parecer e estar faminto”.

Ele interpreta Louis Bloom no filme Nightcrawler ao lado de Bill Paxton e da fenomenal (sou fã) Rene Russo, 60. Dirigido pelo maridão dela, Dan Gilroy, de Legado Bourne (2012) e produzido por Jake.

Louis Bloom é muito louco. Ladrão desempregado, ele é seduzido pelo frisson do submundo do jornalismo criminal televisivo de Los Angeles e com um capital inicial advindo do roubo de uma bicicleta, investe em uma câmera e num rádio para interceptar as frequências da polícia. Assim, se torna um freelancer que registra os acidentes, incêndios e mortes para vender seus vídeos para as estações de TV. Os chamados stringers ou “paparazzi of pain” (paparazzi da dor).

Não, ele não é um freelancer. Ele é um homem de negócios, um empresário. Um viciado em dicas online sobre empreender e liderar. Com uma mente loucamente assombrosa, decora e recita – em improváveis ocasiões – lições de empreendedorismo numa verborragia sem precedentes. Parece estar lendo aqueles posts que nos acostumamos a ver em redes sociais como LinkedIn, sites de coaching e outras chatices. Mas ele não apenas estuda, ele pratica. E nos prova, ironicamente, como se tornar uma liderança empresarial autodidata. Obstinação, disciplina, amoralidade, foco e tempo dedicado a estudar pela internet.

O filme nos ameaça com a constante dúvida sobre o que é moral, ético e legal. Onde está a fronteira? Louis facilmente borra essa linha-limite entre o observador e o participante para se tornar a estrela de sua própria história e de sua marca, a “Video Production Services” (Cultured Vultures). Punir a desobediência de forma cabal e matar a concorrência são tarefas levadas a sério e no sentido literal pelo “empresário” Louis: “I can’t jeopardize my company’s success to retain an untrustworthy employee” (Não posso prejudicar o sucesso de minha empresa para reter um funcionário em quem não confio).

No vídeo abaixo você pode assistir ao Jake Gyllenhaal falando de sua personagem: “Ele faz parte de uma geração de pessoas que está procurando emprego num mundo onde os próprios empregos estão sendo redefinidos.”

Você vai sentir todas aquelas fortes sensações e emoções, que os bons thrillers nos despertam. Taquicardia. Medo. Pânico. Repugnância. Aversão. Ansiedade. Vai rir, um pouco, nervosamente. E de forma bem amoral, mas extremamente eficiente, vai compreender na prática conceitos, dicas e visões de empreendedorismo, branding, marca, equipe e marketing pessoal.

Vale por um curso de Capitalismo? Marketing? Branding? Com bem mais adrenalina que numa entediante sala de aula.

Notas:
Filme: Nightcrawler, dirigido por Dan Gilroy, 2014.
Atores principais: Jake Gyllenhaal, Rene Russo, Bill Paxton e Riz Ahmed.

Cultured Vultures

Rene Russo em Nightcrawler

Rene Russo em Nightcrawler


11
Dec 14

Quer a dica para seu evento do fim de ano?

Beia Carvalho é Palestrante futurista: Vamos FUTURAR pra FATURAR!

Beia Carvalho é Palestrante Futurista: Vamos FUTURAR pra FATURAR!

A disposição para INOVAR tem a ver com estados de espírito e comportamentos que não estavam em voga no século passado, como aprender e trabalhar com a diversidade, celebrar a heterogeneidade, compartilhar conhecimentos gratuitamente, exprimir ideias dissidentes e divergentes.

A inovação não acontece na ordem. A Era passada foi uma era ordenada, industrial, produtos iguais numa produção em escala. Quanto mais igual melhor!

É preciso uma certa disposição interna para inovar. Podemos inovar em nossa família, nossa comunidade, escola, empresa, estado. No namoro, no casamento. Inovar é vencer a batalha contra os nossos instintos, que querem o conforto das nossa velhas certezas.

Inovar não é uma decisão, uma tarefa a ser cumprida. Não passa pelo crivo dos benefícios e seus potenciais riscos como a compra ou não de uma determinada máquina. Há riscos, haverá erros e os benefícios serão uma incógnita. Mas na nova era da inteligência em rede a opção é INOVAR ou MORRER.

Vamos levar essas indagações para seu time repensar 2015?

Criei o conceito 5 Years From Now® porque me apavora como pessoas e empresas passam todas as horas do dia de hoje pensando em como mudar o presente. E não dedicam 1% de seu tempo para o futuro, onde nada existe e tudo pode acontecer.

5 anos é perto o bastante pra se imaginar e longe o suficiente pra você sonhar.

Quer falar de FUTURO? Fique com a original: 5 Years From Now®

Quer falar de FUTURO? Fique com a original: 5 Years From Now®


29
Nov 14

FAIVE FAZ SIX!

Beia Carvalho, palestra das Gerações, Paulínia.

Beia Carvalho, palestra das Gerações, Paulínia.

No último post de 2013, me despedi da fase consultoria da 5 Years From Now® fazendo um balanço de seus 5 anos de atuação. E soltei um grito de guerra – minha visão para os próximos 5 anos:

“BÓRA PALESTRAR PRA MILHARES!”

Graças a clientes, amigos, prospects, fãs, fornecedores e amigos dos amigos realizei a visão, já em 2014! E que ano tão ingrato esse 2014! Tão esperado, tão sonhado e tão difícil para todos nós que trabalhamos dedicada e incessantemente.

Falar para milhares é emocionante, excitante, inebriante, instigante, estimulante, fascinante, provocativo, impressionante, cativante, magnífico, paralisante, devastador, surpreendente, espantoso, assombroso, arrebatador, estonteante, irresistível, opressor, alucinante, extraordinário, deslumbrante, cambaleante, asfixiante, maravilhoso, miraculoso, estupendo, fenomenal, excepcional, inconcebível. Superlativo.

Minha reverência a meus clientes que fizeram meu ano: Paulo Vaz, Erik, Mario e Barreto; Rosana Monteiro, Regina, Valeria, Vania, Eduardo, Fernando e Elaine; Lu Freire; Karen Midori, Fernanda, Thalita, Anna Paula, Vania Ferrari; Otavio Dias, Luna, Gil Giardelli, Marina Campos, Edu Santos, Daniel Chagas; Marcos Melo, Marcelo, Rick Berlitz, Erika, Mila e Antenor; Muzy e Solange; Raquel Frois, Sandra e Mayony; Andrea Aydar, Eliana e Yoshimi; Ana Lucia, Adelir, Vanessa Campos; Fernanda Maia e Erica; Ronaldo Ramos, Lucia-Helena, Paulo e Jose Cordeiro; Leila Navarro e Fadel; Iris Barbosa e Gabriela.

A todos os fãs das redes sociais, que a cada hora, a cada dia, nos paparicam com seus likes, comentários, emoticons, e nos tornam populares em tantas tribos diferentes deste Brasilzão. Incessantemente, incansavelmente. E ganhei até uma hashtag: #TietedaBeia

RUMO A 2020! DAQUI 5 ANOS!

16° Encontrão, Guarapari-ES: mais de 1.000 na plateia

16° Encontrão: mais de 1.000 na plateia de Guarapari.

Mais de 1.000 professores municipais na plateia

Mais de 1.000 Professores municipais na plateia do Espaço das Américas

Paulínia: mais de 1.000 educadores na plateia

Teatro de Paulínia: mais de 1.000 Educadores na plateia

And last, but not least, aos amados amigos do peito, com o colo sempre presente de Edson Pires, Marcello Queiroz, Nélio & Nany Bilate, André Moraes, Valeria Midena e à grande amiga Taís de Souza. E, lógico, aos filhos Galileo e Guido.

Nany, Nelio & Consuelo

Nany, Nelio & Consuelo

Marcello & Beia

Marcello & Beia

Beia & Edson

Beia & Edson


Beia e Taís

Beia e Taís

 


21
Nov 14

5 YEARS FROM NOW® FAZ ANIVERSÁRIO

Há 6 anos o céu mostrou um alinhamento surpreendente: Júpiter, Vênus e Lua. 

Era 1 dezembro 2008! Dia que escolhi para lançar a 5 Years From Now®.

Alinhamento surpreendente: Júpiter, Vênus e Lua.

Alinhamento surpreendente: Júpiter, Vênus e Lua.

Neste 1 DEZ 2014 tem Baladinha!
Faz 5 anos que garantimos a diversão de Clientes e Amigos da “FAIVE”!

Será no mais novo espaço de entretenimento e gastronomia: OVO e UVA.
Venha se divertir e fazer negócios na 12a. Baladinha!

Clima de Baladinha da "5"

Clima de Baladinha da “5″

fatos inovadores ocorridos em 1 de dezembro

1640 – Dom João IV é aclamado rei, após 60 anos de domínio espanhol
1878 – Instalado 1º. telefone na Casa Branca
1887 – Publicado 1º. romance policial sobre o detetive Sherlock Holmes
1902 – Lançamento de ‘Os Sertões’, de Euclides da Cunha
1909 – Fundado 1º. Kibutz, em Israel
1913 – Inaugurado 1º. posto de gasolina em Pittsburgh
1935 – Nasce Woody Allen, cineasta e humorista norte-americano
1955 – Rosa Parks é presa por não ceder lugar no ônibus a um branco
1959 – Nações se comprometem a não reivindicar o continente Antártico
1959 – Tirada 1ª. fotografia colorida do planeta Terra, de uma espaçonave
1970 – Aprovada lei do divórcio, na Itália
1976 – Dona Flor é maior bilheteria do cinema, indicado ao Globo de Ouro
1989 – Gorbatchov é o 1º. líder soviético a visitar o papa, desde 1917
1990 – Operários dos 2 lados do túnel Canal da Mancha encontram-se
1999 – Apenas 30 dias para o Bug do Milênio!
2002 – Num blog “a volta do feriadão foi um saco.”
2005 – Aprovado casamento entre pessoas do mesmo sexo na África Sul
2005 – Parlamento belga reconheceu o direito à adoção para casais gays
2008 – Beia Carvalho lança os Workshops 5 Years From Now®
2009 – Comemoramos 1 ano da 5 Years From Now®
2010 - Comemoramos 2 anos da 5 Years From Now®
2011 - Comemoramos 3 anos da 5 Years From Now®
2012 - Comemoramos 4 anos da 5 Years From Now®
2013 - Comemoramos 5 anos e lançamento das Palestras 5 Years From Now®
2014 - Comemoraremos 6 anos da 5 Years From Now®

Mais detalhes na semana que vem.