Vaticano


2
Sep 14

A Arte de Dar tiros no Pé

Não resisti a essa brincadeira pronta.

Não resisti a essa brincadeira pronta.

 

Dr. Einstein, por que a mente do homem é capaz de descobrir a estrutura do átomo e é incapaz de evitar que o átomo nos destrua?
– Simples, meu amigo. Porque Política é mais difícil que Física.

Recorri aos que dedicaram suas vidas a resolver problemas e com isso nos deixaram um legado de problemas resolvidos – e de frases de grande impacto, fruto da dor de sua experiência em reconhecer, enfrentar e solucionar.

Mulheres que não nos representam

Mulheres que não nos representam

 

Vejo que as 2 candidatas à eleição dão um tiro no pé ao sequer dar o 1º. passo, em relação a resolver problemas, segundo essas 2 citações de Einstein:
“Se tivesse 1 hora para resolver um problema, gastaria 55 minutos pensando sobre o problema e 5 minutos sobre as soluções.”
“Formular o problema é frequentemente mais essencial que a sua solução.”

Tiro no Pé

Tiro no Pé

Dilma nega veementemente a recessão brasileira. Está bem longe de relar as beiradas da solução. Rela a demência. Marina, ao optar por ceder, em vez de formular o problema da criminalização da homofobia, perde o controle e cede à toda a população favorável à igualdade entre os seres humanos a liberdade que Milton Hatoum se deu: de retirar seu nome da lista de apoios à candidata, considerando o ato uma “falha moral”. E cede à sua opositora o direito de advogar sobre o assunto. Mesmo que Dilma seja a última das pessoas críveis a interceder sobre esse assunto, que tramita desde o ano passado, no Senado. E que, segundo o Estadão de hoje, “o Palácio do Planalto vem orientando aliados a não votá-lo antes da eleição, na tentativa de evitar atritos com o eleitorado evangélico.”

Esta discussão é particularmente interessante porque envolve também a questão do aborto. Questão que Dilma também nos prometeu em sua última candidatura e pouco a pouco assoprou para o mingau esfriar.

É inacreditável que estejamos em pleno século 21, vivenciando uma realidade ímpar – 2 mulheres concorrendo em pé de igualdade a ser a nova presidenta do Brasil – e que nenhuma das 2 nos representem em nossos anseios mais básicos: ter direitos sobre o nosso corpo. Irrestritos. É muito muito triste. É muito muito desesperançoso. É desempolgante. É um país broxa.

É inacreditável, inaceitável, que estejamos em pleno século 21, discutindo a legalidade do aborto. Meu Deus! Quando eu tinha 13, há quase ½ século, os 3 temas quentes das discussões eram: aborto, virgindade e transamazônica. Evoluímos nadinha em 50 anos?
E pra fechar:
“Que pena que os seres humanos não possam trocar problemas entre si, já que todo mundo sabe exatamente como resolver o problema dos outros. ? Olin Miller

1 milhão abortos clandestinos por ano

1 milhão abortos clandestinos por ano

Eu Faço Parte desta Estatística

Eu Faço Parte desta Estatística


 
Notas:
A Arte de Dar tiros no Pé:
Título inspirado no post de meu amigo José Ausgusto Felici

Albert Einstein
14 de março de 1879-18 de abril de 1955: http://pt.wikipedia.org/wiki/Albert_Einstein

Errata: Marina recua e volta a ser candidata a vice http://revistapiaui.estadao.com.br/blogs/herald/eleicoes/errata-marina-recua-e-volta-a-ser-candidata-a-vice

Criminalização da Homofobia
link:http://politica.estadao.com.br/noticias/eleicoes,dilma-tenta-se-contrapor-a-marina-e-defende-criminalizacao-da-homofobia,1553249

1 milhão de abortos clandestinos por ano
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2013-09-20/clandestinas-retratos-do-brasil-de-1-milhao-de-abortos-clandestinos-por-ano.html

Carl Jung
“Não podemos resolver um problema com o mesmo nível de  consciência que o criou.”

Livro It’s All Politics, Kathleem Readon http://www.amazon.com/Its-All-Politics-Winning-Talent/dp/0385507585


13
Feb 13

Papa põe a Boca no Trombone

2 dias depois da renúncia, Papa diz que tomou a decisão “em plena liberdade, pelo bem da Igreja”. Ooops!

No dia seguinte à notícia da renúncia do Papa, todos os chefes de estado que se pronunciaram foram bem contidos em suas declarações – li uma por uma, no Estadão. Nenhum deles ousou a falar em dissidência, simplesmente dançaram conforme os primeiros versos da “música”, que ligava a renúncia do chefe da Igreja à sua falta de saúde e avançada idade. Ba-le-la. Ah, Dilma não estava entre as personalidades importantes que se pronunciaram. Ah, mas o país nem é católico, não é?

A Wikipédia nos diz que a média de idade dos papas quando foram eleitos é de 65 anos e chefiaram a Igreja por 13 anos. E os papas mais velhos tinham 78 quando começaram a servir e o fizeram por mais de 6 anos. Ou seja, o Vaticano sempre conviveu com a 4a. idade. Não ia ser agora que isso seria novidade ou obstáculo! Bento XVI tem 85 anos.

Bem, tudo isso serviu para trazer à tona, não a óbvia idade avançada, mas a sujeira que aparece nas disputas de poder. O beligerante é o cardeal Tarcisio Bertone e seu grupo contrários à promessa do papa de conduzir uma limpeza na Igreja: aqui leia-se o escândalo da pedofilia envolvendo a igreja por todos os cantos do mundo. Ou como colocou o Estadão: “corrupção no Banco do Vaticano e roubo de documentos por seu ex-mordomo seriam parte do desgaste”.

Mas quem é que vai se surpreender com corrupção e escândalos no Vaticano, em 2013? Adoro 2 filmes que versam sobre o assunto: O Poderoso Chefão 3, dirigido por Coppola, em 1990 e a comédia Habemus Papam, dirigida por Nanni Moretti, 2011.

No último “chefão”, Michael Corleone passa o filme tentando legalizar suas operações mafiosas. Um dos últimos lances era ter o controle majoritário da International Immobiliare, uma imobiliária europeia, da qual a Igreja detinha 25% das ações.

O cardeal irlandês Gilday era o chefe do Bando do Vaticano, afundado em dívidas (puxa! que coincidência!). Ele convence Michael a depositar $600 milhões dólares em troca de ¼ da Immobiliare. Mas tudo era uma fraude de Gilday articulada com o chefe da Contabilidade Frederick Keinszig e Don Lucchesi, presidente da Immobiliare. Ainda segundo a trama do filme, quando a maquinação está prestes a ser revelada pelo cardeal Lamberto (aquele para quem Michael se confessa no filme e que havia se tornado o novo Papa João Paulo I), o cardeal Gilday e sua gangue o envenenam e matam o reformista Papa. Ooops!

Em Habemus Papa, quem não viu poderá conhecer cena por cena o que ocorre dentro do Vaticano desde o dia em que o “cargo de papa” está desocupado até o momento em que, da varanda central da Basílica de São Pedro, o mais velho dentre os cardeais da ordem dos diáconos pronuncia as palavras Habemus Papam. E a tal fumacinha branca começa a sair da chaminé da capela Sistina e anuncia: “Temos Papa”. Enquanto o Colégio de Cardeais não se decide a fumaça é negra, significa que não houve maioria e os votos então são queimados. Quando há o consenso, o novo pontífice é eleito e a fumaça sai branca.

Será que daqui 5 anos veremos a tal limpeza da Igreja?