Mulheres


30
Apr 16

Banho de Cachoeira: tô precisando. Tu também?

Beia Carvalho fala de Inspiração, no PropMark

Beia Carvalho fala de Inspiração, no PropMark

Palestrante futurista conta que seus maiores inspiradores são os próprios clientes: “Um porque me provocou, outro porque levantou a minha bola…”.
(Publicado no jornal PropMark de hoje, 30abril2016, na coluna Inspiração).

Você começa a se perguntar e num instante já está imerso em conceitos facilmente misturáveis: intuição, criatividade, conexão milagrosa, epifania?

Você pode se sentir profundamente inspirado, verdadeiramente impelido a alguma forma de criação e, por um ou dez motivos, isso não se realizar. Então, acho que a criatividade, no sentido de conceber e prototipar, é um passo esperado por quem se sente inspirado, porém não está umbilicalmente ligada à inspiração.

Dizem que o que te inspira tem a ver com o que você previamente já conhece do mundo. Sejam essas coisas reais ou imaginárias. Eu tendo a concordar com essa levada. Porque minha inspiração vem sempre de uma coisa que eu quero conhecer mais, que eu discordo, que eu queria gritar para o mundo e ouvir o que as outras mentes pensam. Então, imagino que o que me irrita e me inspira a escrever, a me aprofundar e jogar numa conversa com amigos, com os meus filhos, são coisas que de alguma forma conheço.

Li que a Dra Cynthia Sifonis, descobriu que, ao pedir para os participantes de sua pesquisa para criar e desenhar animais alienígenas de um distante planeta totalmente distinto da Terra, as pessoas desenhavam animais baseados em gatos e cachorros, com simetria bilateral e órgãos de sentidos como olhos e orelhas.

Ícaro Verniz, sócio da Fenix Editora

Ícaro Verniz, sócio da Fenix Editora

 

Nunca pensei que diria isso. Mas os maiores inspiradores da minha atual carreira de palestrante foram os clientes de minha Consultoria 5 Years From Now®. Um porque me desafiou, outro porque me provocou, outro porque levantou a minha bola. Meu primeiro tema de palestra, se encaixa neste último caso. A palestra sobre as 5 Gerações no Mercado de Trabalho é a que eu mais ministrei até hoje, e tem 7 anos! Ícaro Verniz foi taxativo: “nunca ouvi ninguém falar de gerações como você fala. Você tem que montar uma palestra sobre isso!”

Silvana Torres, presidente da Mark Up

Silvana Torres, presidente da Mark Up

 

O que me desafiou a criar o tema da inovação foi bem complicado. Silvana Torres, não me inspirou de imediato. Plantou. E quanto mais eu pensava, mais aquilo me incomodava. Até que um dia, aquela coisa: a tal conexão, um siricutico dentro de você, um desconforto confortável. Um ímpeto. Uma coragem. Uma energia súbita. Um toque. Não vou parar até chegar ao fim disso. E nasceu a palestra INOVAR ou MORRER. Dos meus temas, o segundo mais pedido.

A provocação veio da Endeavor. Que meninos e meninas mais adoráveis! Oliver Alexander e Felipe Braga queriam que eu falasse do Futuro Conectado para empresários, no formato TED. Estamos falando do início de 2011. Uma palestra de 29 minutos era muito ousada! Ontem fiz uma de 4 minutos. Exponencialidade!

Se as minhas palestras surgiram da inspiração de fora, meus artigos, minhas viagens, vídeos seguem a mesma toada. Em termos de inspiração própria eu sou bem medíocre. Se não fossem pelos amigos, clientes, fotos, filmes e pelas notícias, eu ficaria sentada no pudim.

Marcello Queiroz me inspira há 25 anos!

Marcello Queiroz me inspira há 25 anos!

 

Quando eu era pequena, meu apelido era manteiga derretida, porque eu chorava fácil. Em se tratando de falar com autoridades – diretoras de escola, pais etc – sempre fui a spokeswoman. Mas nos sentimentos, buá! Por isso, acho que os filmes e as fotos tem grande efeito sobre mim até hoje. Continuam a me inspirar e são meus instrumentos para inspirar outros.

https://youtu.be/ojdbDYahiCQ
Acho que o mais importante eu ainda não falei. Normal, não é? A gente fala, fala e esquece do principal. Ciente do que te inspira, cuide de levar uma vida rica de elementos, sinais, sons, cheiros, frios na espinha, luzes enigmáticas, cores triunfantes, abraços sensuais, banhos de cachoeira(tô precisando de um), poetas russos, balés pina bauscheanos, Amys e todos os motivos do Tim-Maia-Me-Dê-Motivo.

E hoje, indo ao supermercado, encontro Evandro, poeta amigo, que diante da lama que nos atinge disparou em pleno ponto de ônibus: “Deus … que diabo é você?”. E me levou a pensar no escritor mais amado de meus pais, Machado: “O acaso … é um Deus e um diabo ao mesmo tempo.”

Andy Warhol, Detroit, 1985, Inspira.

Andy Warhol, Detroit, 1985, Inspira.


6
Mar 16

Facão e o Dia da Mulher

Facão e o Dia da Mulher

Facão e o Dia da Mulher

Mulheres são fundamentais, mas ainda abrem caminho com facão.

Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

E a minha expressão ‘facão” virou a manchete da matéria!
Leia aqui a minha entrevista completa para a Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

Valeu PropMark!

Beia Carvalho, presidente da 5 Years From Now®, é outro exemplo feminino que abriu caminhos à força. “Acho que tenho um caminho aberto com facão. Fui sócia durante 15 anos de cinco homens. Isso não é comum, não é um bolinho crocante. Foi um aprendizado. Uma minissociedade é reflexo da sociedade com seus dramas, problemas e problemáticas.”
O desafio dela foi abrir o próprio negócio e partir para o desconhecido. “Faço as pessoas pensarem no futuro. Abri essa picada para explicar uma coisas que não existe com uma metodologia baseada em jogos num mundo em que as pessoas tendem a ser mais formais.”Uma das maiores batalhas é a falta de apoio para abrir frentes e desbravar novos caminhos. Beia fica impressionada como a sociedade, de uma forma geral, e as as mulheres de forma específica, não têm apoio para inovar. “As pessoas acham que você está louca”, diz. “Parece que a sociedade não quer você empreendedora. A sociedade não te fortalece para ter esse aval de empreender na vida. Acho que isso é a maior batalha.”

Uma das maiores batalhas é a falta de apoio para abrir frentes e desbravar novos caminhos. Beia fica impressionada como a sociedade, de uma forma geral, e as as mulheres de forma específica, não têm apoio para inovar. “As pessoas acham que você está louca”, diz. “Parece que a sociedade não quer você empreendedora. A sociedade não te fortalece para ter esse aval de empreender na vida. Acho que isso é a maior batalha.”

O comercial abaixo tem legendas em inglês, mas dá pra entender muito bem, tim tim por tim tim. Porque esta é a vida como ela é. Ou como tem sido para a maior parte das mulheres do mundo, em todas as classes sociais.

Com expertise para provocar reflexão, inspirar a ousar, criar e inovar, Beia acha importante questionar o que as mães estão ensinando aos seus filhos. “Quando as mulheres aprenderem a criar seus filhos como ‘pares’ de uma mulher e não ‘chefes’, aí, sim, teremos uma sociedade mais igualitária. Nós, mulheres, temos de nos reeducar, educar nossos filhos com essa perspectiva e, principalmente, continuarmos a desfilar pelo mundo, trazendo a paz a compreensão e a beleza por onde passarmos”, opina. No fundo, o que as mulheres querem não é a igualdade, mas sim, equidade. Equiparação. “Não faz sentido que uma mulher ganhe menos que um homem. Eu nunca passei esse perrengue, mas isso sempre me chamou a atenção”, declara Beia.

Sempre me causou espécie o fato que países considerados não-machistas, os países nórdicos por exemplo, também praticarem a desigualdade de salários.
Isso leva essa discussão a um nível muito mais complexo e profundo, já que sempre que se aponta a desigualdade , se força a barra no machismo latino.

Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

CAPA da Edição Especial do PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Texto da minha entrevista para o PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

Texto da minha entrevista para o PropMark em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

MATÉRIA de Ana Paula Jung, publicada no jornal PropMark, março 2016.


6
Feb 16

Vivam as Mulheres. Abaixo os Grupos de Mulheres!

Mulheres & Homens. Nepal.

Mulheres & Homens. Nepal.

Sempre tive problemas em compreender ou fazer parte de grupos exclusivos por gênero, raça. Nunca recebi uma boa explicação intelectual. É uma aversão natural. Uma ojeriza, mesmo. Sendo mulher, tenho sido continuamente convidada – ou, nestes tempos de redes sociais, simplesmente incluída, à minha revelia – para grupos de mulheres. Participei de algumas reuniões nesses grupos. Não gostei do que vi, nem do que ouvi. Se me coloquei e tentei mudar o que não gostava? Não. Se insisti até colher resultados? Não.

Eu acredito em grupos que são formados com um propósito e com diversidade. De gênero, idade e influência social, política, intelectual. Enfim, diversidade na veia. Morei nos Estados Unidos à época das cotas escolares para negros. E pude presenciar, ao longo de décadas, as distorções e o acirramento “black & white” que essas segregações causam. Fui contra a aplicação das cotas no Brasil até recentemente, quando meu amigo e atinado critico político-social Jayme Serva me convenceu que, se aplicadas por período seriamente predeterminado, com políticas para começo, meio e fim das cotas, poderiam ser uma arma de grande sucesso para reparar as cruéis injustiças sociais causadas pela desumana escravidão. Enfim, continuo contra, a menos que tenha essa linha de tempo estabelecida.

Nossa maior força está em levar diversidade para outros grupos

Nossa maior força está em levar diversidade para outros grupos

Voltando às mulheres. Recentemente, esses convites, reuniões e tentativas de convencimento se tornaram mais e mais frequentes. E me forçaram a ter uma opinião mais qualificada sobre essa minha oposição. Seria um capricho de minha parte?

Faço uma pausa aqui para confessar que, se as pessoas não me provocassem, acho que ficaria o dia inteiro assistindo filmes e fazendo nada. Desta vez, a provocadora foi a editora Nilceia, que está à frente do grupo Mulheres que Decidem.

Fui pesquisar e achei 2 ótimos artigos. O primeiro mais focado no networking de grupos de mulheres. E o segundo, fantástico, fruto de experiências do cientista social Thomas Malone no assunto Inteligência Coletiva.

O título do artigo de Meghan Casserly, na Revista Forbes, cativou minha atenção de imediato: “Por que Grupos de Networking de Mulheres Fracassam?” Ela, como eu, também se sente incomodada em frequentar esses grupos e propõe uma questão: “Será que grupos de mulheres podem ajudar uma jovem a invadir o Clube dos Meninos, mesmo se tratando de grandes redes?” Para responder, Meghan cita o post que leu na HBR, do blog de Athena Vongalis-Macrow. Athena pede que façamos 3 perguntas antes de nos juntarmos e colocarmos nossa energia para que um grupo funcione.

1. Quem está na rede?
A melhor receita de rede é aquela que tem uma parte de mulheres com recursos e bagagem profissional colecionados através do tempo. Outro terço de “bibliotecárias”, aquelas com as últimas e mais pertinentes informações e dados; e, finalmente, as Boas Samaritanas, que estão lá para ajudar em todas as situações. Segundo a IDEO, é esta combinação desejada: recursos, informação e boas intenções. E Athena ainda nos provoca: faltou algum desses elementos? Pula fora!

2. É uma rede que se conecta bem?
A conexão flui entre uma reunião e outra ou é aquela coisa de se encontrar uma vez por mês? Você se sente desconfortável em acessar aquela superexecutiva do grupo, porque ela pode achar você uma chata ou invasiva?

3. A rede tem uma comunicação funcional?
Isto é, suas frustrações e desapontamentos serão acolhidos e ouvidos? Alguém se voluntariará a ajudá-la com um novo caminho ou a prevenir que você exploda?

E Meghan adicionou mais uma:
Com quem você está falando?
Networking não é chamado de “escada corporativa” à toa. Networking é estar próximo do poder. A qualidade e a velocidade com que você sobe essa escada tem a ver com a qualidade das conexões que os membros de seu grupo têm e cultivam. Grupos de mulheres que pertencem a vários outros grupos são capazes de importantes novas conexões.

Com essa última reflexão de Meghan, chego mais perto do que acredito. É a diversidade que nos engrandece, que nos empurra para novos territórios, novas experiências, novos conhecimentos, novos ensaios. Novas vidas.

Eu reconheço que nós mulheres temos muitas causas a serem lutadas e vencidas. Algumas ainda a serem formuladas. E muitas delas, como o feminicídio, têm os homens como nossos algozes. Mas acredito que seja com eles, e não com a exclusão deles, que venceremos.

Por fim, o sensacional estudo de Malone, que abordou homens e mulheres entre 18 e 60 anos, aleatoriamente divididos em grupos, aos quais foram aplicados vários testes: de inteligência, exercícios de brainstorming e tomada de decisões, quebra-cabeças e um problema realmente complexo para ser resolvido pelo grupo. Quais grupos foram considerados os mais inteligentes? Aqueles que tinham pessoas com os mais altos QI? Não. Os grupos que tinham mais mulheres!

Assista o vídeo com Thomas Malone sobre Inteligência Coletiva

E neste link o cientista em entrevista à Harvard Business Review:
https://hbr.org/2011/06/defend-your-research-what-makes-a-team-smarter-more-women/ar/1

A pesquisinha valeu, não é? Em todos os casos, me parece que Meghan, Atena e Thomas nos fazem ver que uma sonora diversidade faz jus à sua fama da nova era.

Se você quer usufruir de inteligência coletiva superior, aqui está a receita: produza um grupo com diversidade de pessoas e vá adicionando mais e mais mulheres, até que elas sejam a maioria no seu grupo. E aqui está a cereja do bolo: grupos excepcionais tem participantes que ouvem uns aos outros. Fecho este artigo com esta citação de Thomas Malone:

“Teoricamente, sim, as 10 pessoas mais inteligentes deveriam formar o grupo mais inteligente, mas não apenas porque eles são os indivíduos mais inteligentes. Mas porque grupos excepcionais ouvem uns aos outros. Eles compartilham as críticas de forma construtiva. Eles têm mentes abertas. Eles não são ditatoriais. E, em nosso estudo, vimos muito claramente que grupos que tinham pessoas inteligentes dominando as conversas não eram os grupos mais inteligentes.”

NOTAS:
1) Meghan é ex-editora da Revista Forbes e atual Relações Públicas na Google.
Why Women’s Networking Groups Fail, de Meghan Casserly.
Acesse: The Value of Your Networks, de Athena Vongalis-Macrow
https://hbr.org/2012/06/assess-the-value-of-your-network

2) Thomas W Malone é catedrático da MIT Sloan School of Management e diretor-fundador do Centro para Inteligência Coletiva do MIT. Também diretor-fundador do Centro para Coordenação de Ciências do MIT e um dos dois cofundadores da iniciativa do MIT em Inventar Organizações para o século 21. Anita Woolley é sua assistente.

Beia Carvalho
*Palestrante futurista
beia@5now.com.br


4
Feb 16

CONQUISTAS DAS MULHERES PELAS GERAÇÕES

Dia Internacional das Mulheres

Dia Internacional das Mulheres

Beia Carvalho pode falar das Conquistas da Mulheres através das gerações, porque entende de Gerações, é mãe de 2 filhos, avó de 2 netos, foi executiva e já empreendeu 4 vezes!

Faltam 25 dias para o dia 8 de março.

Quem sempre fala pra todo mundo, vai falar diretamente com as mulheres no mês da comemoração do Dia Internacional das Mulheres e do aniversário da palestrante também.


3
Jan 16

These Are the Good Old Days!

Deborah, Beia, Angela e Mira.

Deborah, Guida e Mira no alto, Beia e Angela no primeiro plano.

Do que a gente falou?

Falou de um tempão atrás, tínhamos entre 11 e 13 anos. Batíamos o Brooklyn inteirinho de bicicletas, que naquela época ainda não se chamavam “bikes”. Íamos tomar sorvete de graça na fábrica da Kibon, fazíamos picnic onde hoje deve ser a Berrini e, lógico, passávamos horas em quartos falando, falando, falando.

Hoje, não foi diferente. Lembramos do Morumba’s, da avenida do mesmo nome. Eu passava as férias na casa da prima, aqui em São Paulo e adorava o hambúrguer, inexistente naquela época, na terra do Bauru. Também lembramos do Meninópolis, nome que eu achava engraçadíssimo para ser nome de Colégio. Do Peg&Pag, da Avenida Morumbi. E daquela Bar do Alemão, que ficava na Travessa Conselheiro Saraiva, onde todas nós nos conhecemos. E onde eu experimentei Paprika Schnitzel pela primeira vez. E que foi, por muito anos, meu prato alemão predileto.

Namorados de Adolescentes

Ah, e os namorados! Ah, e os irmãos dos namorados! Ah, e o muitos e muitos suspiros por um especial namoradeiro e que namorou as namoradeiras. Falamos de casamentos, descasamentos, abortos, filhos e netos, cachorros e gatos. Ilusões e desilusões.

Fabio Jr de longas madeixas

Fabio Jr de longas madeixas

Eu invejava a prima da Ângela, aquela estupenda chinesa dos desfiles da Rhodia, fruto da cabeça genial de Livio Rangan, diretor de publicidade da Rhodia. Mailu era um arraso! É a de verde no centro da página.

Revista Manchete, Modelos Rhodia, 1970

Revista Manchete, Modelos Rhodia, 1970

Mailu é a de rosa na foto abaixo.

Modelos Rhodia

Modelos Rhodia

Modelos-Rhodia
Good old days: não os quero de volta. Não prefiro ter hoje aquela idade. Aqueles tempos tinham muita coisa boa. E tinham também todos os grilos de sermos adolescentes. Vivi minha infância intensamente nas ruas de Bauru, jogando búrica, brincando de mocinho, de queimada. Viajei sozinha e com minha prima. Fui em todos os bailinhos e bailões. Namorei e namorei. Chorei por cabelos. Me descabelei por narizes e namorados. Foi bom demais.

E hoje foi o dia de viver um dia que será, junto com os outros que virão, os Good Old Days!

Feliz 2016!

Obrigada prima Deborah por nos reunir. Obrigada Mira pelo almoço. E obrigada Angela e Guida pelo papo.


18
Nov 15

Futuro, Disrupção, Beia Carvalho e Estadão

Beia Carvalho entrevistada no Estadão, evento Eurofinance, nov 2015.

Beia Carvalho entrevistada no Estadão, evento Eurofinance, nov 2015.

Abrir o Estadão e dar de cara com sua entrevista.

É, não tem preço. É demais! Ler todos os elogios dos amigos, conhecidos e desconhecidos nas redes sociais, também não tem preço. E pra coroar, tem a declaração do seu primogênito:
“A vida inteira as pessoas me falaram ‘Sua mãe é demais!’, e por muito tempo (na adolescência principalmente) eu não dei muita bola. Mas agora que eu tenho acesso à internet, descobri que ela é realmente demais! Parabéns, mã! Você é demais!!! (e sem aspas!).” E chega de autopromoção, aqui está a entrevista.

Futuro das corporações depende da força de inovar

A publicitária Beia Carvalho fundadora e presidente da empresa 5 Years From Now, pesquisa o futuro e os rumos das inovações. Durante o evento da Eurofinance sobre Gerenciamentos de Riscos, ela apresentou a palestra “O futuro é agora. Planejamento para a disrupção”. Leia a entrevista:

Dizem que 2016 será um ano pior do que 2015. As demissões continuam em ritmo acelerado e o custo de vida sobe. Nesse cenário, em que as pessoas e as empresas estão mais preocupadas em sobreviver, como as companhias devem se preparar para o futuro?
Entender (de verdade) o mundo virtual. Daqui pouquíssimos anos, apenas as gerações que tem hoje acima de 35 anos falarão em mundos on e off-line. Para 20% da população o mundo é um só. O Magazine Luiza, por exemplo, está invertendo a ordem varejista, ao colocar o varejo negócio como um negócio virtual que tem pontos físicos. E não o contrário.

Não sabemos como será a Internet em 2030, mas sabemos que no futuro, não vamos “ligar” a internet. Como diz Ivan Matkovic, da Spendgo, “a internet simplesmente existirá como parte de nossas interações rotineiras. Será como o ar que respiramos. Um componente crítico da vida, mas sua presença não será necessariamente reconhecível ou identificável.”

A conectividade global – a entrada de novos 3 bilhões de pessoas a uma velocidade de 1 Megabit por segundo – vai gerar 6 bilhões de hiper-conectados e trilhões de novos dólares fluindo para a economia global, graças às iniciativas de grandes players como Facebook, SpaceX, Google, Qualcomm e Virgin para 2020. Acredito que as conexões wifi grátis acontecerão até antes do prazo.

Beia Carvalho palestrando no evento da EUROFINANCE.

Beia Carvalho palestrando no evento da EUROFINANCE.

Qual seria esse investimento que as empresas não poderiam deixar de fazer, mesmo com a queda de faturamento? O que a tesouraria e as finanças deveriam ter em mente?
Para quem atua no mundo das moedas, conhecer, aprofundar, aprender e investir na tecnologia que está por trás da moeda virtual Bitcoin. Recomendo o artigo do The Economist e também publicado pelo Estadão sobre a Blockchain, em 31 de outubro. A inovação está em cada aspecto dessa tecnologia que subverte grandes dogmas. Possibilita a pessoas que não se conhecem, nem confiam uma nas outras, construírem uma contabilidade segura e confiável. Sei que em seguida vem a pergunta: como um sistema aberto a consulta, descentralizado, transparente e acessível pode ser ao mesmo tempo confiável e seguro? A resposta é inovação. Este assunto está nas rodas de valor de hoje e continuará na moda quando se projeta o mundo para 2040. Quem souber antes e “infectar” mais e melhor o ambiente, chega no futuro mais rápido. Não creio no conhecimento reservado ao departamento de TI. Acredito sim, na discussão da tecnologia sendo disseminada e compartilhada democraticamente na empresa.

A volatilidade econômica virou norma. Como a tesouraria e as finanças lidam com isso? Há um limite para a política de corte de custos? Como o planejamento pode substituir os cortes?
Quando a volatilidade vira norma, o planejamento não substitui cortes. A perseguição e a ganância por uma nova mentalidade para a empresa são imperativas. Empresas do futuro são aquelas que tem uma arquitetura com espaços férteis para que a inovação brote. Não há garantia que ela dê frutos. Inovar é necessário, não é opção, principalmente quando as crises deixaram de ser eventuais e viraram cena da vida cotidiana. O relatório do Bank of Merrill Lynch de abril de 2015 identifica 3 ecossistemas de disrupção criativa: a Internet das Coisas (7 trilhões), a Economia Colaborativa (450 bilhões) e os Serviços On-line (500 bilhões).

Paradoxalmente, o PIB pode estar escondendo uma economia mais pujante. Segundo o relatório, com o crescimento da Economia Colaborativa, mais transações não são diretamente monetizadas, fazendo a parte incontável do PIB crescer. Isso é um desafio na utilidade das estatísticas dos PIBs. Ou seja, a economia pode ser maior e estar crescendo mais rápido que os números sugerem”.

Em época de crise, a falta de perspectivas sempre abala a confiança no futuro. Imagino que isso seja um problema para as empresas. Como evitar esse cenário?
As empresas devem selar sua suprema parceria: construir plataformas interativas que acolham as discussões, as soluções, as inovações e as invenções com as quais a sociedade está engajada. Proporciona-se um espaço de confiança e esperança, o primeiro um valor, e o segundo um bem, ambos em falta neste enganado e desiludido Brasil. Não é fácil para as empresas criarem esses espaços sem se absterem de subverter a conversa. Tendenciar a conversa seria fatal e a sociedade sumiria desta rede de discussões.

Qual é a mensagem que a senhora gostaria de deixar para os homens e mulheres das finanças?
Conhecer, aprofundar, estudar, aprender mais e mais além e compartilhar.

Beia-Carvalho-EuroFinance_7362 copy

Explique o conceito de disrupção. As empresas deveriam ter uma área de planejamento que fosse além da questão financeira? Como isso se daria?
Uma inovação disruptiva substitui e elimina o que a antecedeu. As empresas tem de investir em espaços permanentes de dissidência ativa, onde ideias heréticas e divergentes possam ser discutidas para serem acolhidas ou destruídas. “Não temos este tempo para perder”, é uma desculpa do século passado. Para começar as empresas precisam entender criteriosamente os conceitos de inovação, imaginação, criação, exponencialidade, recursos finitos e abundância. Muitos destes conceitos estão embolados e servem de bloqueios à inovação. Por isso, é tão fácil falar sobre inovação e tão difícil inovar.

Investir na investigação do futuro, nos leva à poderosa combinação entre inteligência artificial (AI) e a nova safra da robótica, que varrerá da face do mercado 35% dos trabalhadores do Reino Unido e 47% nos Estados Unidos, incluindo postos de colarinho branco, segundo o relatório de 300 páginas do Bank of Merrill Lynch.

NOTAS:
1. Texto da entrevista publicada em 18/11/2015. Publicada no Caderno de Economia e Negócios Estadão e produzida por Estadão Projetos Especiais, para meu cliente Eurofinance.

2. EuroFinance é uma empresa do Grupo The Economist, líder mundial em conferências e seminários sobre gestão financeira e de tesouraria. Realiza mais de 50 encontros na área, em diversos países. Fui convidada a palestrar no evento Gerenciamento Internacional de Tesouraria, Caixa e Riscos para Empresas no Brasil, em São Paulo, 10-11 de novembro 2015, que reuniu mais de 400 profissionais da área financeira. Palestra “O futuro é agora. Planejamento para a disrupção”


16
Nov 15

É MINHA VEZ NA CONFRARIA DOS REPENSADORES

Beia Carvalho é a próxima repensadora a palestrar na Confraria dos Repensadores

Beia Carvalho é a próxima repensadora a palestrar na Confraria dos Repensadores

A Confraria dos Repensadores é o mais novo evento com calendário regular da Rede de Repensadores.

Toda primeira 4ª feira do mês, lá estará um dos 24 repensadores com um tema e um convidado especial.

Assim, os participantes já ganham, de cara, uma dose dupla pra repensar.

A 1ª Confraria trouxe a repensadora Andrea Bisker e sua convidada Brenda Fucutá para discutir o tema Repensando o Sabático, Co:Working & Co:Living.

A 2ª foi na semana passada com a repensadora Nina Campos e seu convidado Edu Seidenthal com o tema Re:Conectando-se co você: Propóstio e Inovação. Foi uma noite incrível! Com muita gente interessante, noite perfeita, foodtrucks em volta e muito vinho branco pra celebrar.

Nina Campos encantando na 2ª Confraria dos Repensadores.

Nina Campos encantando na 2ª Confraria dos Repensadores.

2ª Confraria dos Repensadores com Nina Campos

2ª Confraria dos Repensadores com Nina Campos

2ª Confraria dos Repensadores com Nina Campos

2ª Confraria dos Repensadores com Nina Campos

A 3ª Confraria dos Repensadores será com esta repensadora que vos fala, rs, no dia 9 de dezembro. Ainda estou pensando no tema e em meu convidado, mas semana que vem, já revelo tanto um quanto outro.

Se você ainda não conhece a REDE DE REPENSADORES vai se encantar, assim que conhecer.
Ela INTEGRA PROFISSIONAIS DE DIFERENTES ESPECIALIDADES QUE PERSEGUEM A INOVAÇÃO E CONTRIBUEM PARA O DESENVOLVIMENTO HUMANO E CORPORATIVO. SÃO ESPECIALISTAS EM DIFERENTES TEMAS QUE COMPARTILHAM CONTEÚDO, PROVOCAM DISCUSSÕES E, COLABORATIVAMENTE, REALIZAM PROJETOS INOVADORES E TRANSFORMADORES.

CONHEÇA AQUI TODOS OS REPENSADORES.

Agendem a data de 9 de dezembro, 4ª feira, 20h, na sede da REPNSE.
E venham repensar o futuro com a repensadora Beia Carvalho.

 


14
Oct 15

De Volta pro Futuro ou Chegando do Futuro?

Palestrante Beia Carvalho capa da Revista GoWhere Business

Palestrante Beia Carvalho capa da Revista GoWhere Business

Em maio deste ano publiquei aqui neste blog a matéria de capa da revista GOWHERE Business com a chamada “Beia Carvalho, a Palestrante do Futuro”.
O título do post era “De Volta para o futuro”.

Entrevista com Beia Carvalho na Revista GoWhere Business

Entrevista com Beia Carvalho na Revista GoWhere Business

Semana passada, cheguei mesmo do futuro. Participei da Conferência, em Londres, Antecipando 2040, fruto de uma experiência incrível: meu primeiro projeto de crowdfunding!
Um projeto vencedor graças a meus inúmeros amigos e fãs, a quem nunca cansarei de agradecer.

O que uma coisa tem com a outra?

Bem, no dia em que cheguei do futuro recebi mensagens de 3 amigos, dois de São Paulo e outro do Rio, que foram as melhores Boas-Vindas possíveis.

Maru Filho, foi o primeiro: “Olha que bacana, Beia. Tô hj no elevador e vc tava lá, no caixa do Pão de Açúcar e vc lá de novo. Bjo”. E me manda junto com a mensagem a prova do crime: esta foto.

Isabella Rostworowski: “Também te vi enquanto estava na fila do caixa! Adorei!!! Bjs”.

E, Ighor Felipe, do Rio “Tentei tirar a foto ontem no elevador, mas não consegui, chegou no meu andar e tive que sair… rs… Achei top! =].”

Passada a deliciosa surpresa de saber que estava presente em elevadores e supermercados, veio a dúvida. Por que? Como? Quem?

Meu grande amigo André Moraes não conformado com o mistério, gugou a legenda da foto: Quando eu palestro, vejo empresas que ainda se protegem do mercado, dos concorrentes, das novas gerações, na tentativa de manter segredos que não são mais segredos para ninguém. E a resposta encontrada foi: matéria de capa da revista GOWHERE Business. Como diz o Ighor: TOP!

Beia Carvalho, o jornalista Celso Arnaldo e a executiva Tânia Mattana.

Beia Carvalho, o jornalista Celso Arnaldo e a executiva Tânia Mattana.

Obrigada uma vez mais a todos que fizeram essa linda matéria possível. Entrevista e texto do jornalista Celso Arnaldo Araujo. Executiva de contas e “olheira” Tania Mattana. E ao empresário Norberto Busto.

Se você quiser ler a entrevista de 5 páginas De Volta para o Futuro com com Beia Carvalho clique aqui

Beia Carvalho e o empresário Norberto Busto no evento de lançamento da edição

Beia Carvalho e o empresário Norberto Busto no evento de lançamento da edição

De Volta para o Futuro, artigo publicado na 8ª edição GoWhere Business

De Volta para o Futuro, artigo publicado na 8ª edição GoWhere Business


9
Sep 15

Não se iluda, Boko Haram é ultramoderno.

Filósofo francês Luc Ferry

Filósofo francês Luc Ferry

Por 5 anos, entre 2009 e 2014 ministrei o workshop Let’s Network Together, sobre essa Nova Era da Inteligência em Redes Colaborativas e Sociais. Por ali passaram quase 500 pessoas. A maior parte delas se sente parte da “mafiazinha do Let’s”.

Do início de 2009, quando mostrava as vantagens das empresas fazerem parte do Facebook (as poucas que se aventuravam pelas redes achavam que, por serem empresas e sérias, só poderiam estar discretamente no LinkedIn) aos novos comportamentos dos radicais, “perdidos” lá nas montanhas e cavernas de um distante Afeganistão, que tinham sacado e usavam toda a tecnologia a seu favor – desde a mais tenra idade das redes sociais. Enquanto isso, a Dilma usava o Gmail para assuntos de segurança nacional.

Ontem, o Estadão trouxe a entrevista do filósofo francês Luc Ferry a respeito do lançamento de seu novo livro “A Inovação Destruidora”. E ele tocou neste assunto. Foi um revival. Uma doce nostalgia daqueles workshops e de tanta gente bacana que conheci e viraram amigos e clientes. Veja como o filósofo Luc Ferry termina a entrevista:

“Não se engane, movimentos como Daech, Boko Haram e Al Qaeda são, apesar das aparências, movimentos ultramodernos. Eles querem voltar para a tradição, mas os meios que utilizam para chegar lá são ultramodernos: propaganda modernista sobre a Internet e redes sociais, armas sofisticadas, sistema financeiro eficiente para a coleta de dinheiro, etc. Eles são falsos tradicionalistas e verdadeiros modernos, como foram os nazistas nos anos 1930.”

NOTA:
1) Luc Ferry discute o paradoxo da inovação moderna (não achei o link da matéria) – Estadão Caderno 2 – 8/9/2015
2) Vídeo das meninas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram:

Vídeo das meninas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram

Vídeo das meninas nigerianas sequestradas pelo Boko Haram


19
Jul 15

Silvana, minha melhor amiga.

Silvana e Beia, Bauru

Silvana e Beia dando umas bandas pelas ruas de Bauru

Foi a minha melhor amiga.
Cheguei em Bauru no dia de meu aniversário de 1 ano.
Ela tinha 2, como observou minha mãe ao me dar a notícia ontem: “Conheci a Silvana com 2 anos, tão lindinha, quando chegamos a Bauru, há exatos 60 anos (14 de março de 1955).

Eram todos loiros na família, numa cidade onde ninguém era loiro. Quase ninguém, porque ela se casou com Paulo, talvez o outro único loiro da cidade. Ela tinha 2 irmãs mais velhas. Hoje seriam fashionalistas. Não sei quantas horas passamos juntas naquele enorme quarto onde Sandra e Sueli se arrumavam durante horas e horas, para ir aos bailes e festas nos fins de semana. E quando chegou a nossa vez, era ali que nos arrumávamos. Porque todo o frisson estava ali. O guarda roupa ia de fora a fora em uma das paredes e era repleto de roupas, acessórios, bugigangas, lenços, espelhos e muita bijuteria. Silvana, alta, linda e loira, sempre gostou dos brilhos, das grandes bijus, das flores. E tudo que ela vestia ficava lindo naquele corpão! Era exótica. Uma palavra que meu pai adorava falar para crianças, porque elas não sabiam o significado dela.

Silvana, a 1ª da direita para esquerda ao lado de seu marido Paulo. Seguida da irmã Sueli, cunhada Regina e meus pais, Agarb e Jeanete.

Silvana, a 1ª da direita para esquerda ao lado de seu marido Paulo. Seguida da irmã Sueli, cunhada Regina e meus pais, Agarb e Jeanete.

De todos os eventos, o Carnaval era de longe o mais importante, o mais gostoso e o que ocupava nossas mentes antes, durante e depois. Antes, porque sempre fazíamos blocos temáticos entre os amigos. Meus pais sempre adoraram Carnaval e minha “tia” Dulce, mãe da Silvana, também gostava. Mas não dançava. Se divertia da mesa. E sempre nos contava como era bom quando o Carnaval tinha lança-perfume.

Carnaval em Bauru. Da esquerda para direta, minha tia Eune, meu tio Zézinho, minha mãe Jante e pai Agarb.

Carnaval em Bauru. Da esquerda para direta, tia Eune, tio Zézinho, minha mãe Jeanete, pai Agarb e tia Dulce.

De tudo o que fizemos juntas na vida, nadar na Hípica, sem dúvida, ganhou de longe. Íamos de ônibus, sozinhos num bando de umas 10 crianças de todas as idades e ficávamos dentro da água a tarde inteira. Bauru era muito mais quente que hoje. Se dá pra imaginar! Lembro-me dos longos cabelos verdes, resultado do cloro desgraçado da piscina que “tingia” o cabelos das loiras. Um dia Silvana descobriu que lavar o cabelo com OMO tirava o verde e o cloro. E passamos a usar sabão em pó para lavar as madeixas. Que divertido!

Não estudávamos juntas. Ela foi pro Colégio das Freiras. Coitada! Não sei como suportou. Às vezes, penso que suportava as exigências e desmandos das freiras, porque estava ali, só com o o corpo. A alma era artista. Desde pequena, pintava muito e muito bem. Fazia bolos de madrugada. Lia livros inteiros de madrugada. Acordava tarde. Muito tarde. Tudo na vida dela era diferente da minha. Foi a minha melhor amiga enquanto convivemos. Um dia, não nos vimos mais. Ontem à noite, soube da tragédia.

Anos mais tarde conheci o Pedro, aqui em São Paulo. Era como olhar para ela. Ele tem a alma de artista. Não sei se também prefere a noite ao dia. Tem muito da mãe. E, por acaso dos acasos, conhece meu filho Galileo e se dão bem.

É a primeira amiga que perco. Assim, amiga mesmo de infância, adolescência e de vida adulta. Não é fácil.

Sim, ela foi uma mulher disruptiva. Viveu intensamente a vida. Isso é bom. Isso é o que importa: vivê-la.

E como Pedro postou ao lado de uma linda foto dela: “o céu acaba de ganhar mais uma estrelinha, obrigado mãe, te amo.”

Eu também, Silvana.