Inspiração


1
Jun 16

Minha Entrevista sobre Inovação na RH Mag, Lisboa

Twizy, uma inovação adorável!

Twizy, uma inovação adorável!

Fui entrevistada por Cristina Barros, sócia da revista RH Magazine e idealizadora do Forum RH, no qual palestrei no mês passado, em sua 22ª edição. Foram dias incríveis na capital portuguesa e o evento, um show à parte. Neste post um pouco de tudo: a entrevista completa, um clipe da palestra e algumas fotos lisboetas. Tudo muito giro, como diriam eles.

Edição #104 da RHmagazine (maio/2016)

Edição #104 da RHmagazine (maio/2016)

BEIA CARVALHO, palestrante futurista

A 1ª figura feminina a falar sobre inovação no mercado brasileiro

Conte-nos um pouco da sua história profissional. Era publicitária e decidiu mudar de vida … porquê?
Na realidade, esta não foi a primeira mudança que fiz. Comecei a minha vida profissional muito jovem como professora de inglês. Depois de me formar em publicidade, abri uma loja que comercializava Bric-a-Brac (o cotidiano antigo) e nas minhas viagens de “garimpo” pela Europa. Estive muitas vezes em Lisboa e no Porto, a comprar antiguidades, nos primeiros anos de 1980. No final dos anos 80, entrei no mercado publicitário e construí uma carreira na área de “planejamento”. No início dos anos 1990 voltei a empreender como sócia da Agência Grottera, que 10 anos mais tarde vendemos para a multinacional TBWA – de quem fui sócia por mais 5 anos. Desde esse tempo, restam inúmeros “aprendizados” e 4 Leões em Cannes, como “planejadora”. Em 2007, vendi a minha parte na sociedade e abri a consultoria de negócios 5 Years From Now®, para que os empresários pudessem parar e refletir sobre o futuro de suas empresas dali a 5 anos. Ousada, heterodoxa, com sucesso de cases e fracasso de “bilheteria”. Foram esses os meus clientes, ao longo de 5 anos, que me incentivaram a criar um a um, os atuais temas das minhas palestras. A grande “virada” para abandonar a consultoria e me dedicar totalmente à vida de palestrante, veio no dia em que palestrei para uma plateia de 1.000 pessoas. Ali descobri que eu queria aquele palco.

As temáticas das suas palestras são sobre o futuro e em particular sobre o futuro do trabalho. Porquê esta temática?
A temática do futuro do trabalho foi o meu primeiro tema, encomendado em 2009 por um cliente, para que eu falasse sobre a geração Y. Ao criar a
palestra percebi que o tema era muito mais rico. Pela 1ª vez tínhamos 5
gerações simultaneamente no mercado de trabalho, e sim, a Geração Y era o X da questão. Esse tema é até hoje, junto com o tema da inovação, os meus “carros-chefes”.

Bacalhau, almoço no dia da palestra, no próprio Estádio da Luz, Lisboa.

Bacalhau, almoço no dia da palestra, no próprio Estádio da Luz, Lisboa.

A palestra que nos traz a Lisboa chama-se Inovar ou Morrer. Acha mesmo que o futuro das empresas passa pela inovação?
Piamente! Como eu sempre digo, é cruel, mas quase nada mais resta às estratégias de micros, pequenas, médias e grandes empresas senão compreender, o mais rápido possível, as mudanças significativas, que aurora de uma nova era nos acena. É assim, que mais rapidamente beneficiarão das vantagens competitivas que a inovação e a tecnologia aportam para os negócios vencedores desta nova era.

Compreender que estamos todos vivendo uma era onde as mudanças deixaram de ser lineares para serem exponenciais é imperativo! E, internalizar o conceito de exponencialidade não é uma coisa fácil para nós, humanos. Ao compreender que o mundo hoje muda por saltos, e que a inovação nos faz saltar, fica claro que a solução para estarmos minimamente em compasso com esta nova era da cognição é a através da catapulta que a inovação nos oferece.

Comemoração após a Palestra, na Bica do Sapato

Comemoração após a Palestra, na Bica do Sapato

E os colaboradores das empresas, devem inovar ou é só para as entidades nas quais trabalham? Em que é que podem inovar?E os colaboradores das empresas, devem inovar ou é só para as entidades nas quais trabalham? Em que é que podem inovar?
Inovar está no âmbito estratégico. Quer você queira inovar como indivíduo, como executivo, como cidadão de um país, do mundo, ou inovar na sua empresa. Quando a cúpula da corporação crê que a inovação é a catapulta para os negócios vencedores desta nova era, ela desenha um projeto de longo prazo, que infete todos os níveis da empresa, já no curto prazo. Não há mágica. A inovação não está à venda nas prateleiras do supermercado. Há investimento de energia, tempo e dinheiro em algo que, sim, pode dar errado. E quem gosta de investir tanto em algo que pode dar errado? Mas estamos a caminhar para uma etapa da evolução onde você inova ou morre. A inovação começa dentro de você e, se o campo ao seu redor for fértil, ela infecta rapidamente o ambiente. Contrariamente, em ambientes áridos, ela é reprimida, abafada, subjugada, sufocada, e morre.

Também tem refletido sobre o facto de haver 5 gerações de pessoas a trabalhar em conjunto atualmente nas empresas. Que implicações é que acha que isso tem para as pessoas e para as organizações?
Quanto mais rapidamente as gerações – que ainda hoje estão no poder – entenderem que estão diante das primeiras gerações não-lineares e o que isso significa e pode agregar aos negócios, mais cedo colherão as benesses diversidade. No entanto, o que mais se vê é a dedicação empresarial em criticar energicamente esses jovens, com grosseiras comparações com suas próprias (“superiores”) gerações.

O que devem fazer as empresas para permitir essa convivência e que daí resulte mais produtividade?
Trocar de fato, e na prática do dia a dia, o verbo ‘mandar’ pelo verbo ‘engajar’ traz resultados positivos e impensáveis, a curto prazo.

Outro dos seus temas de reflexão é a famosa geração Y que supostamente é muito diferente no que diz respeito ao trabalho do que a anterior. Será mesmo? E que consequências tem isso?
Como eu sempre digo: não nos iludamos. Esta não é apenas mais uma rusga de gerações. É a mais abissal! A solução não é nós contra eles. A polarização leva à improdutividade. Interessa-nos a união. Quando damos passos e nos unimos às gerações mais jovens Y e Z, todos ganhamos! O primeiro passo, todo mundo sabe, mas poucos dão: conhecer, fuçar, “googar”. Esbravejar com os “impacientes e insubordinados” não vai mudar nada, mas pode piorar, e muito.

Para acabar, conhece o mercado do trabalho português? Acha que temos muitas semelhanças ou poucas com os brasileiros?
Num mundo globalizado as gerações têm os mesmos comportamentos, pois a geração é o resultado de experiências com a era que se vive. Neste sentido, apesar de fazer 30 anos que não visito Portugal, no que diz respeito à Geração Y, a grande diferença entre jovens portugueses e brasileiros está na quantidade. Mais de 50% da mão de obra empregada no Brasil é desta geração. Enquanto as cifras nos mostram não só uma queda de nascimentos em Portugal, como um grande êxodo nesta faixa nascida entre 1977 e 1997. Ainda somos um país de jovens. A nossa pirâmide populacional só será invertida em 2030. O percentual brasileiro de jovens no mercado de trabalho hoje, só será alcançado nos EUA, em 2020 (pew research).

Beia Carvalho entrevistada pela RH Magazine, matéria de capa. Lisboa, maio2016

Beia Carvalho entrevistada pela RH Magazine, matéria de capa. Lisboa, maio2016

Beia Carvalho entrevistada pela RH Magazine, matéria de capa

Beia Carvalho entrevistada pela RH Magazine, matéria de capa

Quer deixar uma mensagem aos DRH portugueses?
Vou deixar uma mensagem de futurista, citando Guy Mc Pherson, expert em aquecimento global: “Suspeito que, se vivermos até os 100 anos, e talvez todos nós cheguemos lá, quando olharmos para trás, para a nossa vida, nos lembraremos apenas de alguns poucos momentos. Então, vamos criar esses
fantásticos momentos, cheios de alegria. Vamos estar aqui e agora com aqueles que nos são próximos. Vamos tratar a vida no planeta e tratar os outros seres humanos com decência e respeito. E, talvez, nos tratar com alguma dignidade, porque não importa qual seja o desfecho, eu não acho que isso seja um mau conselho.”
Obrigada! ×

ENTREVISTA DE CRISTINA MARTINS DE BARROS
Fotos Egydio Zuanazzi.

Palestrante Beia Carvalho, foto Egydio Zuanazzi.

Palestrante Beia Carvalho, foto Egydio Zuanazzi.


30
Apr 16

Banho de Cachoeira: tô precisando. Tu também?

Beia Carvalho fala de Inspiração, no PropMark

Beia Carvalho fala de Inspiração, no PropMark

Palestrante futurista conta que seus maiores inspiradores são os próprios clientes: “Um porque me provocou, outro porque levantou a minha bola…”.
(Publicado no jornal PropMark de hoje, 30abril2016, na coluna Inspiração).

Você começa a se perguntar e num instante já está imerso em conceitos facilmente misturáveis: intuição, criatividade, conexão milagrosa, epifania?

Você pode se sentir profundamente inspirado, verdadeiramente impelido a alguma forma de criação e, por um ou dez motivos, isso não se realizar. Então, acho que a criatividade, no sentido de conceber e prototipar, é um passo esperado por quem se sente inspirado, porém não está umbilicalmente ligada à inspiração.

Dizem que o que te inspira tem a ver com o que você previamente já conhece do mundo. Sejam essas coisas reais ou imaginárias. Eu tendo a concordar com essa levada. Porque minha inspiração vem sempre de uma coisa que eu quero conhecer mais, que eu discordo, que eu queria gritar para o mundo e ouvir o que as outras mentes pensam. Então, imagino que o que me irrita e me inspira a escrever, a me aprofundar e jogar numa conversa com amigos, com os meus filhos, são coisas que de alguma forma conheço.

Li que a Dra Cynthia Sifonis, descobriu que, ao pedir para os participantes de sua pesquisa para criar e desenhar animais alienígenas de um distante planeta totalmente distinto da Terra, as pessoas desenhavam animais baseados em gatos e cachorros, com simetria bilateral e órgãos de sentidos como olhos e orelhas.

Ícaro Verniz, sócio da Fenix Editora

Ícaro Verniz, sócio da Fenix Editora

 

Nunca pensei que diria isso. Mas os maiores inspiradores da minha atual carreira de palestrante foram os clientes de minha Consultoria 5 Years From Now®. Um porque me desafiou, outro porque me provocou, outro porque levantou a minha bola. Meu primeiro tema de palestra, se encaixa neste último caso. A palestra sobre as 5 Gerações no Mercado de Trabalho é a que eu mais ministrei até hoje, e tem 7 anos! Ícaro Verniz foi taxativo: “nunca ouvi ninguém falar de gerações como você fala. Você tem que montar uma palestra sobre isso!”

Silvana Torres, presidente da Mark Up

Silvana Torres, presidente da Mark Up

 

O que me desafiou a criar o tema da inovação foi bem complicado. Silvana Torres, não me inspirou de imediato. Plantou. E quanto mais eu pensava, mais aquilo me incomodava. Até que um dia, aquela coisa: a tal conexão, um siricutico dentro de você, um desconforto confortável. Um ímpeto. Uma coragem. Uma energia súbita. Um toque. Não vou parar até chegar ao fim disso. E nasceu a palestra INOVAR ou MORRER. Dos meus temas, o segundo mais pedido.

A provocação veio da Endeavor. Que meninos e meninas mais adoráveis! Oliver Alexander e Felipe Braga queriam que eu falasse do Futuro Conectado para empresários, no formato TED. Estamos falando do início de 2011. Uma palestra de 29 minutos era muito ousada! Ontem fiz uma de 4 minutos. Exponencialidade!

Se as minhas palestras surgiram da inspiração de fora, meus artigos, minhas viagens, vídeos seguem a mesma toada. Em termos de inspiração própria eu sou bem medíocre. Se não fossem pelos amigos, clientes, fotos, filmes e pelas notícias, eu ficaria sentada no pudim.

Marcello Queiroz me inspira há 25 anos!

Marcello Queiroz me inspira há 25 anos!

 

Quando eu era pequena, meu apelido era manteiga derretida, porque eu chorava fácil. Em se tratando de falar com autoridades – diretoras de escola, pais etc – sempre fui a spokeswoman. Mas nos sentimentos, buá! Por isso, acho que os filmes e as fotos tem grande efeito sobre mim até hoje. Continuam a me inspirar e são meus instrumentos para inspirar outros.

https://youtu.be/ojdbDYahiCQ
Acho que o mais importante eu ainda não falei. Normal, não é? A gente fala, fala e esquece do principal. Ciente do que te inspira, cuide de levar uma vida rica de elementos, sinais, sons, cheiros, frios na espinha, luzes enigmáticas, cores triunfantes, abraços sensuais, banhos de cachoeira(tô precisando de um), poetas russos, balés pina bauscheanos, Amys e todos os motivos do Tim-Maia-Me-Dê-Motivo.

E hoje, indo ao supermercado, encontro Evandro, poeta amigo, que diante da lama que nos atinge disparou em pleno ponto de ônibus: “Deus … que diabo é você?”. E me levou a pensar no escritor mais amado de meus pais, Machado: “O acaso … é um Deus e um diabo ao mesmo tempo.”

Andy Warhol, Detroit, 1985, Inspira.

Andy Warhol, Detroit, 1985, Inspira.