Moda


3
Jan 16

These Are the Good Old Days!

Deborah, Beia, Angela e Mira.

Deborah, Guida e Mira no alto, Beia e Angela no primeiro plano.

Do que a gente falou?

Falou de um tempão atrás, tínhamos entre 11 e 13 anos. Batíamos o Brooklyn inteirinho de bicicletas, que naquela época ainda não se chamavam “bikes”. Íamos tomar sorvete de graça na fábrica da Kibon, fazíamos picnic onde hoje deve ser a Berrini e, lógico, passávamos horas em quartos falando, falando, falando.

Hoje, não foi diferente. Lembramos do Morumba’s, da avenida do mesmo nome. Eu passava as férias na casa da prima, aqui em São Paulo e adorava o hambúrguer, inexistente naquela época, na terra do Bauru. Também lembramos do Meninópolis, nome que eu achava engraçadíssimo para ser nome de Colégio. Do Peg&Pag, da Avenida Morumbi. E daquela Bar do Alemão, que ficava na Travessa Conselheiro Saraiva, onde todas nós nos conhecemos. E onde eu experimentei Paprika Schnitzel pela primeira vez. E que foi, por muito anos, meu prato alemão predileto.

Namorados de Adolescentes

Ah, e os namorados! Ah, e os irmãos dos namorados! Ah, e o muitos e muitos suspiros por um especial namoradeiro e que namorou as namoradeiras. Falamos de casamentos, descasamentos, abortos, filhos e netos, cachorros e gatos. Ilusões e desilusões.

Fabio Jr de longas madeixas

Fabio Jr de longas madeixas

Eu invejava a prima da Ângela, aquela estupenda chinesa dos desfiles da Rhodia, fruto da cabeça genial de Livio Rangan, diretor de publicidade da Rhodia. Mailu era um arraso! É a de verde no centro da página.

Revista Manchete, Modelos Rhodia, 1970

Revista Manchete, Modelos Rhodia, 1970

Mailu é a de rosa na foto abaixo.

Modelos Rhodia

Modelos Rhodia

Modelos-Rhodia
Good old days: não os quero de volta. Não prefiro ter hoje aquela idade. Aqueles tempos tinham muita coisa boa. E tinham também todos os grilos de sermos adolescentes. Vivi minha infância intensamente nas ruas de Bauru, jogando búrica, brincando de mocinho, de queimada. Viajei sozinha e com minha prima. Fui em todos os bailinhos e bailões. Namorei e namorei. Chorei por cabelos. Me descabelei por narizes e namorados. Foi bom demais.

E hoje foi o dia de viver um dia que será, junto com os outros que virão, os Good Old Days!

Feliz 2016!

Obrigada prima Deborah por nos reunir. Obrigada Mira pelo almoço. E obrigada Angela e Guida pelo papo.


19
Jul 15

Silvana, minha melhor amiga.

Silvana e Beia, Bauru

Silvana e Beia dando umas bandas pelas ruas de Bauru

Foi a minha melhor amiga.
Cheguei em Bauru no dia de meu aniversário de 1 ano.
Ela tinha 2, como observou minha mãe ao me dar a notícia ontem: “Conheci a Silvana com 2 anos, tão lindinha, quando chegamos a Bauru, há exatos 60 anos (14 de março de 1955).

Eram todos loiros na família, numa cidade onde ninguém era loiro. Quase ninguém, porque ela se casou com Paulo, talvez o outro único loiro da cidade. Ela tinha 2 irmãs mais velhas. Hoje seriam fashionalistas. Não sei quantas horas passamos juntas naquele enorme quarto onde Sandra e Sueli se arrumavam durante horas e horas, para ir aos bailes e festas nos fins de semana. E quando chegou a nossa vez, era ali que nos arrumávamos. Porque todo o frisson estava ali. O guarda roupa ia de fora a fora em uma das paredes e era repleto de roupas, acessórios, bugigangas, lenços, espelhos e muita bijuteria. Silvana, alta, linda e loira, sempre gostou dos brilhos, das grandes bijus, das flores. E tudo que ela vestia ficava lindo naquele corpão! Era exótica. Uma palavra que meu pai adorava falar para crianças, porque elas não sabiam o significado dela.

Silvana, a 1ª da direita para esquerda ao lado de seu marido Paulo. Seguida da irmã Sueli, cunhada Regina e meus pais, Agarb e Jeanete.

Silvana, a 1ª da direita para esquerda ao lado de seu marido Paulo. Seguida da irmã Sueli, cunhada Regina e meus pais, Agarb e Jeanete.

De todos os eventos, o Carnaval era de longe o mais importante, o mais gostoso e o que ocupava nossas mentes antes, durante e depois. Antes, porque sempre fazíamos blocos temáticos entre os amigos. Meus pais sempre adoraram Carnaval e minha “tia” Dulce, mãe da Silvana, também gostava. Mas não dançava. Se divertia da mesa. E sempre nos contava como era bom quando o Carnaval tinha lança-perfume.

Carnaval em Bauru. Da esquerda para direta, minha tia Eune, meu tio Zézinho, minha mãe Jante e pai Agarb.

Carnaval em Bauru. Da esquerda para direta, tia Eune, tio Zézinho, minha mãe Jeanete, pai Agarb e tia Dulce.

De tudo o que fizemos juntas na vida, nadar na Hípica, sem dúvida, ganhou de longe. Íamos de ônibus, sozinhos num bando de umas 10 crianças de todas as idades e ficávamos dentro da água a tarde inteira. Bauru era muito mais quente que hoje. Se dá pra imaginar! Lembro-me dos longos cabelos verdes, resultado do cloro desgraçado da piscina que “tingia” o cabelos das loiras. Um dia Silvana descobriu que lavar o cabelo com OMO tirava o verde e o cloro. E passamos a usar sabão em pó para lavar as madeixas. Que divertido!

Não estudávamos juntas. Ela foi pro Colégio das Freiras. Coitada! Não sei como suportou. Às vezes, penso que suportava as exigências e desmandos das freiras, porque estava ali, só com o o corpo. A alma era artista. Desde pequena, pintava muito e muito bem. Fazia bolos de madrugada. Lia livros inteiros de madrugada. Acordava tarde. Muito tarde. Tudo na vida dela era diferente da minha. Foi a minha melhor amiga enquanto convivemos. Um dia, não nos vimos mais. Ontem à noite, soube da tragédia.

Anos mais tarde conheci o Pedro, aqui em São Paulo. Era como olhar para ela. Ele tem a alma de artista. Não sei se também prefere a noite ao dia. Tem muito da mãe. E, por acaso dos acasos, conhece meu filho Galileo e se dão bem.

É a primeira amiga que perco. Assim, amiga mesmo de infância, adolescência e de vida adulta. Não é fácil.

Sim, ela foi uma mulher disruptiva. Viveu intensamente a vida. Isso é bom. Isso é o que importa: vivê-la.

E como Pedro postou ao lado de uma linda foto dela: “o céu acaba de ganhar mais uma estrelinha, obrigado mãe, te amo.”

Eu também, Silvana.


24
Mar 15

Sua casa daqui 5 anos: 2020

Ou como seu sempre digo: 5 Years From Now!

Texturas Bizarras, Sensações Estranhas

Texturas Bizarras, Sensações Estranhas

Texturas Bizarras, Sensações Estranhas  
Uma das 7 previsões da IKEA para nossas casas em 2020 (daqui 5 anos)

Marcus Engman, lembra que passamos a maior parte de nosso tempo tocando telas, e o quanto isso é entediante. Ele prevê que no futuro próximo estaremos vivendo numa casa mais tátil, rodeada de tecidos e materiais personalizados (custom-designed), que contrastarão com as polidas telas de smartphones e tablets.

A Morte do Armazenamento
Uma das 7 previsões da IKEA para nossas casas em 2020.

Armazenamento foto de er Jonathan Lin, Flickr

Armazenamento foto de Jonathan Lin, Flickr

Gavetas, armários, estantes costumavam guardar nossos amados livros, discos, CDs e DVDs. Em outras épocas, disquetes. Ao mesmo tempo em que o espaço de moradia está ficando cada vez mais diminuto, toda essa “mobília” subiu para a NUVEM (cloud).

Segundo Marcus Engman, o Manda-Chuva do design da Ikea sueca, as pessoas gostam de mostrar seus objetos como uma forma de mostrar quem eles são. Assim, o que não estiver guardado na nuvem,  não estará escondido em uma gaveta. Ele fala em displays que sejam funcionais, mas também exibicionistas. Como a exposição de peças em um museu. Prateleiras abertas e gabinetes com vidro serão a tendência.

Mobília Inteligente
Uma das 7 previsões da IKEA para nossas casas em 2020 (daqui 5 anos)

Luminárias Inteligentes IKEA: carrega seu celular

Luminárias Inteligentes IKEA: carrega seu celular

No início deste mês, a Ikea lançou uma linha de luminárias que podia carregar via wifi todos seus gadgets. A ideia não é transformar a Ikea numa manufatura de eletrônicos, mas como diz Engman “nossa missão não é vender eletrônicos, mas descobrir como tornar a vida dentro de casa mais fácil e inteligente”. Tão bom e tão raro ver empresas com missões claras!

Mas será que será tão simples assim? Não bastarão as atualizações de aplicativos e vamos ter também que atualizar tapetes, luminárias e sofás? Ah, a Internet das Coisas (IoT).
Ikea deve expor uma Cozinha Conceitual, no próximo mês, em Milão, no Salone del Mobile.

Este artigo é uma adaptação do artigo publicado na FASTCOMPANY em 16/3/2015. Para ler sobre todas as outras previsões clique aqui no artigo de JOHN BROWNLEE, escritor deste artigo para a Fast Company. Seu trabalho já foi publicado pela Wired, Playboy, PopMech, CNN, Boing Boing, Gizmodo. Seu email é: john.brownlee+fastco@gmail.com.

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Palestras 5 Years From Now® pela Futurista Beia Carvalho

Beia Carvalho é palestrante futurista, a 1ª figura feminina a falar sobre Inovação.
Seus temas são aqueles que estão dando um nó em nossas empresas e vidas: Futuro, Gerações e Inovação.


26
Apr 14

Governador faz jus a House of Cards*

Kevin Spacey-Frank Underwood

Kevin Spacey-Frank Underwood

Já ficou na dúvida se o que se passa na série House of Cards é exagerado ou romanceado demais? Esqueça! O’Malley, o atual governador de Maryland – onde as temporadas 1 e 2 foram filmadas – acaba de mostrar com que cartas se joga o jogo na capital do poder.

Faço um alerta que este post tem lá a sua graça para quem segue essa brilhante série que, como todas as boas, deixa a gente viciada logo no 1o. capítulo. E diferentemente das novelas, não deixa a peteca cair nos outros. “Kevin Spacey está na sua melhor forma – calculista, charmoso, sagaz e impiedoso”**.

Como governador do estado Maryland, o que você faria para manter 3.700 empregos e mais de 100 milhões de dólares em investimentos e atividades econômicas que a série House of Cards gera por temporada? O’Malley fez de um tudo e a temporada 3 começa a ser filmada nos próximos meses em seu estado, beneficiando primordialmente as cidades de Baltimore, o condado de Harford e a capital Annapolis. Este é o resultado de uma longa batalha para que a série continuasse a ser produzida em Maryland e não levasse sua geração de empregos para outros paraísos. Para tanto, o governo teve que triplicar os créditos de US$ 4 milhões, que estava oferecendo a Media Rights Capital, os produtores da próxima temporada.

Vilões de House of Cards

Vilões de House of Cards

Para filmar as 2 primeiras temporadas a Media Capital recebeu nada mais nada menos que US$ 26 milhões! Mas para continuar a série teriam apenas US$ 4 milhões. Foi quando começou a peregrinação e as negociações do governador, a la Frank Underwood protagonista de House of Cards, para mudar leis e o escambal. E como o protagonista, O’Malley conseguiu: os produtores vão receber um pouco menos do que queriam, mas concordaram com os US $11.5 milhões. Nada mal, meta-house-of-cards.

Pelas leis, a quota anual de Maryland para gerar empregos e girar a economia através de produção de filmes é de US$ 7 milhões. Insuficientes para cobrir as necessidades das grandes produções. Por isso, todos os anos os legisladores tem que votar um aumento dos créditos advindos dos impostos para financiar todo este Hollywood buzz.

Convencer legisladores deste aumento deve ter sido tão emocionante quanto os capítulos da série. No debate sobre o film tax credit program os legisladores reclamaram de extorsão, mas aumentaram o fundo anual para US$ 15 milhões, em 7 de abril.

A Divina Robin Wright

A Divina Robin Wright

Curioso que apenas 2 semanas antes, num Wine Bar de Annapolis, estes mesmos legisladores tiveram seus 90 minutos de fama bebericando junto com Kevin Spacey. Os legisladores fazendo selfies e babando perguntavam ao ídolo holiudiano sobre a temporada 2. Kevin-Frank angariava votos para aumentar os créditos para a série, enquanto os políticos desfrutavam, por uma noite, da excitante vida de glamour e mistérios retratadas nas versões sobre política produzidas por Hollywood.***

E também ao estilo de Frank Underwood, o governador declarou: “Media Rights Capital tem sido um grande incentivador do povo e do entretenimento da comunidade de Maryland e nós não poderíamos estar mais felizes em continuar esta parceria.”

Fica aí, para você se decidir quem é que convenceu o legislativo: O’Malley ou Frank?

Frases do Implacável Francis

Frases do Implacável Francis

_________________________________________________________
Frases famosas de Frank Underwood:
– “Eu amo aquela mulher. Eu a amo mais do que os tubarões amam sangue.”
– “Amigos fazem os piores inimigos.”
– “Há 2 tipos de dor. Aquela que te faz mais forte e a inútil. A inútil é aquela que é só sofrimento. Eu não tenho a menor paciência para coisa inúteis.”
– “A melhor maneira de derrotar uma dúvida gotejante é inundá-la com a verdade nua e crua.”
– “A democracia é superestimada.”
– “A proximidade com o poder ilude alguns a pensar que eles o exercem.”
– “Para nós que estamos escalando o topo da cadeia alimentar, não pode haver misericórdia. Há apenas uma única regra: caçar ou ser caçado.”
– “A estrada para o poder é pavimentada com hipocrisia e baixas (mortes).”
– “A natureza das promessas, Linda, é que continuem imunes às mudanças das circunstâncias.”
– “Um grande homem uma vez disse, tudo é sexo. Exceto sexo. Sexo é poder.”
– “A partir deste momento você é uma rocha. Não absorve nada, não diz nada e nada te derruba.”
– “Dinheiro é uma mansão em Sarasota****, que começa a ruir depois de 10 anos. Poder é aquele velho edifício de pedra que está lá há séculos. Não consigo respeitar alguém que não consegue ver a diferença.”
________________________________________________________
NOTAS:
* Original publicado no Washington Post, em 25/4/2014 por Jenna Johnson com a contribuição de John Wagner, neste link: http://wapo.st/1imFC1B
“House of Cards’ producers reach deal on tax incentives with Maryland, will remain there”

** Steven Rosenbaum, em Forbes, 18/2/2013

*** Original publicado no Washington Post, em 22/3/2014 por Jenna Johnson com a contribuição de John Wagner, neste link: http://wapo.st/1lU92bk “Kevin Spacey whips votes for Maryland film tax credits”

**** Termo original é “Mc-mansion”, pejorativo para novas enormes e luxuosas casas em subúrbios americanos.

Casa de Francis & Claire: estilosa brownstone de mais de US$ 1 MI

Casa de Francis & Claire: estilosa brownstone de mais de US$ 1 MI


10
Oct 13

Apple watches Santos Dumont

iWatch?

iWatch?


Há 110 anos, o gênio brasileiro Santos Dumont pediu ao seu amigo, o joalheiro Louis Cartier, um relógio especial: queria um relógio para vestir no pulso! Cartier escolheu um modelo feminino em metal, bem grande, com visor quadrado e tascou-lhe uma pulseira de couro. E em março de 1904, Santos Dumont passou a desfilar o modelito por Paris. Inovação por disrupção: o relógio cortou para sempre o cordão que o prendia umbilicalmente aos bolsos dos homens da Belle Époque. A era das belas inovações tecnológicas como o telefone, o telégrafo sem fio, o automóvel, o cinema, o Impressionismo, a Art Nouveau, a alta costura e, 2 anos mais tarde, pelas mãos do próprio, o mais pesado que o ar, o avião.

Santos Dumont em 1918

Santos Dumont em 1918

Santos Dumont não foi o inventor do relógio de pulso, mas tinha o amigo certo, na hora certa, na Époque certa. Uma década depois, começa a 1ª. guerra mundial, que popularizou o relógio para sempre já que seria impossível puxar uma correntinha do bolso enquanto soldados manejavam armas.

Mecânicos, automáticos, eletrônicos, analógicos, táteis, digitais, a quartzo, com calendário, cronógrafo, taquímetro, cronômetro, com as fases da lua, à prova d´água, iluminados, com função GMT, calculadoras, barômetros, bússolas vídeo games, câmeras digitais, GPS, em braile, para mergulhadores e para astronautas. De ouro, prata, com diamantes, de aço, de plástico. Ah, os relógios!

Espera-se para breve o lançamento do iWatch. E as manchetes não param: “Apple reforça equipe para acelerar desenvolvimento do iWatch”, “Apple registra marca iWatch em mais 4 países”, “Apple cria bateria flexível que pode ser usada no iWatch”, “Apple pede registro do iWatch no Brasil”. O INPI divulgou o pedido 840532792, referente ao registro da marca “I WATCH” feito em junho pela Apple.

iWatch?

iWatch?

Dentre as especulações, imagina-se que o relógio inteligente da Apple terá uma tela OLED flexível e que poderá ser lançado no segundo semestre de 2014 com preços entre 150 e 230 dólares.

iWatch flexível?

iWatch flexível?

Fui atrás dos nerds pra saber o que nos aguarda com o iWatch. Chandra é editor do iGeeksBlog e descreve em 10 razões porque o iWatch da Apple é uma boa ideia:
1. É a hora de vestir Tecnologia
Os dispositivos vestíveis vão ser a nova moda. Google Glass avançando e o IWatch prometido para 2014. Muitas pessoas acham que pode ser algo desconfortável, mas as possiblidades que se abrem são enormes e será uma tecnologia realmente disruptiva.

2. iWatch reduzirá nosso tempo no celular
Da mesma forma que o iPad reduziu nosso tempo no laptop. Não vai precisar sair com o seu iPhone a todo o momento. É um relógio que te informa muito mais que só a hora.

3. É um produto de nicho
iWatch, como o iPod, será um produto de nicho e a Apple fez milhões com produtos como o computador NeXT, iPod, iPad, todos de nicho, quando começaram, evidentemente.

4. É o relógio da vez: NOVO-FASHION
Relógios nunca saem de moda, mas com o uso intensivo dos celulares, ver as horas num relógio tem sido bastante reduzido. iWatch poderá ser uma declaração de estilo, de status. É cool, a cara da Apple.

5. Apple precisa inovar
iPhone, iPad and iPod já deixaram de ser símbolos de inovação. iWatch pode levar a Apple ao foco de tecnologias disruptivas.

6. iWatch fará da Siri um recurso melhor
Siri (o guia-grilo-falante do Iphone, ainda sem utilização em português/Brasil) será mais fácil de usar com uma interface simples, em vez de ficar falando em público com o seu celular.

7. iWatch é mais seguro
Difícil esquecer no sofá ou táxi uma coisa que está presa no seu pulso. Já o ladrão é mais difícil de evitar pro iPhone ou pro iWatch.

8. iWatch fará a vida mais simples
Só o fato de tirar o iPhone da equação já simplifica a vida, pelo menos para ver mensagens, alertas, e-mails etc.

9. Relógio já é o “vestível” mais confortável que conhecemos.

O Google Glass é muito bacana, mas nem de longe é tão confortável como usar um relógio de pulso. iWatch será um sucesso da perspectiva do design.

10. iWatch pode ser a resposta da Apple ao Projeto Glass
Google e Apple não estão competindo com o mesmo produto, mas o gênero é o mesmo. E a Apple não gosta de ficar pra trás. É a aurora da tecnologia de vestir e tenho a certeza que a Apple vai fazer uma entrada gigante neste mercado.

É incrível que 110 anos depois que Santos Dumont recebeu de Cartier seu primeiro relógio de pulso – e com tantas partes humanas para serem vestidas -, um dos maiores trunfos da Apple sobre seu concorrente Google na guerra da tecnologia de vestir seja justamente o conforto de ser vestida no pulso. Ai watch!

O Cartier de pulso de Santos Dumont

O Cartier de pulso de Santos Dumont


NOTAS:
1) Santos Dumont aeronauta, esportista e inventor brasileiro nasceu em 1873 e morreu em 1932. Com 24 anos, em 1897 herdou imensa fortuna e foi pra Paris. Em 1906, inventou o avião.
2) Relógios de pulso: primeiro modelo é do relojoeiro Abraham Louis Bréguet, encomenda de Carolina Murat, princesa de Nápoles e irmã de Napoleão Bonaparte, cerca de 1814 – portanto 90 anos anos antes de Dumont.
A invenção também foi atribuída a Athoni Patek e Adrien Phillipe, fundadores da empresa Patek-Phillipe, em 1868. Wikipedia
3) Livros escritos por Santos Dumont:
Dans L’Air – No Ar, 1904
O Que Eu Vi – O Que Nós Veremos, 1918
Os Meus Balões Alberto Santos
4) iGeeks.com
5) wearable technology traduzida por mim por tecnologia vestível ou de vestir.


18
Jun 13

#VEM PRA RUA

Uma vez perguntei para o incrível estilista Conrado Segreto, o “enfant terrible” da moda brasileira, porque tantos estilistas haviam escolhido, naquele ano, o rosa em suas cartelas de cores. E ele: “porque está no ar”. Naquele mesmo fim de semana, de algum ano do final dos anos 80, fui pra praia e vi um caiçara, já bem senhorzinho, andando de bicicleta com uma calça róóóóóóóósa! E dali pra frente, naquele ano, o mundo me pareceu mais cor-de-rosa. Ou com-de-rosa, como minha mãe diz que eu chamava a cor.

A música do O Rappa “Vem pra Rua” e a sua apropriação no comercial da FIAT , me fez lembrar desta história de Conradinho: “Tá no ar”.


Pra quem quiser, a letra e o link pra baixar o hino das manifestações de 2013.

Vem Pra Rua
O Rappa

Vem vamos pra rua
Pode vir que a festa é sua
Que o Brasil vai tá gigante
Grande como nunca se viu

Vem vamos com a gente
Vem torcer, bola pra frente
Sai de casa, vem pra rua
Pra maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Se essa rua fosse minha
Eu mandava ladrilhar
Tudo em verde e amarelo
Só pra ver o Brasil inteiro passar

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Vem pra rua!
Vem pra rua!
Vem pra rua!
Vem pra rua!

Vem vamos pra rua
Pode vir que a festa é sua
Que o Brasil vai tá gigante
Grande como nunca se viu

Vem vamos com a gente
Vem torcer, bola pra frente
Sai de casa, vem pra rua
Pra maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Ooooh
Vem pra rua
Porque a rua é a maior arquibancada do Brasil

Clique para ver vídeo produzido pelos drones da TV Folha, que registra o drama da 2a. feira, na Ponte Estaiada, em São Paulo:  http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?video=veja-imagens-aereas-de-protesto-em-sp-04024E9B3860D8A94326

Pra fazer o download da música vem pra rua: http://www.4shared.com/mp3/Y_gIhth8/Vem_pra_rua.html?

E uma foto, para quem o conheceu, matar as saudades!

O Incrível Conrado Segreto

O Incrível Conrado Segreto

http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?video=a-moda-de-conrado-segreto-04028D993362CC994326