VIAGENS


19
Sep 15

O CANAL LONDRES apoiou. Falta você!

www.canallondres.tv

www.canallondres.tv


O site CANAL LONDRES APOIA O CROWDFUNDiNG pra me levar a participar da Conferência “Antecipando 2040”.

O Canal Londres é uma tv online com vídeos sobre os brasileiros em Londres e na Europa. É um canal premiado pelo seu conteúdo de mini-documentários, arte, música, dicas e roteiros turísticos europeus para brasileiros. Ganhou o 2º. lugar no Top 100 International Exchange & Experience Blogs 2010. E o Brazilian International Press Award 2014.

FALTA a sua contribuição. Clica, vá?
Contribua a partir de R$10 e eu fico mais perto de Londres 2040!
Obrigada!

FALTAM só 13 dias para 2040! Bóra lá!
Clica AQUI
Já assistiu o novo vídeo?


9
Dec 14

3 futuristas futurando

Jantar de Aniversário, 14 março 2014, NYC. Robert, Doug e Beia

Jantar de Aniversário, 14 março 2014, NYC. Robert, Doug e Beia

No começo de 2014, decidi que no aniversário de 60 anos iria viajar. Básico. Viajar é a melhor coisa do mundo, porque tudo que é maravilhoso na vida fica ainda melhor em viagens: namorar, beber, comer, fazer nada, conhecer e aprender. Nesta data especial quis aprender. E aprender comendo, bebendo, fazendo lhufas e conhecendo. Desta vez não teve namorado, snif. Foi em março deste ano. Apenas 2 destinos: New York e London.

Giacomo Balla, Futurismo Italiano - vanguarda artística altamente estética e políticamente radicalizada.

Giacomo Balla, Futurismo Italiano – vanguarda artística altamente estética e políticamente radicalizada.

Em NYC para comemorar o aniversário com amigos e visitar a exposição multidisciplinar do Futurismo Italiano (1909-1944), no Guggenheim. O começo da minha viagem para o futuro. Futurando desde a 2ª. guerra mundial.
De lá, direto para a Conferência Antecipando 2025, em Londres.
Decisão inspirada e timing perfeito. Amigos, Conhecimento e Novos Amigos.

Conferência Anticipating 2025, London 2014.

Conferência Anticipating 2025, London 2014.

Na conferência, convivi intensamente com pessoas que desde então vejo citadas como referência do grande assunto de todas as agendas: o futuro. David Levy (Amor com Robôs), Natasha Vita-More (Transhumanismo) e Aubrey de Grey (Longevidade) e o futurista Rohit Talwar – a inspiração deste post – são alguns das dezenas de personalidades futuristas daqueles dias londrinos.

Rohit abriu os trabalhos e me apaixonei, imediatamente. No coffee break, eu e uma horda de gente fomos falar com ele. Ao ouvir “Brazilian”, se virou e disse: eu adoro o Jose Cordeiro”. E eu ali, com aquela cara de conteúdo (Who the F* is Jose Cordeiro?). O que me lembro é que tive instantânea e total atenção da celebridade do momento. Rohit falou e falou sobre o venezuelano Jose Cordeiro, que era Conselheiro Fundador da área de Energia da Singularity University/NASA, Professor convidado do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e isso e aquilo e mais um quilômetro de curriculum. Findo o break, é hora de voltar para a conferência.

Adiante o seu relógio para 4 meses depois e se situe no Rio de Janeiro. Estou fazendo a abertura do 3º. Seminário de Inovação, porque o convidado internacional que abriria o evento se enroscou no aeroporto. Quem irrompe no recinto? Sim, ele, Jose Cordeiro. Foi um encontro rápido e marcante, que me deixou muito impressionada com toda aquela sincronicidade.

Vamos dar mais um salto à frente, 5 meses depois, estamos Jose e eu no mesmo palco. Desta vez num evento só nosso sobre Inovação, tecnologia e Energia. Os 2 ali, alternando o palco. Dá para acreditar? 

Futuristas Beia Carvalho & Jose Cordeiro no Evento da Rio Tinto Alcan, 2014.

Futuristas Beia Carvalho & Jose Cordeiro no Evento da Rio Tinto Alcan, 2014.

O que eu esperava ouvir na CONFERÊNCIA “Antecipando 2025”?
Ah, que daqui 10 anos teremos a capacidade de produzir energia solar para todas as necessidades humanas. Que a nanotecnologia e a biologia sintética nos trarão a abundância material. Que testemunharemos a transição do homem 1.0 para o pós-homem ou o transhumano 2.0, muito mais inteligente e com níveis de consciência e conectividade mais altos e muito mais sofisticados.

Que reverteremos os processos de envelhecimento e viveremos indefinida e saudavelmente. E transporemos um sistema educacional exaurido, que coloca as matérias que desenvolvem a criatividade como opcionais. Também esperava compartilhar os temores de que a tecnologia fosse usada para o “mal”, porque os terroristas terão acesso a armas de destruição em massa. Medos de desastres ecológicos por conta de todo este aquecimento global e de novas crises financeiras que venham acometer o mundo.

Encantada, apreensiva, estupefata, desentendida, ouvi a todos estes assuntos. E a muitos outros inesperados como a tese de doutorado Amor e Sexo com Robôs, de David Levy, que faz aniversário no mesmo dia que eu, rs. Param por aí as coincidências. Levy é Mestre internacional de xadrez, responsável pelos primeiros experimentos com inteligência artificial (Deep Blue) e envolvido com os mais recentes também, e escreveu mais de 40 livros. Imprevisível também foi ouvir sobre biologia quântica, que não faço a menor ideia do que seja, mas parece que será responsável pelo implante da vacina contra o câncer. E ficar fascinada com a incrível nanotecnóloga Sonia Contera dizendo que apenas 2% dos nossos genes são formados pelo tão aclamado DNA. “O resto nós não sabemos!”.

Ao recontar essa história 9 meses depois, tudo parece tão mais perto e mais familiar que no momento que comecei esse artigo. Relembro de Rohit Talwar dizendo que a incerteza é o novo normal, que a educação online e de graça vai mudar todo e qualquer jogo, e que se você não quiser jogar o jogo do momento, que invente outros.

Fui aprender. Trouxe comigo um montão de dúvidas. Um mundo de horas estudadas e já mastigadas por esses PhDs. Que se transformaram em novos e interessantes insights sobre o futuro. Sobre o que podemos fazer, no presente, para catapultar.

Aprendi com esses futuristas que futuram, que veem o porvir com bons olhos, que temos que lutar para fazer as coisas acontecerem bem. Que o desenvolvimento tecnológico tem que pensar nos homens deste planeta, em primeiro lugar. E não em alguns poucos homens, sempre.

Amor+Sexo com Robôs, David Levy

Amor+Sexo com Robôs, David Levy

Notas:

Guggenheim Museum: www.guggenheim.org/new-york/exhibitions/past/exhibit/5354

Giacomo Balla: pt.wikipedia.org/wiki/Giacomo_Balla

Singularity University/NASA: www.SingularityU.org

Jose Cordeiro: Conselheiro Fundador da área de Energia da Singularity University/NASA: www.cordeiro.org

Rohit Talwar: CEO da Fast Future Research: www.fastfuture.com

Beia Carvalho: Palestrante futurista e Presidente da 5 Years From Now®: www.5now.com.br

Evento Antecipando 2025 promovido pelo London Futurists, David Wood, presidente da Delta Wisdom.

Seminário Inovação Muzy, Cordeiro, Beia, Gustavo Caetano, Lindalia Reis e Pedro Moneo

Seminário Inovação Muzy, Cordeiro, Beia, Gustavo Caetano, Lindalia Reis e Pedro Moneo

 

Matéria no PropMark sobre o Evento na Rio Tinto Alcan

Matéria no PropMark sobre o Evento na Rio Tinto Alcan

___________

 


14
Jul 14

Não é aeroporto. É Porto Espacial. E é em 2018!

Porto Espacial em 2018

Porto Espacial em 2018

O reino Unido planeja anunciar amanhã, 15 julho 2014, o primeiro Porto Espacial que estará em operação já na próxima Copa em 2018.

Isso permitirá a empresas como a Virgin Galactic lançar viagens de turismo ao espaço de dentro do próprio Reino. Informou o The Guardian. São 8 as áreas especuladas para o porto: Bristol, Norfolk, norte da Escócia e Outer Hebrides.

Em 2020, a gente vai olhar pra hoje – 5 anos atrás – e não vai acreditar no que a gente acreditava nos primórdios de 2015!

 

NOTA:
matéria completa em The Verge/ The Guardian: http://tinyurl.com/o43qejg


19
Jun 14

Zelite Branca

Chico Anísio em Escolinha do Professor Raimundo

Chico Anísio em Escolinha do Professor Raimundo

Viver num mundo que cresce de forma exponencial é enervante, fatigante, debilitante, extenuante, árduo, exaustivo. Exige de nós, cidadãos desta nova era, muito de tudo: muito mais trabalho, muito mais dedicação, mais conhecimento e muito, muito mais estudo.

Por isso, EDUCAÇÃO é um dos 15 Desafios Globais classificados pelo mais respeitado e influente relatório sobre o futuro da humanidade, o State of the Future 2013-14*. Porque a Educação constrói uma humanidade mais inteligente, detentora de mais conhecimento e mais sábia para compreender e enfrentar os desafios globais.

Por exemplo, como vamos suprir a necessidade crescente de energia com segurança e eficiência para todos? Como equilibrar o aumento da população e recursos? Como diminuir o abismo entre pobres e ricos, e o status da mulher? Como impedir as redes transnacionais do crime organizado de se transformarem em empresas globais ainda mais poderosas e sofisticadas? Como fazer chegar água potável a todos os habitantes do planeta sem conflitos?

Quando a Educação figura ao lado de gigantescas tarefas como energia, água potável, crime organizado transnacional, dá para entender a sua colossal importância. Mas tem mais! Os futuristas ainda colocam a Educação acima delas – como um “caminho”, a chave para se chegar à solução, senão de todos, de alguns desses 14 hercúleos desafios que o futuro nos impõe.

Posto isso, eu desafio o ditado que “uma mentira repetida mil vezes se torna verdade”. Não me importa quantas mil vezes o cidadão Sr. Lula repita essa lamentável frase. “Comeram demais, estudaram demais e perderam a educação”*, ela não se tornará verdade para mim. Muito menos para o mundo que propõe o oposto. Estudar cada vez mais e interconectar conhecimentos tem a ver com as nações que querem ver seus cidadãos dando as cartas no futuro próximo.

Não se tornará verdade, talvez porque eu faça parte das “zelite branca”: sou descendente de paraibanos, índios, portugueses, alemães, árabes e judeus. Ou porque sempre fui 1a. da classe. CDF. Tirei 10 em todas as matérias do vestibular com exceção de matemática. Sou trilíngue. Estudo todos os dias. E estou estudando agora para escrever este artigo.

Boliviana carregando seu bebê vota durante eleições nacionais Boliviana carregando seu bebê vota durante eleições nacionais.

Peguei um trem em São Paulo e fui até New York por terra, nos anos 1970. Conheço 3 continentes, 30 países, centenas de cidades em todo o mundo e nunca, jamais em todos os meus 60 anos conheci uma família – nos cafundós da Bolívia, Peru; na Colômbia caótica pelos conflitos entre cartéis da droga; num El Salvador em pé de guerra; numa Belize paralisada pelos cortadores de cana; no Panamá militarizado; na “Suécia sul americana”, a Costa Rica; Guatemala e México, em todos os subempregos que tive nos Estados Unidos, e em todas as famílias que conheci na Europa, ricas, pobres e remediadas – pais que não almejassem, desejassem e se sacrificassem para dar estudo para os seus filhos. Quanto mais e melhor, melhor.

Como futurista, quero líderes que pensem nos homens deste planeta em primeiro lugar. E não em alguns poucos homens, sempre.

Senhor cidadão Lula, afasta de mim esse cálice.

NOTAS:

Obrigada, Malu Moraes, amiga, professora e cidadã guerreira pela Educação.

Relatório Anual State of the Future 2013-14

Relatório Anual State of the Future 2013-14

I- 15 Desafios Globais pelo relatório State of the Future 2013-14.
1. Desenvolvimento sustentável e mudanças climáticas
2. Água potável
3. Equilíbrio populacional e recursos
4. Democracia
5. Previsões globais e tomada de decisões
6. Convergência global de TI
7. Abismo entre pobres e ricos
8. Ameaças na Saúde
9. Paz e Conflitos
10. Status das mulheres
11. Crime organizado transnacional
12. Energia
13. Ciência e Tecnologia
14. Ética global.
15. Educação para uma humanidade mais inteligente, detentora de mais conhecimento e sábia para compreender e enfrentar os desafios globais.

II – Estudar não é feio, artigo de Miriam Leitão, em globo.com, 17/6/2014

III –  Lula conquistou a Copa da Cretinice, artigo de Augusto Nunes, em VEJA, 18/6/2014 

IV – Cálice, Chico Buarque e Milton Nascimento


4
Mar 13

“It’s the goddamn Grand Canyon!” ?

Empreender é assim como esse vídeo: emocionante, vibrante, exagerado, experiencial, instigante, intrigante, fodástico, orgasmático, intenso, incrível, inimaginável, impensável, incomensurável, fabulous e dá um PUTA de um MEDO! Ah, e vale!

Algumas coisas na vida tem que ser vividas de corpo e alma. Não dá pra sentir sua grandiosidade nem mesmo na telona do cinema. Antes de conhecê-lo, não entendia a fixação dos americanos em mostrar filmes produzidos no Grand Canyon. Ao contrário de outros assuntos, quanto mais se sabe, menos impressionante nos parece. Moldado pelo rio Colorado durante milhares de anos, tem 446km de comprimento, 30km de largura e 2km de profundidade. Uma das 7 maravilhas do mundo, habitado por 5 tribos indígenas, os Hopi, Navajo, Havasupai, Paiute and Hualapai, e aí?

Do Planeta dos Macacos, à genialidade de Thelma & Louise, (“It’s the goddam Grand Canyon!” ?responde Susan Sarandon à Geena Davis), nada se compara ao estar lá. Por isso, o espanto de Louise não nos causa a empatia pretendida pelo diretor que ali está – embevecido por um dos mais inesquecíveis espetáculos: o amanhecer no Canyon.

A minha (recomendada) caminhada ladeira abaixo de 13km até o rio Colorado, começa às 4h da manhã. E você tem só até às 9 pra chegar lá embaixo, antes do sol te comer viva. Paramentada com tudo de especial, meias, botas, cantil e amendoim pra dar sede e você não se esquecer de tomar água. O canyon é um deserto, você não sua, porque não há umidade no ar. E isso faz você se esquecer de ingerir líquidos. Pelo caminho, esquilos, bambis, águias vaondo com uma cobra no bico e cores. Muitas cores. A cada 10 minutos rochas mudam de cor. E mudam de novo e mais uma vez. Mais de 7 km chutando pedra e uma parada no oásis: sombra de árvores e água potável. Ah, que benção é o oásis. Descansou? Bóra enfrentar o restinho que falta: um pequeno e interminável deserto de areias fofas. Já é de manhã, o sol rachando na cabeça. A bota afunda a cada passo e pesa 1 tonelada pra sair da areia. A mochila, 2!

Já dá pra vislumbrar ao longo da trilha as águas do Colorado, enquanto os pés chafurdam pesadamente na areia incandescente.

Agora só falta atravessar a ponte. Parece miragem. Nunca chega. Mas chega. Arranco as meias e botas e mergulho os doloridos pés, já com bolhas, no escuro e deliciosamente gélido rio Colorado. Ah o paraíso existe! A volta, só amanhã de madrugada. Fico ali, catatônica. Pés estraçalhados dentro da água, contemplando o verde. Amanhã tem mais ocres, marrons e azuis, sem verdes.

Contemplação, “otium” [ócio], “uma forma de lazer dedicada às coisas do espírito”*. Momentos em que a mente se alimenta. Jamais esquecerei aquele dia. Grandes idéias vem deste “verdadeiro repouso”*, uma pausa para o “negotium” [o comércio].*

Quando John Powel dirigiu a primeira expedição ao desfiladeiro, em 1870, referiu-se ao Canyon como “páginas de um belo livro de histórias”. É incrível como há coisas incríveis que fazem uma incrível diferença nas páginas do belo livro da história das nossas vidas. Coisas que fazem a vida valer incrivelmente a pena de ser vivida.

Grand Canyon & Beia Carvalho

Grand Canyon & Beia Carvalho

Grand Canyon & Beia Carvalho

Rio Colorado: enfim o descanso dos justos. Grand Canyon & Beia Carvalho

Notas:
-Todos os créditos do vídeo neste link: World’s Most Insane Rope Swing Ever!!! – Canyon Cliff Jump
Música do vídeo é “Kitten Air” do novo álbum do Scott & Brendo, aqui no iTunes: http://bit.ly/15I54vR .Amazon:http://amzn.to/ZGWMnh

– * Marc Fumaroli, professor honorário do Collège de France, no Le Monde.
Texto originalmente publicado na Revista Results On Negócios Inteligentes, em maio 2009.