Geenteeem, eu tô passaaaada!

Sera que eu falo?

Sera que eu falo?

Fazia tempo que a conversa de restaurante, da mesa ao lado, não me alucinava tanto!

Ouço, olho de soslaio, nem pisco! Estico o ouvido diante da improbabilidade de um ser humano falar como se fosse um livro. É inviável, mas é verdade: é uma conversa real entre 2 pessoas!

Uma é a cliente (coachee). Dela saíram as primeiras frases, que me esforço aqui para repetir. Achei que poderia lembrar aquela monótona e infindável sequência de “jogos do contente”. Ia assim, “quero me cercar de pessoas do amor e da amizade e construir uma Roda da Felicidade (!)”. Acho que se a verdadeira Poliana a ouvisse, a acharia too-much-Poliana!

A outra é a profissional, a Coach.

Quem me conhece, sabe da minha ojeriza a frases prontas, frases formais que impactam, mas pouco ou nada transmitem além de seus sons. Não comunicam. São palavras, soam como palavras, mas são vazias de envolvimento.

Bla Bla Bla ...

Bla Bla Bla …

A tal Coach-de-Prateleira soa como um livro-falante. Mas que inveja! Linda, calma, tranquila, serena, plácida. E de sua linda boca saem dezenas, centenas de palavras, todas perfeitamente ordenadas, harmônicas, com sujeito, predicado, conjunções verbais e adverbiais, dois pontos, travessão, notas de rodapés e páginas numeradas. Tudo parecia estar saindo de alguma apostila-de-como-se-tornar-coach-em-15-minutos. Expressões faciais: zero! Mas linda, linda!

Deduzi que esse jantar era a primeira reunião delas ao vivo. A química foi perfeita! Ali mesmo fecharam o negócio e selaram as sessões de coach. E, dali para frente, elas viverão felizes em suas Rodas de Felicidades!

Deixando de lado a chacota, quero esclarecer 2 coisas. Primeiro, fiquei extremamente incomodada com o fechamento do negócio. Segundo, pra quem não me conhece, nada tenho contra o exercício de coaches, nem de mentores. Poucas pessoas têm tantos amigos que desempenham essas profissões, como eu. São tantos, que quando me pedem indicação, me dou ao luxo de discorrer sobre seus distintos estilos. Conheço até coach antroposófica!

Fico pensando se a tal cliente, ouvindo a tal coach em outro contexto, enxergaria a falcatrua, a barbaridade da situação. Se se revoltaria tanto quanto eu.

A analogia que me passa pela cabeça é a pessoa desesperada que sai à procura de igrejas milagrosas. Vai encaixar, não vai? A fragilidade é tamanha, que as vãs frases feitas dos bispos-falantes marcam um golaço, em poucos minutos. Nada bate uma verborragia comprovada.

Tem solução? Como um cliente pode fazer uma melhor escolha usando uma lente objetiva? Minha sugestão é terceirizar essa objetividade, essa sensibilidade, e cheguei a uma solução que acredito simples e bem prática: leve um amigo junto com você.

Ah, se ela tivesse me levado naquele almoço! Te digo, com essa coach-de-prateleira é que ela não fecharia suas sessões. Não mesmo!

Num mundo complexo como o que estamos vivendo, energizar a carreira e a empresa com coaches e mentores é um impulso fenomenal para as nossas vidas e trabalho.

Não tenha pressa. Fuce. Você merece o melhor profissional. E você não achou o seu suado dinheirinho na rua. Comunicar não é falar. Abaixo o bla bla bla. 

 

Tags: , , , , , , , , , ,

Posts:

leave a comment