2016


3
Jan 16

These Are the Good Old Days!

Deborah, Beia, Angela e Mira.

Deborah, Guida e Mira no alto, Beia e Angela no primeiro plano.

Do que a gente falou?

Falou de um tempão atrás, tínhamos entre 11 e 13 anos. Batíamos o Brooklyn inteirinho de bicicletas, que naquela época ainda não se chamavam “bikes”. Íamos tomar sorvete de graça na fábrica da Kibon, fazíamos picnic onde hoje deve ser a Berrini e, lógico, passávamos horas em quartos falando, falando, falando.

Hoje, não foi diferente. Lembramos do Morumba’s, da avenida do mesmo nome. Eu passava as férias na casa da prima, aqui em São Paulo e adorava o hambúrguer, inexistente naquela época, na terra do Bauru. Também lembramos do Meninópolis, nome que eu achava engraçadíssimo para ser nome de Colégio. Do Peg&Pag, da Avenida Morumbi. E daquela Bar do Alemão, que ficava na Travessa Conselheiro Saraiva, onde todas nós nos conhecemos. E onde eu experimentei Paprika Schnitzel pela primeira vez. E que foi, por muito anos, meu prato alemão predileto.

Namorados de Adolescentes

Ah, e os namorados! Ah, e os irmãos dos namorados! Ah, e o muitos e muitos suspiros por um especial namoradeiro e que namorou as namoradeiras. Falamos de casamentos, descasamentos, abortos, filhos e netos, cachorros e gatos. Ilusões e desilusões.

Fabio Jr de longas madeixas

Fabio Jr de longas madeixas

Eu invejava a prima da Ângela, aquela estupenda chinesa dos desfiles da Rhodia, fruto da cabeça genial de Livio Rangan, diretor de publicidade da Rhodia. Mailu era um arraso! É a de verde no centro da página.

Revista Manchete, Modelos Rhodia, 1970

Revista Manchete, Modelos Rhodia, 1970

Mailu é a de rosa na foto abaixo.

Modelos Rhodia

Modelos Rhodia

Modelos-Rhodia
Good old days: não os quero de volta. Não prefiro ter hoje aquela idade. Aqueles tempos tinham muita coisa boa. E tinham também todos os grilos de sermos adolescentes. Vivi minha infância intensamente nas ruas de Bauru, jogando búrica, brincando de mocinho, de queimada. Viajei sozinha e com minha prima. Fui em todos os bailinhos e bailões. Namorei e namorei. Chorei por cabelos. Me descabelei por narizes e namorados. Foi bom demais.

E hoje foi o dia de viver um dia que será, junto com os outros que virão, os Good Old Days!

Feliz 2016!

Obrigada prima Deborah por nos reunir. Obrigada Mira pelo almoço. E obrigada Angela e Guida pelo papo.


28
Dec 11

O futuro é agora ou dentro de 5 anos?

5 Years From Now®

5 Years From Now®

(artigo que traduzi livremente sobre a projeção The Next 5 in 5da IBM)

Ao final de cada ano, a IBM examina tendências sociais, de mercado e as tecnologias emergentes de seus labs globais que devem transformar nossas vidas, e desenvolve uma projeção anual chamada The Next 5 in 5 – os próximos 5 em 5.

Como falamos em nossos workshops, a IBM prevê que nos próximos 5 anos, as inovações tecnológicas mudarão o nosso jeito de trabalhar, viver e se divertir.


Energia: O poder do povo despertará

Imagine a nossa capacidade de usar cada movimento à nossa volta – da água correndo pelos canos de nossas casas aos nossos tênis de corrida e pedaladas – para gerar energia para as nossas casas e cidade. O povo coletando e gerando a sua própria energia.

Segurança: O adeus às senhas
O escaneamento de nossas retinas ou voz serão nossos passaportes de verificação. Chega de decorar inúmeras senhas sem sentido. Nossa identidade biológica será a nossa senha.

Ler a mente não será mais ficção científica
O ato de ligar para um telefone ou ligar o computador pode estar com os dias contados. Cientistas estudam como ligar nosso cérebro a esses gadgets. Outras possíveis aplicações do controle eletrônico incluem reabilitação física e a compreensão de distúrbios do cérebro como o autismo, por exemplo.

Cai o muro entre a vida real e vida mobile
Daqui a 5 anos 80% da população mundial terá um celular. As oportunidades são infinitas: de comércio eletrônico por meios móveis a assistência médica remota.

Só receber informação que faz sentido
Imagine uma tecnologia que traz apenas as informação que você quer, combina suas preferências com sua agenda e já reserva tickets para o show da sua banda predileta?

Foi meu cliente Claudio Pucci quem me enviou este link da IBM. Entendo que essas foram as projeções feitas ao final de 2010, para os 5 anos à frente. Pois, como já vimos este ano, muita gente já vem pedalando pra gerar energia desde 2010.

Se você ainda não foi seduzido a pensar o futuro, é assim: 5 anos é longe o suficiente para sonhar e perto o bastante para imaginar. Sonhe, imagine e comece a fazer.

Porque como falamos aqui na 5 Years From Now®, criatividade é um jeito de ser e inovação um jeito de FAZER.


6
Nov 11

Meu negócio está fazendo 3 anos

estilo frog: from goiás

estilo frog: from goiás

Ao cabo de quase 3 anos, uma certeza: o negócio que você criou, vingou. Ponto. As dúvidas e inseguranças são hoje mais complexas e em maior número. Mas a GRANDE dúvida não existe mais: 5 Years From Now® é um negócio que também faz sentido para o mercado. Habemus 5 Years From Now®! E é dessa certeza que é feito o combustível dessa nova fase: como crescer, pra onde, com quem, a que ritmo, com qual investimento?

Levantar para trabalhar em a-per-fei-ço-a-men-to. Polir arestas. Delimitar, refinar públicos, produtos, colaboradores. Pensar em reger, não só em tocar. Escrever, registrar a “partitura”, porque a música que emana da empresa é a sua cultura. É um trabalho mais interessante, mais sofisticado e mais engajador, quando comparado com a extenuante energia física e psicológica de colocar um negócio em pé.

Mais exaustivo ainda, quando o negócio é criado do zero, como o nosso, baseado em um conceito inédito: refletir sobre o futuro. Transportar-se 5 anos no futuro e de lá olhar para o presente.

Depois de 3 anos de vida, as dúvidas são de outra ordem. Como garantir a pessoalidade dos nossos serviços e crescer? Como ganhar dinheiro enquanto dormimos? Como garantir a cultura do negócio? Garantir que todos conheçam a partitura e, ao mesmo tempo, colaborem para que a música evolua e continue a atrair e agradar o nosso refinado mercado.

De todas as questões, cultura é a que mais me apego e me dedico. Desde os primeiros minutos de vida da 5 Years From Now®, tudo o que “ela” fez foi registrado: escrito, fotografado, filmado, compartilhado. Tudo aqui tem um jeito “faive” de ser. A informalidade, a aposta no humor como tom da comunicação, a recepção e acolhida festiva aos prospects e clientes, o uso das redes sociais. E o abuso do preto e branco na comunicação, no jeito de vestir, no cartão, no site. Aqui é 5! Lembrei do “aqui é curíntia”.

A 5 Years From Now® faz aniversário dia 1 de dezembro. Por isso, esta época tem esse gosto de “balanço do ano”. E, em uma palavra, 2011 foi surpreendente. Surpreendentemente instável. Depois de propositadamente experimentar campos novos nos 2 primeiros anos de vida, comecei este ano com a certeza de estar definitivamente fechando o leque de atuação. Surprise! O ano que começou como uma grande festa, champagne à vontade, alardeando os mais altos níveis de crescimento na história do Brasil, está terminando com um jeito de “wow, que ressaca!”.

Mas as previsões são de um 2012 melhor para os BRICs e inflação mais baixa e mais movimentação no Brasil, por conta de Copa e Olimpíadas. Afinal, um dia eles tem que começar a construir tudo o que prometeram, não é?

Hoje, neste dia ensolarado de novembro de 2016, releio este artigo que postei 5 anos atrás. Hoje, a 5 Years From Now® está mais perto de comemorar os seus 10 anos. As questões, as dúvidas, amplificadas!

Mas como há 5 anos, também temos uma nova certeza: somos mais maestros e menos tocadores de cada um dos instrumentos. Reger. Difícil verbo.

Refinamos a observação. Observamos, sacamos e aproveitamos mais o que foi sacado. Aprendemos com o estilo Frog (From Goiás) do grande observador Joesley Batista, da JBS-Frigoboi. “Temos que observar quem faz coisas excepcionais dentro das nossas empresas”. Elas estão ali, debaixo da nossa fuça. Então, como vamos clonar pessoas e comportamentos excepcionais e disseminar o aprendizado?

Daqui 5 anos, em 2021, espero poder dizer que esta não é mais a questão, mas que há novas dúvidas e inseguranças em maior número e ainda mais complexas. Este é o combustível que move os empreendedores.

Este é o nosso estilo. Qual é o seu?
5 Years From Now®!

Joesley Batista, presidente JBS-Friboi

Joesley Batista, presidente JBS-Friboi

Nota: JBS S.A. é uma empresa brasileira, o maior frigorífico no setor de carne bovina do mundo, seu crescimento é exponencial: de 1,2 bilhão de dólares em 2004 a mais de 40 bilhões em 2011. Joesley Batista é o presidente. Mais: http://pt.wikipedia.org/wiki/JBS


12
Oct 11

Arquétipos? Arquétipos!

Oprah, sábia popular

Oprah, sábia popular

Você sabe qual é o arquétipo que representa o seu negócio?

Se sim, sua empresa age com coerência arquetípica?

Você sabe que LOSTBBB tem seus personagens baseados em arquétipos?

arquétipos & personagens

arquétipos & personagens

Você sabe que o nosso moderno cérebro abriga nas profundezas da mente traços de uma mente arcaica? Você sabe como isso influencia como pensamos e agimos? O assunto é muito profundo e a ideia aqui é visitar o que Carl Jung nos ensina sobre os arquétipos: “há formas ou imagens de natureza coletiva que estão impressas em nossas psiques”.

Sua marca se conecta com o arquétipo do AMANTE como os chocolates KOPENHAGEN que estabelecem com seus consumidores uma conexão profunda, íntima, prazerosa e sensual? Ou com o FORA DA LEI como o programa CQC que rompe com a repressão, conformidade e cinismo? Marcas fora da lei querem chocar as pessoas. Ou com uma marca SÁBIA como OPRAH que “alimenta” a fome de sabedoria da nova era. Oprah é uma sábia popular que instrui e orienta seu público. Uma especialista que exprime sabedoria, confiança e maestria.

A dinâmica de examinar 12 arquétipos para entender suas marcas e seus consumidores é uma das mais pop dos workshops 5 Years From Now®, segundo nossos clientes.

Porque, como dizem seus fãs, todas as ideias mais poderosas do mundo vieram de arquétipos. E se os arquétipos se conectam tão profundamente com as pessoas, é fácil expandir e perceber como eles se conectam com os nossos negócios.

Oprah é uma marca sábia que promove o aprendizado contínuo e tem uma coerência arquetípica invejável. Entre lançar uma linha de cosméticos ou roupas, ficou com o seu Clube do Livro. É com essa consistência que ela governa suas decisões e alavanca seu sucesso.

Se você se interessou por este assunto e não sabe que arquétipos mais se conectam com a sua marca hoje e no futuro, está perdendo uma eficiente e lúdica oportunidade de estimular a sua imaginação empresarial.

Quando você olha para o futuro, enxerga seu negócio trilhando a direção em que o mundo parece estar caminhando?

Carl Jung

Carl Jung

NOTAS:
Carl Jung: “há formas ou imagens de natureza coletiva que estão impressas em nossas psiques”.

Oprah Winfrey apresentou o programa The Oprah Winfrey Show, por 25 anos. Depois de seu último programa em maio de 2011, irá dedicar-se a sua própria rede, OWN e outros projetos pessoais. Ela ganha cerca de 50 milhões de dólares por mês com todas as suas incumbências profissionais. Mais wikipedia

A papisa dos arquétipos Carol S. Pearson em The Hero Within e Awakening the Heroes Within.


2
Oct 11

Ah, a primeira vez!

A Primeira Vez

The Graduate, 1967


É a primeira vez que ela é barata, democrática, acessível e fácil de usar.

É a primeira vez que em nossas casas ela é mais moderna, tem mais design, é mais potente e parruda que a que encontramos nas empresas.

É a primeira vez que muitos de nós estão muito mais à frente das empresas no domínio dos seus mais profundos segredos.

Desde os mais remotos tempos, a tecnologia nunca foi barata, portanto longe de ser democrática. O poder e o controle sobre ela se concentravam nas mãos de poucos que tinham a posse, o acesso, o conhecimento e eram os responsáveis por sua evolução – qualquer que fosse ela, da roda aos computadores.

Até muito pouco tempo atrás, este poder estava totalmente nas mãos das empresas. E tem muita empresa, por aí, ainda achando que é a tal, alheia à realidade debaixo de seu nariz, de que até seu mais simplório empregado possui e opera um gadget melhor, mais potente e poderoso que o disponível em seu local de trabalho.

E este descompasso é democrático. Está em todo o tipo de empresa. Algumas, vocês podem nem acreditar, poderosos grupos multinacionais, grandes e médias empresas brasileiras, governamentais e também as pequenas e micro.

Na minha experiência com empresários na 5 Years From Now®, vejo uma grande oportunidade para estas últimas darem um salto à frente da concorrência. São as micro, pequenas e até as médias que podem lançar mão da centralização, de uma baixa burocratização e da falta de engessadas policies internacionais, para sincronizar a visão de suas empresas com o futuro.

Isso. Vamos dar um fast fast forward correndo! Vamos desamarrar o nosso burro do século passado e fazer um sync com a Nova Era. A Era do Conhecimento em Rede.

Como diz o sueco Michael B Hardt, professor e pesquisador de tendências e design sustentável “acho que as tendências culturais são cíclicas através dos tempos e períodos de materialismo são seguidos de períodos de idealismo onde os valores éticos são considerados mais importantes que os financeiros. Esses períodos são longos e, no momento, passamos pela experiência de transitar de uma era materialista para uma era idealista. Nos próximos 40-50 anos vamos experienciar uma renascença de valores ideais. [...]. A curva de uma tendência que surge sempre é vista como positiva, por isso vemos o idealismo hoje como positivo, e assim será pelas próximas 2 décadas, pelo menos.” E arremata dizendo que o nosso pensamento se tornará um valor no futuro e que já há um mercado crescente para esta “mercadoria”.

Você está preparado pra ganhar dinheiro com esta nova mercadoria nos próximos 5, 10, 20 anos?

Nota:
Michael B Hardt, da Universidade de Lapland, Finlândia.


3
Aug 11

BIXOS & LIXOS

ritual?

ritual?

Não, não é uma opinião impensada. Faz 6 anos que a deplorável cena se repete, 2 vezes ao ano, bem aqui na porta da 5 Years From Now®.

Por mais ou menos 10 horas os veteranos dos bixos ecoam palavras de ordem grosseiras (para dizer o mínimo) e dignas de cafetões, para ser mais bem explícita. Gritos eufóricos se misturam às patéticas súplicas: “ah moço me dá um real, por favor, por favor!”. Na boca de meninas das classes média e alta, a frase toma um gosto de imoralidade. Não me pergunte o porquê: mas os carrascos veteranos que “tomam conta” da moçada são sempre do sexo masculino.

O ponto alto da parte da manhã são os carrascos-pimps forçando meninos e meninas a virar goles de 51 na boca da garrafa. Não é força de expressão não, é forçar, mesmo!

À medida que o dia vai passando, o nível alcoólico e o baixo calão vão subindo. Os cafetões vão ficando mais machos, meninas e meninos mais estridentes e bêbados e a minha paciência vai se caindo para os níveis mais baixos.

E, finalmente, cai a noite. Lambuzados de tinta dos pés às cabeças, roucos, largados pelas calçadas dos prédios em volta do Parque Buenos Aires, são os meninos e meninas vomitadas, os grandes protagonistas do gran finale.

Enquanto isso, no mundo, jovens estão fazendo grandes e inesperadas revoluções, que estão mudando bem mais que só a geografia dos países do século XXI.

Entendo e sou fã das manifestações ritualísticas que nos preparam para o próximo passo da vida. Me pergunto se a forma de um ritual evolui com o tempo. Tomara! Senão, vamos rever esta cena daqui a 5 anos, igualzinha e tediosa como num vale a pena ver de novo.

Me pergunto se essa forma “acolher” os calouros ainda ocorre em todo o Brasil, ou é privilégio das classes de “gente não-diferenciada” do Mackenzie e FAAP, meus vizinhos.

Até o próximo semestre! E meninos: don’t show up to prove. Show up to improve*.

* Simon Sinek.


27
Jan 11

Bem-vindo Brasil!

2016: Educação

2016: Educação

PREPARADO BRASIL?
Bem-vindo Brasil! Assim saúdo meus clientes, logo cedo, para dois dias do workshop 5 Years From Now®, um profundo mergulho nos aspectos intangíveis da empresa. Assim saudei Brasil. 5 Years From Now® começa com um substancioso café da manhã, mas logo chega a hora que apelidamos de “soco no estômago”. Essa dinâmica começou há 2 semanas atrás, quando entrevistamos funcionários e ex-funcionários do Brasil, seus amigos e ex-amigos (ooopss), um país que Brasil ama, outro que odeia e um empresário que admira.

continue lendo →